SBK, 2020: As concessões para a BMW e Honda em dificuldade

Por a 17 Agosto 2020 12:00

À semelhança do que se passa na MotoGP, também nas SBK os fabricantes mais recentes, ou em maiores dificuldades de obterem resultados, são beneficiados com pontos de concessão.

As regras, no entanto, sendo as SBK motos baseadas em modelos de estrada e não protótipos como os da MotoGP, são algo diferentes.

Para cada lugar do pódio no Campeonato do Mundo de Superbike, os fabricantes recebem pontos de concessão; BMW e Honda têm zero após os três primeiros eventos, pois apesar de ameaças da BMW com Sykes, ainda nem chegaram perto do pódio. É por isso que agora lhes é permitido usar mais motores.

Desde 2018, o Campeonato do Mundo de Superbike tem sido um ponto de concessão para os lugares de pódio: três para o 1º lugar, 2 para o segundo lugar e 1 para o terceiro.

Cada piloto entra nesta classificação, e após três eventos é analisado quantos pontos de concessão cada fabricante tem. Se um fabricante tiver nove pontos a menos do que o melhor, pode substituir todas as peças da lista de peças de concessão.

Cada fabricante deve apresentar uma lista de peças de concessão antes da época, que só será permitida para o Campeonato do Mundo de Superbike após inspeção pelo Diretor Técnico da FIM.

A lista é composta por oito partes, normalmente do grupo térmico, tais como molas de válvula ou árvores de cames. Cada peça é fornecida com um teto de custo e deve estar disponível dentro de dez semanas.

As peças de concessão podem vir diretamente do fabricante ou de um fornecedor. Crucialmente, são homologadas. Para evitar fraudes, estas peças devem ser submetidas com desenhos técnicos especificando todas as dimensões, fotos e números de série para serem claramente identificáveis pelo pessoal das verificações técnicas em caso de dúvida.

Qualquer fabricante com 36 ou mais pontos de concessão de atraso no final da temporada está autorizado a atualizar todas as suas peças de concessão para a temporada seguinte.

A médio prazo, o objetivo é garantir que o equilíbrio de potência aumente e que o intervalo entre uma marca e outra, do pior para o melhor, diminua.

Se um fabricante encabeçar a lista de pontos de concessão constantemente, ou se outros fabricantes estiverem sempre a menos de nove pontos do líder, o desenvolvimento do motor fica congelado.

Após o terceiro evento em Portimão, a pontuação está com a Kawasaki à frente, com 15 pontos de concessão, a Ducati não muito longe com 12, a Yamaha em 3º lugar com 9 e a Honda e BMW têm zero, visto quenão conseguiram até agora pódios.

Isto significa que a BMW e a Honda poderão utilizar motores com todas as peças de concessão, na prática motores novos, no próximo evento em Aragón no último fim de semana de Agosto.

Para as Kawasaki, Ducati e Yamaha, no entanto, o desenvolvimento do motor está congelado para o resto da temporada.

Até ao momento, a Honda Racing Corporation não comentou até que ponto vão desenvolver novas peças e quando os pilotos de fábrica Álvaro Bautista e Leon Haslam vão beneficiar dos “upgrades”. O mesmo se aplica à BMW, com Tom Sykes e Eugene Laverty, que em particular tem tido dificuldades de adaptação à moto germânica.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas Mundial Superbikes
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x