Quem ri por último?

Por a 20 Abril 2016 21:07

Aos 37 anos e a cumprir a 21ª época no Campeonato do Mundo de Motociclismo, Valentino Rossi sabe como ninguém que as corridas e os campeonatos não se ganham só em pista. O italiano continua a usar de forma perfeita todo o poder que está inerente ao estatuto de estrela maior do motociclismo mundial, o único verdadeiro ícone das duas rodas ainda em actividade e um dos maiores da história do desporto motorizado.

Rossi sabe, também, que não é em rapidez pura que vai conseguir bater talentos mais jovens como Jorge Lorenzo ou Marc Márquez. Por isso, Il Dottore soube utilizar de forma perfeita a telenovela sobre o futuro de Lorenzo em seu proveito. Ao aceitar de imediato a proposta de renovação da Yamaha por mais duas épocas e ao afirmar que Lorenzo teria de ter ‘tomates’ para deixar a equipa com que foi tricampeão do Mundo e ir para a Ducati, Rossi colocou o maiorquino numa posição delicada. A Lorenzo só restavam duas opções: Ignorar a provocação do seu companheiro de equipa e manter-se na Yamaha sabendo que a marca japonesa ignorou o seu pedido para não anunciar a renovação de Rossi no Qatar? Ou dar um salto no desconhecido e confiar no potencial da balística Desmosedici (e nos milhões do Grupo Audi/VW)?

Tentar o que Rossi não conseguiu

Lorenzo optou pela via mais corajosa, deixando o ‘conforto’ de uma equipa e uma moto que conhece como as palmas das mãos para tentar juntar-se ao lote de eleitos que foram campeões com duas marcas diferentes. E, pelo meio, tentar vencer onde Rossi fracassou…

Só que o timing do anúncio da saída da Yamaha, quando ainda nem sequer chegámos à quarta das 18 provas da temporada, também coloca Lorenzo sob enorme pressão. O espanhol sabe que terá de ser muito superior a Rossi no que resta da época para que a marca japonesa continue a dar-lhe uma M1 idêntica à do italiano. E mesmo que não se notem diferenças em termos de material, é perfeitamente normal que o tratamento de Lin Jarvis e companhia para com Lorenzo não seja exatamente igual, principalmente se Rossi ainda estiver em posição de lutar pelo título na fase decisiva.

Em suma, Lorenzo embolsa 25 milhões de euros e tem a hipótese de calar definitivamente os seus críticos e entrar para a História. Rossi assegura mais um contrato de dois anos com a equipa mais competitiva a que realisticamente poderia aspirar e ainda se ‘livra’ do seu arqui-rival. E Márquez, a caminho da renovação com a todo-poderosa Honda, assiste de primeira fila à telenovela que se desenrola nas boxes e motorhomes da Yamaha. Quem ri por último?

 

0 0 vote
Article Rating
1 Comentário
antigo
recente mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Gaspar
Gaspar
4 anos atrás

Na minha opinião, o Lorenzo tem tudo para vingar na Ducati..Claro que as comparações com o que Rossi serão enevitaveis, mas ñ esqueçamos que a moto italiana, evoluiu muito desde então.. o grande handicap da Ducati, era o quadro, (chassi) que na altura era o treliça em aço e agora usam o de aluminio.. O Rossi bateu-se na altura, pra mudarem, mas a tradição da marca era o de aço..Todos nós vimos que as motos italianas, ficaram logo mais rápidas.. (as motos de estrada, que a marca vende, ainda usam o treliça em aço).. Por tudo isto, axo que o vale46 vai engolir mais um sapo e se julga que levar o Viñalles, prá yamaha, lhe facilita a vida..desengane-se..talvez no primeiro ano, depois temos mais do mesmo..È esta a minha opinião e apesar de ser fã do Rossi, sei que ñ tem a rapidez de outros tempos..Imagino que seja dificil, abandonar um desporto que tanto lhe deu..Ainda hoje, com quase 40anos, é o piloto com mais fãns e basta ver as bancadas pintadas de amarelo..até em espanha..O homen é uma estrela a nivel mundial.. imagino pois que ñ deva ser facil, pra ele pensar em abandonar as pistas..

Ensaios
últimas Moto GP
últimas Motosport
Motomais
1
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x