SBK: À conversa com Loriz Baz

Por a 24 Setembro 2019 16:00

Desde que voltou ao paddock SBK, Loris Baz (Yamaha Ten Kate) apareceu com destaque nos dez primeiros – reunindo uma forte série de resultados. No entanto, o francês está constantemente elevando o seu nível e está de olho em conquistas maiores no futuro. Desde as suas ambições de se tornar campeão de SBK e recuperar do momento mais difícil de sua carreira, passando por ser a alma da festa e a sua atitude para com a fama, este é um Loris Baz aberto e honesto.

“Não foi fácil ver os outros pilotos voltarem e ficar em casa, foi talvez o momento mais difícil da minha carreira. Não é fácil ficar em casa, mas eu sabia da situação e tomei a decisão. Tive que esperar por uma boa moto e voltar numa posição forte. Normalmente, eu estou sempre sorrindo, mas nesse inverno era um cara de pau!

Sei o que posso fazer com uma moto forte e um pacote forte, e sabia que o meu próximo destino tinha que ser o certo. Talvez 2018 não tenha sido a escolha certa pela temporada que fiz, porque não tínhamos potencial para a equipa fazer algo de bom.

Eu não queria cometer o mesmo erro novamente; Não queria andar numa moto inferior e ter resultados maus, porque é um mundo um louco, e as pessoas podem facilmente esquecer-se de quem somos e do que somos capazes de fazer.

O objetivo para mim agora é poder lutar pelo título Mundial de Superbike o mais rápido possível. Estou a envelhecer, mas a cada ano tenho uma paixão maior pelas duas rodas e por esta profissão. O sonho de vencer novamente é o que me motiva todos os dias para tentar alcançar os objetivos.

O pior agora são as lesões, quando se está em casa e não se pode fazer nada além de esperar. Eu sou um pouco nómada, por causa de todas as viagens e malas. Quando estou ausente, estou ansioso para voltar para casa, mas depois de duas semanas em casa, quero-me ir embora novamente. Adoro viajar, faz parte da minha vida; quando temos folgas, gosto de ver os meus amigos que estão longe de mim.

Eu posso ser um animador da festa! Durante a temporada, não se pode ser um piloto e a alma da festa ao mesmo tempo, mas temos a sorte de ter um longo verão, inverno e tempo livre entre algumas rondas, para que eu possa ver os meus amigos e dar umas festas loucas na semana anterior a voltar aos treinos. Consigo lidar com isso muito bem.

A minha namorada não sabia nada sobre motos no começo, e quando ela veio a uma corrida pela primeira vez, não queria ir à pendura na scooter porque não confiava em mim.

Quando se sentava na scooter, estava sempre a gritar: “vá devagar, devagar, devagar!” Agora já gosta de vir às provas, mas é bom que ela tenha outros interesses como eu, para que possamos nos desligar das corridas.

De momento quero mesmo lutar pelo título Mundial de Superbike. A equipa que tenho é muito boa e quero que lutemos pelas vitórias e pelo campeonato o mais rápido possível, talvez no próximo ano. No momento, eu já estou pensando sobre isso. Estou 100% comprometido com as SBK.

Muito da minha motivação veio do Loris Capirossi – é por isso que meu nome é Loris. Quando eu era criança, o último piloto que realmente me impressionou ver na TV foi o Casey Stoner. No entanto, quando estou em casa, assisto a muitos desportos em geral e temos a sorte de ter tantos bons atletas em muitos desportos. Todos eles se pressionam para serem os melhores. Muitos pilotos dizem que jogar duro é “parte do jogo” quando fazem alguma, mas se somos nós a fazer a eles, vão-se queixar à direção da corrida.

Em termos de amigos nas SBK, eu gosto do Toprak Razgatlioglu. Eu acho que é porque ele é um pouco como eu, e não reclama, gosta de uma boa batalha. Ele é muito rápido mas também é muito respeitador.

Dá-me prazer quando sou reconhecido, na rua ou num aeroporto. Quando as pessoas pedem uma foto, ou um autógrafo… tento estar perto dos fãs, mas também posso ter uma vida normal.”

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Mundial Superbikes
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png