Endurance: A preparação da Kawasaki

Por a 26 Julho 2019 15:40

À medida que o relógio marca o início do fim-de-semana, a equipa oficial da Kawasaki para as 8 Horas de Suzuka de 2019 está em pista a lutar pela melhor qualificação possível. Mas o processo de construção de uma Kawasaki ZX-10RR competitiva para esta categoria altamente especializada começou há muito tempo.

Aqui delineamos as modificações e diferenças técnicas entre uma máquina oficial de SBK e a entrada oficial de Resistência para as 8 Horas de Suzuka que está a ser pilotada por Jonathan Rea, Leon Haslam e Toprak Razgatlioglu.

As 8 Horas de Suzuka, prova final do altamente prestigiado Campeonato Mundial de Endurance, sempre foram consideradas de duas maneiras. É a mais longa corrida de sprint do mundo, 8 hors disputadas a ritmo frenético, ou a mais intensa corrida de resistência imaginável, em que cada segundo conta.

Na realidade, ambas as ideias, aparentemente opostas, estão corretas, o que significa que os vencedores em potencial têm que fazer uma máquina de corrida o mais potente possível andar ao ritmo máximo durante as oito horas inteiras, em algumas das condições mais punitivas imagináveis.

Fundamentalmente, as SBK e a Endurance compartilham muitas das regulamentações técnicas, mas algumas mudanças devem ser feitas por meio de regulamentação e outras para permitir intervenções rápidas na boxe a cada paragem de reabastecimento.

A especificação do motor da máquina de Rea/Haslam/Razgatlioglu nas 8 Horas de Suzuka é mais ou menos a mesma que a da Kawasaki de SBK, mesmo em termos das principais peças e componentes do motor.

Um motor em qualquer Superbike moderna não pode ser pensado como uma unidade autónoma, pois o que realmente controla o seu desempenho potencial é o ‘mapeamento’ – a relação entre ignição e quanto combustível e ar é dado ao motor em qualquer ponto da rotação que este alcança.

Em geral, quanto mais pobre é a mistura combustível/ar, mais potência ela produz e mais agressivamente o motor responde sob aceleração. Uma máquina de especificação de 8 horas de Suzuka pode ter a mesma potencia absoluta que uma moto de SBK, mas se isso acontece em qualquer sessão, é devido a como o mapeamento é configurado.

E isso depende da estratégia de corrida geral da equipa, que é obtida após examinar os dados dos treinos e da qualificação. Não é surpresa que essa informação seja mantida confidencial!

Pode surpreender algumas pessoas que, apesar de a corrida ser normalmente disputada em temperaturas ambientes frequentemente na faixa dos 30 ° Celsius, o sistema de refrigeração do motor Kawasaki de SBK é tão bom que nenhuma mudança real é feita.

Não há radiadores duplos, nem nenhum radiador de óleo extra – a configuração de SBK é refinada e capaz o suficiente para lidar com isso.

Uma diferença importante nos componentes é a própria caixa. Os regulamentos técnicos de Endurance permitem uma caixa de relações “livres”, em vez de um conjunto pré-definido de relações internas, que nas SBK as equipas devem usar durante toda a temporada.

Os rácios internos podem ser alterados para Suzuka, fazendo com que a alavanca direita em cada curva seja uma ferramenta de desempenho tão poderosa como um motor potente.

Total uso dessa liberdade é empregue, com todas as seis mudanças a ser usadas na corrida. Até a primeira é selecionada três vezes ao longo de cada volta do circuito em “figura oito” de 5.821km.

Rea e Haslam fizeram juntos as 8 Horas de Suzuka na temporada passada, mas este ano Toprak Razgatlioglu, muito mais alto, junta-se a eles para completar o trio.

Como todos os três estão a compartilhar a mesma máquina neste fim de semana, havia o potencial para uma posição de pilotagem global mais decisiva para a corrida do que no ano passado.

O alto Toprak e Haslam mais baixo precisarão de ter uma posição de pilotagem com a qual possam competir em descontração, e o mesmo acontece com Rea, que está no meio termo dos seus companheiros de equipa de Suzuka em termos de altura.

Essa necessidade de fazer com que todos “encaixem” na mesma moto é tão válida como uma parte da preparação técnica geral e do cálculo de configuração da moto como qualquer outra.

Até agora… Razgatlioglu e os outros estão felizes, com apenas um pequeno problema na distancia ideal do ângulo da manete do travão dianteiro para Toprak – dificilmente uma questão que coloque quaisquer problemas significativos quando a bandeira cair no domingo, 28 de Julho para o arranque das 8 Horas.

Possivelmente, a maior mudança da SBK para Suzuka para a equipa técnica – e os pilotos – se habituarem é o salto dos pneus Pirelli de fabricação única da SBK para os Bridgestones que serão usados ​​em Suzuka.

As suas diferentes construções e características dos pneus exigem uma carga diferente da suspensão e do chassis, mas as unidades de suspensão, além da ligação da suspensão traseira, são as mesmas usadas nas SBK.

Durante a corrida, ambos os pneus serão trocados a cada paragem para maximizar o desempenho em pista.

Mas o desempenho no pitlane é frequentemente o fator decisivo nas corridas de endurance, o que traz algumas mudanças reais de componentes das SBK – e um desgaste muito mais regular de algumas outras peças.

O tempo economizado nas boxes é tão valioso como o tempo gasto na pista – o cronómetro não reconhece a diferença.

Guiadores, pedais, tubos de travão e sistemas de troca rápida de rodas de destaque ​​ rápido são introduzidos na Endurance, para ajudar nas paragens e possíveis cenários de reparações após quedas ou colisão.

As máquinas de SBK podem parecer ter faróis, mas são apenas autocolantes; a moto de Suzuka possui faróis dianteiros Xénon pequenos muito reais e farolins traseiros em LED. O chicote eléctrico é duplo (se um lado falhar, um mero atuar de um interruptor passa tudo para o outro) e dividido em seções modulares para acelerar o trabalho nas boxes, mas a localização da ECU não é alterada.

A Kawasaki Racing usa um gerador e uma bateria normais, como acontece nas SBK, já que o motor deve pegar “no botão”, por assim dizer, a qualquer ponto da corrida de 8 horas.

O tanque de combustível é aumentado para a capacidade máxima de 24 litros em Suzuka, e equipado com duas tampas de combustível tensionadas por molas, para permitir o uso de mangueiras de enchimento duplas.

O combustível entra numa abertura de tanque através de uma mangueira, o ar sai pela outra ao mesmo ritmo, e quando gasolina sai da outra mangueira transparente, o tanque está completamente cheio.

Mesmo com a corrida realizada ao longo de oito horas, apenas um conjunto completo de pastilhas de travão é usado, mas elas são mais duras do que o habitual, e mais largas em espessura, para durar mais tempo. As pinças de travão também são diferentes das SBK, para permitir a montagem dessas pastilhas mais largas.

Com tanto em jogo para a Kawasaki nas 8 Horas de Suzuka 2019, nada é deixado ao acaso.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Endurance
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png