SBK 2020: O Campeonato toma forma

Por a 5 Fevereiro 2020 14:30

Com rookies rápidos, líderes estabelecidos e muitos pilotos determinados a mostrar o seu talento, as SBK em 2020 vão evoluir em quantidade, qualidade e competitividade

O Campeonato Mundial de Superbike de 2020 está a chegar ao ponto inicial em Phillip Island, com uma grelha repleta de numerosos vencedores de corridas, nacionalidades várias e equipas de fábrica reforçadas. Logo para começar, a grelha das SBK é maior do que nas duas últimas temporadas e, com a nova década, a 5ª a dar as boas-vindas às Superbike, a qualidade do plantel também é alta.

Dez pilotos de fábrica podem ter hipóteses de sucesso, bem como um punhado de equipas independentes, tornando 2020 a temporada em que as SBK parecem prontas a brilhar mais do que nunca.

Duas motos da Kawasaki Racing, duas Ducati Aruba.It, duas Yamaha Pata, duas BMWs de fábrica e duas Honda HRC: 10 motos de fábrica no total e todas, exceto uma, apresentam um vencedor de corrida – o estreante Scott Redding (Ducati Aruba) sendo a exceção, mas por quanto tempo?

De facto, a soma de vitórias entre eles ascende a 192. Não apenas isso, mas cada uma dessas equipas tem pelo menos um novo piloto para 2020, e a Honda HRC, totalmente nova no paddock, até tem dois.

O que isso significa é que não só existem cinco fabricantes que podem vencer, mas também contrataram os serviços daqueles que podem vencer. Venha Phillip Island, com a falta de testes de clima seco na pré-temporada, o resultado pode ser realmente uma lotaria.

O ex-duplo campeão de SBK, James Toseland, expressou o seu entusiasmo pela próxima época: “Será um ano incrível! Entrar entre os dez melhores do Mundial de Superbike este ano será muito difícil; temos duas Ducati com Chaz e Scott, o cinco vezes campeão mundial Johnny Rea, que não vai ficar mais lento, tenho a certeza. As Honda também vão lá estar, com Bautista e Haslam; Vejo que a Honda está a fazer um grande esforço. Depois temos as Yamaha, com Toprak e Loris [Baz]. Eu acho que acabei de revelar oito nomes. Vencer qualquer um desses será um trabalho muito difícil este ano.”

A grelha não cresceu apenas em termos de apoio oficial das fábricas e presença de vencedores de corridas, mas também em termos de nacionalidades. Em 2020, duas nacionalidades que não estavam representadas em 2019 estão no palco das SBK, com Max Scheib (Orelac Racing VerdNatura) o primeiro piloto chileno a entrar numa temporada inteira, enquanto Garrett Gerloff (GRT Yamaha SBK Junior Team) torna-se o primeiro piloto dos EUA a estar na lista de inscritos a tempo inteiro de há duas temporadas para cá.

Além das adições à grelha acima mencionadas em termos de países, há um francês extra na forma de Sylvain Barrier (Brixx Performance) e um britânico extra na forma de Scott Redding.

Longe da grelha, e ao lado de clássicas como Donington ou Portimão, as SBK também apresentam novos circuitos, com o regresso a Oschersleben em Agosto, retomando a ronda alemã após um hiato de duas temporadas, enquanto a série se expande ainda mais para a Espanha, com uma terceira ronda espanhola realizada no Circuito de Barcelona-Catalunha pela primeira vez.

Toseland foi mais uma vez um grande defensor da variedade de nacionalidades na grelha esta temporada: “O Campeonato conseguiu um cruzamento real com as várias nacionalidades este ano. Há franceses, americanos, turcos e britânicos, e parece um campeonato muito completo agora. Vai ser muito forte.”

Além dos rookies Scott Redding e Garrett Gerloff, todos os pilotos na grelha já alcançaram o pódio em algum momento da sua carreira nas SBK. É uma das formações de pilotos mais decoradas e com novas pistas, novas formações de equipas e a nova década prestes a começar, a temporada SBK de 2020 está programada para ser ainda mais imprevisível e empolgante!

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Mundial Superbikes
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x