SBK: O final dos treinos em Aragón

Por a 15 Novembro 2019 15:58

As linhas mestras do Campeonato Mundial de Superbike 2020 começaram a ser traçadas após dois dias de testes no circuito espanhol de MotorLand Aragón. Apesar do tempo com pista seca ter sido muito limitado, tanto na quarta como na quinta-feira, a visita ao circuito de Alcañiz permitiu-nos uma primeira visão do que aguarda o campeonato no próximo ano, com a participação de nove dos principais pilotos de SBK ao longo dos dois dias.

Muitas perguntas permanecem naturalmente sem resposta; uma tem a ver com a adaptação de Scott Redding (Ducati Aruba.it) a este novo capítulo da sua carreira. O piloto de Gloucestershire, que sofreu de intoxicação alimentar horas antes do início do teste, terminou o segundo dia no topo da tabela de tempos, mas o mesmo sucedeu com Bautista o ano passado…

Um dos três pilotos que também saíram em piso molhado, Redding registrou o melhor tempo de 1:49,929s depois de 60 voltas, batendo o companheiro de equipa Chaz Davies por dois décimos de segundo – ambos mais rápidos que o melhor tempo de Rea do dia anterior.

Leon Camier (Barni Racing Team) foi o primeiro piloto de SBK a sair de manhã e ocupou o primeiro lugar na tabela de tempos até as últimas três horas do treino, mas o seu dia acabou quase tão rapidamente quanto começou. Um erro na curva 9 cuspiu o piloto inglês, que ficou com dores no ombro esquerdo – o mesmo em que ele fez uma cirurgia em Julho passado – o que levou a uma rápida visita ao hospital de Alcañiz. Felizmente, Camier estava de volta à sua garagem algumas horas depois, embora o dia terminasse para ele com apenas quatro voltas completas.

Foram quatro a mais do que Jonathan Rea (Kawasaki Racing) realizou na quinta-feira. O atual campeão optou por pular as horas chuvosas dos testes de quarta-feira, e com melhorias incertas para a tarde, tanto a equipa como ele decidiram reagendar o seu programa para Jerez.

Isso deixou Alex Lowes (Kawasaki Racing) como o único piloto com a bandeira da Kawasaki no segundo dia.

O medalhista de bronze de 2019 já mencionou no dia anterior que 25 voltas secas “não tinham sido suficientes para entender completamente a moto”, e o mau tempo de quinta-feira não terá ajudado.

Dirigindo-se para a pista pouco antes das 14h, Lowes conseguiu 50 voltas e melhorou o seu desempenho em relação ao dia anterior, diminuindo a diferença para os principais pilotos e até mergulhando no segundo 50. Espera-se que Jerez dê mais tempo ao jovem de 29 anos para trabalhar numa configuração adequada ao seu estilo de pilotagem.

Michael van der Mark (Yamaha Pata) continuou com os seus antigos colegas na Yamaha, enquanto aguarda a YZF R1 de 2020. Um pequeno acidente na curva 11 foi a única mancha num dia positivo em Espanha, com 20 voltas programadas.

Entretanto, Toprak Razgatlioglu (Yamaha Pata) – testando com duas motos e um companheiro de equipa pela primeira vez na sua carreira – ainda estava focado em fazer mais voltas, mas conseguiu melhorar a sua volta mais rápida na quarta-feira em seis décimos de segundo, terminando o dia como melhor Yamaha e quarto na geral.

Com dois pilotos de físico semelhante e ambos confiando fortemente na sensação da frente, grande parte do trabalho em ambos os lados da garagem da Pata Yamaha tem sido na mesma direção, em termos de configuração.

No que diz respeito à Yamaha GRT, Garrett Gerloff liderou os esforços desde o primeiro dia por sete décimos de segundo, levando-os à sexta posição na tabela de tempos a apenas 0,05s do tempo mais rápido de van der Mark.

O estreante dos EUA, testando pneus Pirelli pela primeira vez na quarta-feira, elogiou o desempenho do composto dianteiro e também achou a traseira difícil de entender nesses estágios iniciais.

Passando pelas melhorias de quinta-feira, o piloto de 24 anos é um aprendiz rápido – embora um acidente tardio desagradável na curva 2 o vá manter atento para a próxima vez.

Fechando as tabelas do outro lado da garagem, Federico Caricasulo (Yamaha GRT Junior Team), no entanto, diminuiu a diferença para os pilotos mais experientes à sua frente, caindo nos 1:52. O jovem italiano tem trabalhado com a eletrónica e no seu estilo de pilotagem, enquanto faz o considerável salto das máquinas Supersport para as de SBK – não apenas em termos de potência, mas de configuração, travagem e peso.

O próximo teste no radar será em Jerez, dentro de duas semanas – um encontro final antes de aproveitar as merecidas férias de inverno.

Treinos Aragón, tempos finais

  1. Scott Redding (Ducati Aruba.it) 1’49.929 – 60 voltas
  2. Chaz Davies (Ducati Aruba.it) 1’50.185 – 30 voltas
  3. Alex Lowes (Kawasaki Racing Team) 1’50.653 – 50 voltas
  4. Toprak Razgatlioglu (Yamaha Pata) 1’50.657 – 36 voltas
  5. Michael van der Mark (Yamaha Pata) 1’51.088 – 20 voltas
  6. Garrett Gerloff (Yamaha GRT Junior Team) 1’51.133 – 25 voltas
  7. Federico Caricasulo (Yamaha GRT Junior Team) 1’52.477 – 39 voltas
  8. Leon Camier (Ducati Barni Racing) 2’03.047 – 4 voltas
0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Mundial Superbikes
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x