SSP 2020: Pneus obrigam a parar

Por a 28 Fevereiro 2020 12:30

O Mundial de Supersport disputa-se este ano, e pela primeira vez, com slicks em vez de pneus DOT. Um resultado imediato é que será obrigatório em Phillip Island fazer uma ida à boxe para mudança de pneus.

Como os pneus slick Pirelli não conseguem manter a distância em Phillip Island, todos os pilotos das Supersport vão precisar de trocar de pneus na corrida no domingo.

Embora quase não tenha havido reclamações sobre os pneus durante os testes em Phillip Island, na segunda e terças-feira passada, o fornecedor único Pirelli joga pela segurança na corrida de Domingo.

“O nosso material para pneus é um novo desenvolvimento, não quero correr nenhum risco na primeira corrida”, disse o diretor de corridas da Pirelli, Giorgio Barbier, na Austrália. “Existem muitos novos pilotos e pilotos de outras motos. Eu sei que o melhor deles pode lidar com os pneus slick, mas não todos. Os dois dias de testes em Phillip Island não são suficientes para saber tudo sobre as novas misturas. Não confio no conhecimento anterior e prefiro enviar todos os pneus com mais de dez voltas ao laboratório e examiná-los de perto. Depois disso, teremos uma imagem precisa dos desenvolvimentos futuros.”

A Pirelli concordou com a promotora Dorna e a FIM que na corrida de Domingo todos os pilotos devem fazer um pit stop para mudar o pneu traseiro. A distância da corrida também será reduzida de 18 para 16 voltas, para garantir que os pilotos possam dar o máximo independentemente dos pneus.

Todos os pilotos devem ir à boxe o mais tardar na décima volta. No caso de uma corrida à chuva, nenhuma troca de pneu será necessária. Esta regra está em vigor pelo terceiro ano consecutivo. Os pilotos que não cumprirem com isto serão desclassificados e retirados da corrida com bandeira negra!

Phillip Island é um lugar difícil para todos os fabricantes de pneus. A mistura do traçado especial da pista com as curvas rápidas, o asfalto abrasivo e às vezes as altas temperaturas exigem tudo dos pneus.

A Bridgestone também teve que experimentar isto quando equipou os pilotos de MotoGP em 2013. Como os pneus não aguentavam a distância da corrida, um pit stop obrigatório com troca de pneu foi usado para a corrida. Após a surpresa no primeiro ano, não houve problemas em 2014 e 2015.

A Dunlop como fornecedor exclusiva nos Campeonatos Mundiais de Moto3 e Moto2 também não apresenta problemas, e a Michelin, fornecedora de pneus de MotoGP, também não teve problemas, embora uma máquina de MotoGP tenha significativamente mais potência do que uma Superbike e muito mais do que uma Supersport.

A maior diferença entre as três classes de MotoGP e os Campeonatos Mundiais de Superbike e Supersport é que na MotoGP, os ​​pneus usados são protótipos, mas nas classes do Campeonato Mundial de derivadas de série, os pneus Pirelli são baseados em modelos de série e as dimensões também são fixas. Os italianos não podem, portanto, fabricar pneus adaptados às necessidades especiais de Phillip Island.

“O tamanho da jante é obrigatório no Campeonato Mundial de Supersport“, disse Barbier. “Para obter dimensões de pneus com um raio menor, precisaríamos de jantes diferentes. Com pneus maiores, mais superfície de contato é alcançada, aumentando assim a vida útil. Não basta usar um composto de borracha mais duro ou mais macio. Se construíssemos um pneu com menos aderência, com a ideia de aumentar a vida útil, faríamos o oposto do que queremos. Com menos aderência, o pneu traseiro derraparia mais e ia acabar ainda mais depressa. O problema seria o mesmo de agora, mas a segurança seria comprometida pela aderência reduzida. Os pilotos da Pirelli não estão habituados a não ter aderência. Não podemos e não queremos reduzir a aderência, por isso preferimos esta solução!”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Mundial Supersport
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x