Moto3, 2021, Áustria: Cinco a seguir atentamente

Por a 22 Julho 2021 17:30

Cinco pilotos da classe mais pequena que é preciso vigiar de perto na segunda metade de 2021

É difícil permanecer consistente na classe de Moto3, com as corridas frenéticas e imprevisíveis. No entanto, alguns pilotos cairiam na categoria de inconsistentes, geralmente sem culpa própria, e terão como objetivo recuperar durante a segunda metade da temporada. Aqui estão os pilotos que devemos seguir atentamente:

Jeremy Alcoba (Indonesian Racing Gresini Moto3) – 9º, 58 pontos:

Alcoba qualificou-se bastante bem para as duas primeiras rondas do ano em Losail, mas não conseguiu ver a bandeira de xadrez em ambas as ocasiões. Outra fila da frente em Portimão destacou o seu ritmo, mas devido a uma partida do pitlane só conseguiu marcar dois pontos.

Depois, em Jerez, foi um hat-trick de partidas na primeira fila para Alcoba antes de finalmente converter o seu ritmo de sábado num resultado no domingo, ficando no pódio em terra natal.

Tem sido a história da época do antigo Campeão do Mundo de Moto3 Júnior até agora. Ele não conseguiu qualificar-se fora das duas primeiras filas da grelha apenas duas vezes durante todo o ano, mas até agora só sacou dois pódios em 2021.

Se o catalão conseguir afinar o seu faro de corrida e usar um pouco mais de bom senso no domingo, uma vitória de estreia está à vista e ele poderia fazer uma carga para o topo da tabela.

Andrea Migno (Rivacold Snipers Team) – 10º, 58 pontos:

Tendo passado seis anos numa KTM, o italiano fez uma passagem sem problemas para as Honda se a dupla de abertura no Qatar indica alguma coisa, após um quarto lugar no Grande Prémio de Doha.

Agora um dos homens mais experientes na grelha, muito se esperava do homem da Academia VR46 em 2021 e ele mostrou vislumbres de brilhantismo, sendo o seu momento de destaque o pódio em Portimão. No entanto, o infortúnio seguiu-o até onde quer que tenha ido em 2021, com um punhado de incidentes que lhe negaram a hipótese de resultados fortes.

Duas poles e ritmo impressionante na sexta-feira viram-no na luta em quase todas as voltas deste ano, mas três desistências nas suas últimas quatro corridas custaram-lhe caro. Desde a segunda prova que Migno terminou dentro dos cinco primeiros, sempre que viu a bandeira de xadrez. Mas aqueles acidentes em Mugello, Catalunha e Assen significam que ele está em décimo lugar na classificação em vez de estar confortavelmente dentro dos cinco primeiros.

É simples para o amável italiano, manter-se afastado de problemas e os resultados virão na segunda metade da época.

Izan Guevara (GASGAS Aspar Team) – 15º, 36 pontos:

Guevara fez um começo impressionante na vida no Mundial no Grande Prémio no Qatar, chegando imediatamente à primeira fila e seguindo-a com um sétimo lugar. O estreante fez ainda melhor uma semana mais tarde, com uma séria e impressionante sexta posição.

Contudo, esses resultados foram, sem surpresa, ensombrados pelo inacreditável duplo do novato Pedro Acosta no Qatar.

Desde então, o Maiorquino terminou dentro dos dez primeiros apenas uma vez no Sachsenring, e tem estado regularmente no final da qualificação. Esteve na luta pela vitória no Grande Prémio da Catalunha antes de um erro tardio na Curva 10, mostrando que pode competir em circuitos que conhece bem.

E por falar em circuitos que conhece bem, Guevara já terá a data do Grande Prémio de Aragón marcada no seu calendário.

Um hat-trick de vitórias de 22º da grelha no Campeonato do Mundo de Juniores Moto3 em 2020 foi o ponto de viragem no seu ano de conquista do título, por isso não fiquem chocados se virmos o jovem de 16 anos deixar a sua marca em MotorLand.

Xavier Artigas (Leopard Racing) – 17º, 30 pontos:

Quatro desistências e um final fora dos pontos em Mugello é a razão pela qual o novato ocupa o 17º lugar na classificação no seu primeiro ano completo no Campeonato do Mundo. Mas também mostrou que tem ritmo para competir na frente do Campeonato do Mundo de Moto3 em várias ocasiões. Quatro vezes nos dez primeiros lugares é uma base forte para o jovem espanhol continuar a construir a segunda metade de 2021.

Deniz Öncü (KTM Red Bull Tech3) – 20, 25 pontos:

Öncü está atualmente a meio da sua segunda temporada no Campeonato Mundial e ao longo desses dois anos demonstrou ser capaz de lutar com o melhor em mais do que uma ocasião. Um pódio de estreia na Catalunha é o momento chave da primeira metade do ano para o turco, mas não foi a primeira vez que ele tem desafiado no topo.

A sua corrida de destaque foi certamente o Grande Prémio de Espanha, onde o talentoso adolescente liderou a maior parte da corrida antes da sua exuberância juvenil ter assumido a liderança na curva final.

De igual modo, ele também tem actuado no sábado, nunca perdendo um lugar no Q2 desde que a Moto3 chegou à Europa.

A grelha de classe leve terá de estar ciente do #53 num circuito como o Red Bull Ring, onde ele deu cartas em ambas as corridas no circuito austríaco em 2020.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Moto GP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x