SBK, 2020: As marcas regressam fortalecidas

Por a 13 Dezembro 2019 15:00

O Campeonato Superbike de 2019 foi tão frenético como sempre, com o retorno de grandes fabricantes, resultando em corridas imprevisíveis e histórias de sucesso fenomenais. Com história a ser feita e recordes quebrados, foi também o retorno da BMW e da Honda e os passos dados pela Ducati, Kawasaki e Yamaha que adicionaram um brilho e extravagância ao espetáculo de 2019. Fechando a década em alta, 2020 aguarda corridas ainda mais cintilantes.

Depois de um começo nervoso da temporada, que viu a Kawasaki fazer 11 corridas sem nenhuma vitória, um retorno tentativo de Jonathan Rea e uma temporada impressionante de Toprak Razgatlioglu trouxeram o fabricante japonês de volta à disputa, acabando por subir ao pódio em 35 corridas numa temporada, um recorde sem precedentes para um fabricante.

Pequenas melhorias e uma equipa técnica dedicada, tanto na pista como no Japão, uniram-se para tornar uma combinação já vencedora uma força ainda mais poderosa. A formação verde acabou por vencer, mas dito isto, a Kawasaki não teve tudo facilitado nas corridas de abertura.

Álvaro Bautista (Ducati Aruba.it) fez história, igualando a sequência de vitórias consecutivas anterior de Doug Polen ao vencer as suas 11 primeiras corridas nas SBK. Mas a Ducati Panigale V4 R tornou-se uma arma completa ao longo do ano, mesmo que a temporada de Bautista tenha perdido ímpeto no final.

Todas as Ducati da lista de inscritos permanentes alcançaram os seis primeiros lugares e Chaz Davies (Ducati Aruba.it) tornou-se uma força consistente no final da temporada.

Com Scott Redding a bordo, fresco de sucesso na BSB, onde conquistou o título na Panigale V4 R, será 2020 a temporada de regresso da Ducati?

Mais passos incrementais foram dados pela Yamaha em 2019, com uma vitória do holandês Michael van der Mark (Yamaha Pata SBK) em Jerez na corrida 2.

O primeiro pódio do ano veio cortesia de Marco Melandri (Yamaha GRT SBK) com um terceiro em Phillip Island na corrida 1, enquanto Alex Lowes (Yamaha Pata SBK) finalmente conseguiu o que queria e conquistou nove pódios ao longo do ano. Terminando em terceiro lugar, a Yamaha sabe que a sua formação com van der Mark e o recém-chegado Toprak Razgatlioglu os verá lutar por vitórias e talvez mesmo pelo título em 2020…

Depois de seis anos como um esforço apoiado pela fábrica, a BMW voltou à grelha de SBK como equipa de fábrica e, apesar de algumas dificuldades e problemas técnicos nas corridas de abertura, tornou-se uma força a ter em conta a meio da temporada. Tom Sykes (BMW Motorrad SBK) e o companheiro de equipa Markus Reiterberger estiveram na primeira fila nas quatro primeiras rondas, e Sykes subiu ao há muito aguardado primeiro pódio em Misano.

A sua primeira pole viria em Donington Park, onde liderou a corrida Superpole, e depois lutou duramente com o ex-companheiro de equipa Jonathan Rea em Magny-Cours.

Com Sykes contratado e o ex-vice-campeão da SBK Eugene Laverty na garagem da BMW para 2020, um desafio pelo título pode estar no horizonte.

A Honda alcançou algumas das dez principais posições em 2019, quando a HRC retornou ao campeonato em colaboração com a Althea e a Moriwaki.

Leon Camier e Ryuichi Kiyonari, juntamente com Alessandro Delbianco (Althea Mie Racing Team), todos tiveram desempenhos de destaque e fortes posições na grelha na Superpole, embora a luta real venha em 2020 com o vice-campeão Álvaro Bautista a juntar-se à equipa, ao lado de vice-campeão de 2010 Leon Haslam. 2019 foi apenas uma amostra da ação tentadora que está por vir…

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Mundial Superbikes
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png