MotoGP, 2021, Áustria: Kevin Schwantz recomenda a Red Bull Rookies

Por a 2 Agosto 2021 16:30

Há dez anos que nenhum americano ganha um Grand Prix. Kevin Schwantz atribui muito do mérito em formar pilotos Europeus vencedores à Red Bull Rookies Cup

“A Taça Red Bull Rookies é o melhor teste que existe para os jovens talentos” Kevin Schwantz

Depois dos três títulos conquistados por Kenny Roberts na Yamaha, de 1978 a 1980, os americanos dominaram o Campeonato Mundial de 500cc durante anos, com Freddie Spencer, Eddie Lawson, Wayne Rainey e Kevin Schwantz, além de que Randy Mamola também trouxe para casa quatro vice-campeonatos mundiais. John Kocinksi ganhou o Campeonato do Mundo de 250cc em 1990 e depois mostrou algum heroísmo no Campeonato do Mundo de 500cc antes de ganhar o Campeonato do Mundo de Superbike.

Mas depois a maré de sucesso norte-americana chegou ao fim. Em 2016 e 2017, foi a primeira vez desde 1975 que não houve nenhum piloto americano regular em qualquer classe de GP.

Na era do MotoGP, que existem desde 2002, das 990cc a quatro tempos (até ao final de 2006) e 800cc (até ao final de 2011), e depois com as novas 1000cc, a América apresentou apenas dois vencedores de GP: Nicky Hayden venceu em Laguna Seca em 2005 e Assen e Laguna Seca em 2006, Ben Spies em Assen em 2011.

Além disso, Nicky Hayden triunfou contra Rossi em 2006 e ganhou o Campeonato Mundial de MotoGP com a Honda Repsol.

Desde a vitória de Spies em Assen há dez anos atrás, os fãs americanos esperam em vão por um novo vencedor de GP.

Kenny Noyes, que aliás nasceu e cresceu em Barcelona e é portanto espanhol, Josh Herrin, Joe Roberts e Cameron Beaubier (em 2021 como novato de Moto2) sempre mostraram resultados respeitáveis, mas nunca foram suficientemente bons para vitórias.

Kevin Schwantz, campeão mundial de 500cc em 1993 na Suzuki e 25 vezes vencedor em GP nas 500, sempre se preocupou com os talentos americanos.

A série MotoAmerica gerida por Wayne Rainey não produziu nenhum super-talento novo em todos estes anos.

Só foi suficiente para o Campeonato Mundial de Superbike, como no caso de Garrett Gerloff, ou para uma carreira assim-assim na Moto2, como no caso de Joe Roberts, (acima) pelo menos até à chegada de Cameron Beaubier.

“Parece que Beaubier está a ficar mais forte a cada corrida”, disse Kevin Schwantz há dias. “E parece que Joe Roberts se está a deteriorar, a andar para trás e em breve estará em pé de igualdade com ele. Suspeito que Cameron será mais forte do que Joe antes do final da época. Estou curioso para ver como serão os seus resultados em Outubro, no GP de casa no Texas”.

“Quem será o próximo vencedor da América em MotoGP e de onde virá é difícil de dizer”, continua Schwantz. “O Campeonato Mundial de Superbikes dos EUA é pouco provável que produza jovens talentos de GP. Mas temos alguns pilotos promissores que querem passar para as Pré-Moto3. É assim que tem de ser. Não podemos contar com o campeonato dos EUA. Não é suficientemente visível, não está no centro das atenções internacionais, não tem um seguimento avassalador. Assim, não vai poder escolher um piloto para levar para a Europa para o Campeonato do Mundo”.

“O talento tem de encontrar uma forma de vir para a Europa em tenra idade e conseguir um lugar na série júnior espanhola”, diz o texano de 57 anos. “Eles têm de deixar a sua marca no Campeonato CEV Repsol e ganhar atenção através disso. No CEV correm em frente dos chefes de equipa que os podem levar às corridas de GP. Os jovens têm então de começar nos Campeonatos Mundiais de Moto3 e Moto2, talvez até de MotoE. Mas não tenho a certeza quanto a isso. Se alguém me perguntar, a resposta é clara: Recomendo a Taça Red Bull Rookies. Este é o melhor teste que existe para os jovens talentos”.

Jake Gagne e Cameron Beaubier (acima) também vêm desta série júnior.

Schwantz: “Basta ver como o vencedor da Taça Rookies do ano passado Pedro Acosta está a dominar no Campeonato do Mundo de Moto3 imediatamente este ano. É inacreditável a força com que se está a afirmar. Remy Gardner e o seu jovem companheiro de equipa de Moto2 Rául Fernández também vêm da academia Red Bull”. A propósito, Zarco, Mir, Martin, Di Giannantonio, Binder, Oliveira, etc., também se graduaram na Taça Red Bull Rookies.

Cameron Beaubier e a nova estrela da MotoAmerica Jake Gagne participaram na Rookies Cup em 2007 e 2008, quando ainda estavam a correr nas 125 a dois tempos. Beaubier só chegou à classe de Moto2 aos 28 anos de idade e com cinco títulos de Superbike dos EUA em seu nome. Ele disputou o Campeonato do Mundo de 125cc em 2009 com a KTM Red Bull e terminou em 29º lugar com três pontos.

A conclusão de Kevin Schwantz é categórica: “O campeonato americano MotoAmerica não está a produzir os jovens pilotos de que precisamos para o campeonato mundial”.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x