SBK: Bautista numa pista desconhecida em Imola

Por a 10 Maio 2019 15:12

O líder invicto do campeonato enfrenta a sua primeira jornada para o desconhecido em Imola, uma pista que a MotoGP não visita… mas quem poderá aproveitar a inexperiência de Bautista?

A quinta ronda da temporada do Campeonato Mundial de Superbike Motul está aí este fim-de-semana, e se a história nos diz algo, a moldura de espetadores em redor do Autódromo Enzo e Dino Ferrari di Imola será só por si um espetáculo de proporções magníficas.

Os regulares aqui testemunharam épicos duelos, que vão desde o confronto climático de 2002 até à luta da Corrida 2 de 2018, com mais emoções prometidas para este ano.

Depois de um intervalo de quatro semanas, o palco está pronto quando as luzes forem apagadas; as ardentes multidões italianas estão impacientes para que a cortina seja levantada, e cada um dos dezanove pilotos do plantel espera brilhar.

Mesmo em Assen, circuito que muitos definiram como um circuito potencialmente difícil para a Ducati V4 R, Álvaro Bautista (Ducati Aruba) conseguiu impor a sua autoridade ao resto da grelha – ainda que com uma margem de vantagem severamente reduzida.

A estrela do espanhol está cada vez mais brilhante, mas Bautista conhecia cada uma das quatro pistas da abertura do Campeonato antes mesmo de se sentar na Panigale V4 R; esse não é o caso em Imola. Mesmo com um teste de um dia realizado, o piloto de 34 anos ,por uma vez, está em desvantagem em termos de experiência – embora, para sermos justos, ele seja o único dentro do esquadrão de Borgo Panigale com esse problema.

A ronda Pirelli Italiana é a prova de casa para a Ducati e o apoio vai estar quente para as máquinas vermelhas. Chaz Davies (Ducati Aruba), quatro vezes vencedor no Autodromo de Imola, conhece o palco melhor do que a maioria e vai tentar ganhar vantagem sobre o seu companheiro de equipe pela primeira vez este ano.

Uma vitória para qualquer um dos dois serviria como uma justificativa para a Ducati depois de seu teste privado dez dias atrás, mas a palavra na mente de Kawasaki pode muito bem ser vingança.

A última vez que o fabricante japonês não conseguiu vencer uma corrida nas primeiras quatro rondas foi em 2011, na era pré-Provec Racing; da mesma forma, Jonathan Rea (Kawasaki Racing) não tinha deixado quatro rondas consecutivas de mãos vazias desde os seus dias na Honda.

Estas são assim águas inexploradas para os homens de verde, e a visita ao campo de jogo dos seus rivais principais não poderia vir num momento mais frustrante – mas as esperanças ainda estão em alta para a primeira de duas corridas italianas.

Afinal, o primeiro evento que o norte-irlandês dominou o ano passado, foi justamente Imola, onde tudo começou a acontecer para Rea em 2018 – poderia  a pista ser um ponto de viragem em 2019?

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Mundial Superbikes
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png