MotoGP, 2021: A filosofia de Carchedi da Suzuki

Por a 17 Fevereiro 2021 16:00

O chefe dos mecânicos de Joan Mir falou sobre como uma abordagem simplista ajudou no desenvolvimento da GSX-RR a caminho do título mundial

“Manter tudo simples” Frankie Carchedi

Após um final intenso do Campeonato de MotoGP de 2020, que viu o seu piloto tornar-se campeão do mundo, o chefe da equipa técnica Frankie Carchedi está ansioso por voltar à ação enquanto planeia um caminho para títulos sucessivos para a fábrica de Hamamatsu.

Entrando nesta temporada como campeã em título com ambições ainda maiores, uma moto que é a inveja do paddock e a saída do Team Manager Davide Brivio, havia muito para discutir quando Carchedi da Suzuki Ecstar se dirigiu à comunicação social.

Naturalmente, Joan Mir foi o principal tema da conversa, desde o seu desenvolvimento como rookie a Campeão de MotoGP no segundo ano, e ao que o futuro reserva para o piloto de Palma de Maiorca.

“Sabíamos desde o primeiro dia que ele tinha algo de especial, pudemos vê-lo desde a primeira corrida”, disse Carchedi.

“Acho que nunca mudou desde o início. Ele sabia o que queria, não sei se todos acreditaram nele, mas eu de certeza que sim. O foco estava lá desde o primeiro dia.”

Ao lembrar-se de quando Mir se juntou à família Suzuki, Carchedi salientou que não teve o melhor começo na classe rainha, mas a pressão dessa má estreia só ajudou a construir a mentalidade que ele precisava para desafiar para os títulos mundiais. 

“Acho que ele prospera sob pressão. Na verdade, depois do Qatar (em 2019), acho que fizemos uma série de seis ou sete corridas sem conseguirmos um ponto. Saiu de pista em Mugello, teve uma falsa partida em Austin, e depois o estranho acidente em Brno. Estávamos a aumentar a pressão, pois não estávamos a conseguir pontos. Em 2020 posso dizer que as coisas estavam a correr melhor, desde o início, o que o ajudou.”

Em 2021, como Campeão, é improvável que vejamos algo diferente na aproximação às corridas, de acordo com o chefe da tripulação.

“Acho que ele não vai mudar a sua abordagem. Uma coisa que fizemos desde o início, e mesmo ao longo do ano, foi uma corrida de cada vez, uma sessão de cada vez.”

“Não ter vencido uma corrida em 2019 ajudou, porque o objetivo era conseguir um pódio, e depois ganhar uma corrida. Portanto, quando ele ganhou uma corrida pela primeira vez em Valência, começámos a pensar no Campeonato.”

“Uma coisa que ele achou muito frustrante quando começou foi que, como trava muito tarde, os outros pilotos tendiam a bloqueá-lo ou tirá-lo de pista. Acho que aconteceu duas ou três vezes no primeiro ano.”

“Penso que ser campeão do mundo é uma vantagem, pode haver um pouco mais de respeito, mas quem sabe no MotoGP?”

“Uma das minhas primeiras vitórias no Campeonato foi com o ’36’. Na verdade, uma das coisas mais engraçadas quando nos conhecemos foi que tínhamos a mesma senha de telefone, e isso tem um pouco a ver com a nossa história! 36 foi sempre o meu número da sorte!”

É claro que a dupla mantém uma relação próxima, e Carchedi falou abertamente sobre isso, dizendo que o ambiente familiar entre a equipa e dentro da garagem Suzuki em geral é fundamental para o sucesso.

“A primeira coisa que lhe disse foi, vamos ser 100% abertos e honestos, seja com ele ou a moto. Desde o primeiro dia que tivemos todos os cenários a decorrer, às vezes havia algo que ele não estava a fazer bem, e mesmo agora há certas alturas em que realmente lutamos, mas resolvemos tudo. A honestidade permite-nos explorar um pouco mais.”

“Acho que é uma coisa boa, apesar da pressão do Campeonato, lembro-me de ir à sua autocaravana no sábado à noite do GP de Valência falar sobre a corrida e acabámos por encomendar um kart cada um! Temos muitos interesses comuns fora da pista.

Apesar das afirmações de Alex Rins de que se sente como o piloto número um na Suzuki, Carchedi ofereceu um ponto de vista diferente.

“Na Suzuki, não há número um ou número dois, somos uma pequena fábrica e muito orientada para a família. É maquinaria igual, damos-lhes o melhor de tudo e eles recebem o mesmo apoio. Queremos os dois pilotos na frente e se um deles pode estar no topo, então fantástico!” 

“À maneira Suzuki, queremos melhorar a moto para que ambos os pilotos obtenham uma vantagem. Para ser franco, a ênfase está na marca sobre a glória individual. Adorava ver o Joan ganhar o Campeonato, mas se o Alex ganhar, ficaria extremamente feliz na mesma. Na situação ideal, estariam a lutar entre si.”

O ambiente familiar é mais crucial do que nunca após a saída do ex-team manager Davide Brivio da equipa, e Carchedi faz parte de um novo comité que foi encarregado de preencher o vazio deixado pelo italiano, uma transição que tem corrido bastante bem até agora.

“É difícil de avaliar neste momento. O que eu diria é que, em vez de passarmos pelos canais, neste momento, vamos diretamente ao Saara. Não mudou muito, temos de ver como começa a época, mas até agora está a correr bem.”

“Estaria a mentir se não dissesse que a posição na grelha é uma das áreas a rever, mas à maneira da Suzuki, melhoramos pouco a pouco, mas sempre o pacote completo.”

“Um famoso ditado que temos em Inglaterra, é manter tudo estupidamente simples, é um equilíbrio entre ser complicado e demasiado simples.”

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x