SBK, 2019: Um ano de bater recordes

Por a 18 Dezembro 2019 15:00

O Campeonato Mundial de Superbike de 2019 teve muitas histórias ao longo da temporada e contou com algumas corridas memoráveis. Das lutas da última volta aos novos vencedores, foi um ano clássico de corridas, mas também um ano em que muitos recordes foram batidos.

Além dos tempos por volta, houve também uma vasta gama de recordes históricos que foram quebrados, além de estabelecer novos objetivos para as próximas temporadas. Em suma, 2019 foi um ano recorde em muitos aspectos.

Começando onde tudo começou, Álvaro Bautista (Ducati Aruba.It) saiu a lutar em 2019, atingindo não uma ou duas vitórias, mas 11, igualando o número histórico de vitórias consecutivas, ao nível de Rea nas 11 corridas anteriores.

Bautista e a nova Ducati Panigale V4 R começaram a temporada com tanta força que, nas 11 primeiras corridas, apenas Jonathan Rea conseguiu mostrar-lhe uma roda e liderar uma volta.

Bautista acabou por vencer 16 corridas, um novo recorde de vitórias para um rookie numa temporada, embora ele não tenha conseguido repetir a conquista de Ben Spies em 2009 de conquistar o título à primeira vez.

No entanto, na primeira corrida da temporada, houve mais história que talvez tenha sido ofuscada pela abertura dominante de Bautista.

A Yamaha GRT SBK foi a nova equipa que subiu da classe de SSP em 2019 e na sua primeira corrida, o veterano Marco Melandri regressou ao pódio em Phillip Island. Foi a primeira vez que uma nova equipa subiu às SBK e, na sua primeira corrida, alcançou um pódio.

Quando as SBK estavam prontos para as férias de verão, a Grã-Bretanha tornou-se a primeira nação a conquistar 50 pódios completos, com Jonathan Rea (Kawasaki Racing Team) derrotando Chaz Davies e Tom Sykes na corrida Superpole Tissot em Laguna Seca. Na ronda seguinte em Portugal, a SBK comemorou a 400ª prova, mas números ainda maiores estavam por vir em França.

Com o passar do ano, mais história foi feita, especialmente quando Magny-Cours chegou e a Corrida Nº 800 acenou. No entanto, seria Jonathan Rea a alcançar a quinta coroa de SBK após um fim de semana cintilante de batalhas com os rivais Toprak Razgatlioglu (Turkish Puccetti Racing) e Michael van der Mark (Yamaha Pata), sem mencionar renovar a sua rivalidade com o ex-companheiro de equipa e arqui-rival Tom Sykes (BMW Motorrad).

O quinto título tornou Rea o piloto mais galardoado da história das SBK, ainda por cima com os títulos conquistados consecutivamente.

Rea continuou a estabelecer recordes, com um segundo hat-trick do ano em Losail e conquistando a décima sétima vitória da temporada (o que também o confirmou como o piloto com mais vitórias em SBK), igualando o seu próprio recorde de 2018 e o recorde de Doug Polen de 1991.

Não apenas isso, mas ele quebrou o recorde de pontos de todos os tempos numa temporada, chegando aos 663 no final do ano.

Com a corrida final da temporada, Jonathan Rea também terminou dentro dos pontos da 48ª corrida consecutiva, enquanto atrás dele, Loris Baz (Ten Kate Yamaha) terminou entre os dez primeiros na classificação, apesar de ter perdido as 13 primeiras corridas. No entanto, um dos maiores recordes foi o facto de Jonathan Rea inverter uma diferença de 61 pontos para finalmente conquistar o título por 165 pontos, uma oscilação de 226 em apenas 19 corridas do pico das respectivas lideranças de ambos os pilotos.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Mundial Superbikes
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png