MotoGP, 2021: Alex Márquez em entrevista

Por a 8 Julho 2021 13:33

O bicampeão mundial revela como ganhar motivação em momentos difíceis nas corridas, e um nome do passado a quem ele e Marc Márquez estão incrivelmente gratos

É o Alex Márquez da Honda LCR Castrol como nunca o ouvimos antes. O bicampeão mundial de Grandes Prémios sentou-se para conversar sobre a vida dentro e fora da boxe e da sua RC213V, os seus interesses quando não está na sua moto de MotoGP a mais de 320 Km/h, e porque pensa que nem sempre é bom ganhar um Campeonato do Mundo quando se tem apenas 18 anos de idade.

O Campeão do Mundo de Moto3 de 2014 e de Moto2 de 2019 reclamou dois pódios na sua campanha de estreia com a Honda Repsol, mas tem sido mais difícil em 2021. Tornar-se um piloto MotoGP é um sonho para muitos, mas apenas alguns selecionados ganham a oportunidade de correr no topo.

Alex Márquez trabalhou arduamente para se tornar um desses pilotos. No entanto, nem sempre é fácil, especialmente quando os resultados não estão a correr à sua maneira.

Alex Márquez admite que por vezes é difícil ser piloto de motociclismo, especialmente se não estiver a desfrutar de alguns bons resultados aos domingos à tarde.

“Nem sempre é bom tipo, não é… agradável. Há alguns dias em que se quer descansar. Mas depois, se eu ficar em casa, após uma hora, uma hora e meia, já quero mexer-me. Nem que seja uma hora na moto, mas preciso de ir. Depois vais, mas por essa razão. Se eu tiver o Marc comigo, e estamos sempre juntos: “vamos lá, vamos!” “Mas hoje estou cansado!” “Vá lá, vá lá! Uma hora, uma hora e meia. É isso, nós voltamos!”

“Nunca perco a motivação para trabalhar em casa ou assim. É verdade que quando os resultados são realmente bons, é fácil manter a motivação, mas mesmo com maus resultados, nunca perco a motivação para trabalhar e ser mais forte e ir ao ginásio ou andar de moto todos os dias. O dia em que perder essa motivação será o dia de parar, mas de momento, estou feliz neste modo de vida… estar cansado quase todo o dia… mas fazer algo de que gosto muito”.

Alex Márquez também revela quem é o herói anónimo de Marc Márquez, alguém que realmente ajudou a impulsionar a dupla para onde eles estão hoje.

“Falo muito normalmente do Emílio [Alzamora]. É o meu manager, e ajudou-me muito e tudo na minha carreira. Mas um tipo que foi realmente importante para mim, foi Joan Moreta, que já faleceu e foi o presidente da Federação, mas também esteve no RACC (Real Automóvil Cub de Cataluña). Porque antes de mais, em Espanha, começamos no karting e uma família normal pode arcar com o custo e isso. Mas depois disso, quando se precisa de ir às grandes pistas… é preciso dinheiro, já se sabe.”

“E nesse ponto, nós dissemos ‘ok, paramos’. E o meu pai comprou-me uma supermoto, que é mais barata, e competimos num campeonato supermoto e pronto. Mas depois o Juan com o RACC veio ter comigo para me levar até às grandes pistas e isso foi chave nesse ponto porque senão…”.

Alex Márquez explica como é importante o passo entre passar do financiamento familiar, a ter outras pessoas a confiar em si e dar-lhe uma oportunidade de progredir nos campeonatos nacionais.

“Quando veio da nossa família normal, é importante que as pessoas confiem e deem um ano, uma oportunidade de mostrar o potencial ou algo parecido. Se não tiveres sequer a oportunidade, então é difícil. Mas temos sorte que em Espanha temos muitos fãs ou tipos realmente apaixonados que confiam nas motos e gostam delas…”.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x