Entrevista Marc Marquez: “Voltaremos a estar no topo”

Por a 1 Outubro 2020 23:23

O hexacampeão mundial está de volta aos treinos no ginásio e bicicleta, após a sua queda na abertura da temporada. Mentalmente está mais forte, mas sofre em cada fim-de-semana a assistir na TV aos MotoGP, com uma vontade incontida de voltar a saltar para a moto! Tem a palavra o nº 93 Marc Marquez.

A temporada de Marc Márquez começou de forma dramática na abertura da temporada do Grande Prémio da Espanha, em julho, no circuito de Jerez. O espanhol tem sido a força dominante da MotoGP na conquista do título, seis vezes campeão nas últimas sete temporadas, mas foi forçado a perder a maior parte da campanha de 2020 até ao momento, depois de passar por duas operações ao seu braço direito fraturado.

/

Antes da corrida em casa no fim de semana do Grande Prémio da Catalunha, Márquez falou sobre o seu regresso direcionado, um retorno aos treinos e a luta pelo título na sua ausência…

Como se sente física e mentalmente?

Do lado mental foi difícil no início. Não havia nada para fazer em casa, os dias e até mesmo as horas eram muito, muito longos, mas agora temos um plano para cada dia. Faço duas sessões de fisioterapia e depois treino no ginásio com o meu treinador, o braço esquerdo, as pernas, junto com um pouco de cardio. Então agora o lado mental está muito melhor. O momento onde eu mais sofro é no fim-de-semana de corridas porque estou a assistir na TV à corrida, a todas as sessões de treino e não é fácil.

Como se sente agora que voltou ao ginásio?

Comecei a andar de bicicleta e correr, e esperava que fosse muito pior porque por quatro, cinco semanas estive completamente no sofá a assistir à TV. Mas comecei a correr, e logo desde o primeiro dia me senti bem e comecei a ver melhorias, com o ciclismo também. O mais importante é que todos os movimentos estão bem e agora, passo muito tempo com o meu fisioterapeuta Carlos, ele está a morar comigo na minha casa, vamos começar a trabalhar duro para melhorar, seguindo os passos corretos no tempo correto.

Sentia falta dos treinos?

Perdi o treino, especialmente nas duas primeiras semanas, mas o que sinto falta mais é estar em cima de uma moto. Agora começo a sentir-me pronto, mas é quando se torna um pouco perigoso porque quando nos sentimos prontos, queremos mais e mais.

Na semana passada já treinava de bicicleta com proteção, ainda está a usá-la?

Sim, tivemos alguns tipos diferentes de proteções. No começo eu tinha muita proteção, da mão até a parte superior do braço e estava completamente rígido. Então passo a passo usamos essa proteção de carbono que você viu nas redes sociais que vai do cotovelo ao ombro. E agora, na vida normal não estou usando nada, mas quando estou a pedalar ainda uso essa proteção de carbono.

Quanto tempo acha que vai demorar até poder correr de novo?

Três meses é muito. Quando eu estava com os médicos tentamos entender e ouvir opiniões diferentes, médicos diferentes e eles disseram em torno de três meses.

Sabe qual será a sua primeira corrida de regresso?

Neste momento não sei, mas sei que estou mais perto de estar de novo em cima de uma moto, que é o mais importante.

Na corrida em Misano, foi a primeira corrida em que o Team Repsol Honda esteve mais perto da frente. O que achou disso?

A equipa Repsol Honda está, eu acho, numa situação difícil. Claro, eu sinto que sou importante lá e sinto que podemos alcançar muitos bons resultados, mas quando você tem um piloto novato do outro lado da garagem, e então eu estava fora da primeira corrida, então você pode perder a direção um pouco. Mas agora parece que é normal, um novato tem um processo e meu companheiro de equipa, que também é meu irmão, é claro, tem um bom processo. Mas o teste de terça-feira em Misano foi muito importante porque eles encontraram algo lá e então a partir desse ponto o Nakagami e o meu irmão, Alex, deram um grande passo. P6 e P7 no geral no resultado final, eu acho que é um bom resultado para eles.

A partir de 2013 ganhou seis títulos, agora é um momento difícil para a Honda. Muitas pessoas estão a usar essa má sorte para atacar e dizem que a moto não é fácil e a estratégia da equipa está errada. O que acha?

Tenho muito tempo agora e leio muitas coisas mas, no final, se observar os últimos dez anos, a Honda teve uma estratégia perfeita. Porquê? Porque é a equipa que ganhou mais títulos, mais títulos por equipas e mais Campeonatos de Construtores. Acho que a Honda fez um ótimo trabalho durante todos esses anos. Todos os fabricantes lutam a cada anos, mas é assim às vezes. Quero dizer, cada moto de MotoGP tem um caráter diferente e então os pilotos devem se adaptar à moto. A Honda tem essa filosofia há muitos anos nas classes 500cc e MotoGP. Por exemplo, quando falo com Doohan, com Criville, a filosofia era a mesma. A Honda tem uma boa moto, mas o piloto precisa de estar 100% em forma, precisa de puxar bem a moto, e quando a sintonia está perfeita o piloto pode ser muito rápido.

O que acha desta temporada? Faltam sete corridas, e ainda está tudo completamente em aberto no campeonato…

É estranho. É estranho porque parece que ninguém quer ganhar! Ninguém quer estar no topo, quero dizer, é difícil de entender, mas se fores um piloto entendes bem o que digo. Uma coisa é ser piloto e querer ganhar. Será fantástico e ganhar será algo incrível, mas quando és o piloto que precisa vencer então algo muda, passas a ter muitas outras dúvidas, porque não sabes se deves atacar, se deves defender. Se vens do segundo lugar, do terceiro lugar ou quarto lugar e tens algo à tua frente, não tens nada a perder, apenas atacas e conduzes com mais confiança porque não tens nada a perder… Mas quando estás no topo e tens que ganhar, é quando as dúvidas começam a estar na tua mente, no teu corpo e tudo se torna mais difícil.

Sobre a última corrida da temporada, num novo circuito, Portimão – o que acha dessa pista?

Portimão será interessante para terminar a temporada. Espero estar lá, espero correr lá com a MotoGP porque testei lá com uma moto Moto2 em 2012 – há muito tempo, mas lembro-me do circuito e foi muito bom. Muitos altos e baixos, seguindo o layout natural da terra, foi muito bom, e foi muito divertido correr lá.

Uma mensagem para todos os fãs

Recebi muitas, muitas mensagens ótimas. Eu li muitas, muitas perguntas: “quando vai voltar?” Não sei, não sei quando voltarei. Espero voltar o mais rápido possível. Sinto que será mais cedo do que está previsto, então isso é algo bom também. Vejamos, mas obrigado por continuarem a apoiarem-me, apoiem a Honda e não se preocupem, voltaremos a estar no topo.”

3.3 3 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Autosport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x