MotoGP, 2020, Portimão: MotoGP prepara-se para o grande final na montanha russa

Por a 19 Novembro 2020 13:00

A pressão acabou para Mir, e a corrida agora é para definir o vice-campeão… uma série de despedidas e desafios aguardam no Algarve

2020 será para sempre uma temporada a ser recordada: recordes igualados ou batidos, um novo campeão na classe rainha, história feita para fabricantes antigos e novos… e nove vencedores diferentes já.

Chegou a hora da cortina descer, mas não sem um último espetacular, com o Autódromo Internacional do Algarve a receber o paddock da MotoGP para a última ronda na montanha-russa com muito ainda em jogo.

A primeira menção deve, naturalmente, ir para Joan Mir (Suzuki Ecstar). O maiorquino chega como o atual campeão do mundo de MotoGP depois de converter a sua liderança em vitória, e agora tem pouco a perder, e pode desfrutar da melhor maneira. O número 36 admitiu que o exterior calmo dos últimos tempos não tinha sido bem a verdade da história, e um Mir relaxado poderia muito bem ser a referência.

O facto do novo traçado, com as suas ondulações, poder muito bem adequar-se à fábrica de Hamamatsu também é crucial para Alex Rins (Suzuki Ecstar) e para a fábrica como um todo.

A Suzuki poderia completar a Tripla Coroa, já que o título de pilotos já é deles, bem como o das equipas e tudo o que resta é o Campeonato de Construtores.

A outra hipótese é a Ducati, uma vez que os dois estão iguais em pontos.

No que diz respeito a Rins, o espanhol pode ter perdido a coroa, mas está na luta para terminar o ano como vice-campeão, e isso apesar de ter tido grande parte da sua temporada afetada por lesão, mas está a apenas quatro pontos do segundo lugar…

O piloto a seguir a Rins, no entanto, está numa maré de sorte. Franco Morbidelli (Yamaha Petronas SRT) é atualmente o homem em segundo e chega fresco de mais uma vitória. Já tínhamos visto a vitória do italiano por duas vezes este ano, mas a terceira vez foi um encanto para todos os que assistiam, pois tudo se resumiu a uma espetacular luta de última volta com Jack Miller da Ducati Pramac.

Morbidelli ganhou para subir ao segundo lugar do Campeonato, e a Yamaha Petronas SRT também foi nomeada melhor Equipa Independente. Se Morbidelli conseguir manter a sua forma, tem a oportunidade não só de ser vice-campeão, mas também de levar as honras de melhor piloto de uma Equipa Independente. O seu companheiro de equipa, Fabio Quartararo, é o único homem que o pode negar, mas o francês está agora a 17 pontos, depois de uma enorme confusão em Valência, embora também esteja a tentar deixar a equipa em alta.

Maverick Viñales (Yamaha Monster Energy) é agora quarto e dois pontos à frente de Quartararo, e Andrea Dovizioso (Ducati Team) agora sexto, mas igual em pontos com ‘El Diablo’. Tudo isso pode mudar numa curva em Portimão…

Dovizioso é também um jogador-chave na classificação dos construtores, com a Ducati a defrontar a Suzuki e a Yamaha, mas é uma ocasião pessoal ainda maior para o italiano: a sua última corrida de MotoGP antes de um ano sabático planeado.

Se será tingida de alegria, tristeza ou alívio de certa maneira continua a ser uma questão pessoal para o próprio homem, mas para milhões de fãs em todo o mundo a ausência do impecável italiano será certamente muito sentida na grelha de 2021, e uma última corrida de vermelho é algo para recordar.

Há despedidas para outro jogador na luta pelos cinco primeiros também, já que Pol Espargaró está a apenas três pontos de Dovi na classificação, enquanto se prepara para andar pela KTM Red Bull pela última vez.

O espanhol faz parte do projeto desde quase o início e viu-o crescer para as vitórias e teve uma incrível série de pódios por isso, vai estar a esforçar-se para sair em alta da fábrica austríaca.

Jack Miller também se muda da Pramac para a Ducati Team na próxima temporada e vai querer subir em alta, Johann Zarco (Esponsorama Racing) muda-se para o substituir e Danilo Petrucci (Ducati Team) ruma da Ducati à KTM Red Bull Tech 3. Tito Rabat (Esponsorama Racing), entretanto, é outro que não deverá regressar à grelha em 2021.

E depois há Cal Crutchlow (Honda LCR Castrol). Só para somar à onda de despedidas, o britânico, depois de três vitórias no Grande Prémio e algumas conquistas recorde, vai-se tornar piloto de testes em 2021.

Será com a Yamaha, onde também há um adeus fulcral, uma vez que Valentino Rossi (Yamaha Monster Energy) deixa a equipa, mas não a fábrica, no final da temporada.

Tem sido difícil, por vezes, esta temporada para o nove vezes campeão do mundo, mas o seu tempo na Yamaha será medido muito mais pelos seus incríveis sucessos. Batendo recordes e provando-se quase imbatível durante algum tempo, o emparelhamento é um dos, se não o mais icónico, na história da modalidade.

O número 46 permanecerá na grelha, mas na boxe da Yamaha Petronas SRT na próxima temporada, pelo que será o fim de uma era decisiva para a sua equipa e para o próprio homem.

Entre tudo o que está em jogo na classificação de construtores e pilotos, e os capítulos finais que muitos enfrentam, há também a procura do décimo vencedor diferente para bater o recorde de todos os tempos.

Poderá ser Pol Espargaró, Miller, Bagnaia, ou Zarco. Ou Takaaki Nakagami (Honda LCR Idemitsu)? O piloto japonês também procura o seu primeiro pódio, e tem estado com grande velocidade, mas também azar.

Há também o Rookie do Ano por decidir. Brad Binder (KTM Red Bull Factory Racing) está quase lá, pois está 20 pontos à frente de Alex Márquez (Honda Repsol Team), mas as corridas nunca são uma formalidade.

E certamente, em Portimão, ainda menos.

Por fim, há um herói de casa que chega pela primeira vez a correr em solo pátrio na classe rainha: Miguel Oliveira (KTM Red Bull Tech 3).

Oliveira já é um finalista do pódio e vencedor em MotoGP, e infelizmente não haverá nenhum fã da casa em pista para o animar, mas haverá milhões a assistir de casa, pois o português, que é o atleta mais mediático de Portugal, apoiado pelo titular do GP MEO, capturou a imaginação popular e todos o querem ver fazer um bom resultado em casa.

Com o GP de Portugal a regressar ao calendário, será uma grande corrida para Oliveira e o homem de Almada vai estar a esforçar-se para terminar a temporada em alta antes de se mudar para a KTM oficial.

Por isso, preparem-se para mais um fim de semana espetacular de corridas, enquanto o MotoGP defronta a montanha-russa do Autódromo Internacional do Algarve. Para alguns é uma despedida, para outros uma posição final , mas para todos, é um desafio completamente novo.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x