SBK: Os problemas de Davies

Por a 10 Setembro 2019 16:00

Das alturas do pódio de Portimão, no Sábado, às profundezas de desespero de acabar for dos pontos no Domingo, Chaz Davies (Ducati Aruba) teve um fim de semana misto no ondulado circuito português.

Um segundo combativo na corrida 1 no Sábado viu Davies alinhar para a corrida Superpole Tissot em busca de um quinto pódio consecutivo – e seria a primeira vez que ele conseguia isso desde a corrida 1 em Buriram e a corrida 1 em Assen na última temporada.

No entanto, Davies não conseguiu melhorar a sua posição inicial na curta corrida de superpole deixando-o em décimo quarto lugar na grelha da corrida 2. Problemas mecânicos atingiram o galês na segunda manga, embora  a sua determinação e empenho o tenham visto trazer a moto como pôde até final em 16º lugar.

Falando sobre o final de seu fim de semana, Davies afirmou: “Fiquei um pouco decepcionado com a corrida Superpole, só acho que fizemos escolhas erradas com a moto, pois ela não me deu o mesmo feedback de Sábado; em retrospectiva, provavelmente deveríamos ter ficado com o que já tínhamos. Tivemos um problema de seletor na Corrida 2, algo de errado com o mecanismo. Ele partiu na volta 10 ou 12 e, a partir de então, eu estava a ter de ser o mais gentil possível com o pedal. Tentámos melhorar a moto, mas seguimos na direção errada, o que pelos vistos parece bastante fácil de fazer.”

O final de semana de resultados mistos mantém Davies na batalha pelo terceiro lugar no campeonato, apesar de agora estar 45 pontos atrás de Lowes, em comparação com os 36 que tinha à chegada a Portimão.

No entanto, com ritmo de pódio e mais consistência atualmente do que no início da temporada, Davies espera melhorar o seu pacote nas restantes provas de 2019, para começar em força em 2020.

“É claro que a velocidade da moto está a ajudar o Álvaro a obter ótimos resultados”, disse Davies. “No entanto, sinto que todas as outras Ducati estão lutando bastante com dificuldades. Fiquei agradavelmente surpreendido no Sábado, mas fizemos algumas pequenas alterações no Domingo e a moto parece ser bastante sensível a elas, mudou completamente. Precisamos de trabalhar, porque foi difícil andar aqui, mas definitivamente há espaço suficiente para transformar essa moto. Espero que possa haver pessoas muito inteligentes em Bolonha que saibam o que fazer, porque em pistas como Portimão, é realmente difícil de pilotar. ”

Será que o piloto de 32 anos conseguirá regressar e lutar novamente pelo pódio em França?

 

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Mundial Superbikes
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png