Endurance: A Kawasaki nas 8 Horas de Suzuka

Por a 25 Julho 2019 15:30

A Kawasaki lidera o Mundial de Endurance quando chegamos à prova final de 2019, as 8 Horas de Suzuka Coca-Cola, que tem lugar este fim-de-semana no clássico circuito japonês

Ao contrário de outras séries de Campeonato Mundial, o EWC é realizado a partir de meados de cada ano civil até o meio do próximo – fazendo do campeonato deste ano uma luta pela coroa de 2018/2019. Atualmente, a equipa SRC Kawasaki France lidera o campeonato, com a intenção de fazer o melhor trabalho possível em poucos dias. Sob as mudanças relativamente recentes no formato de todo o calendário do EWC, as 8 Horas de Suzuka serão verdadeiramente um final.

Além de serem a prova que decide o campeonato nos tempos modernos, a mística e o status das 8 Horas de Suzuka como um evento independente significam que é uma espécie de lenda viva do motociclismo de competição.

É um marco tão importante no calendário que frequentemente uma das primeiras perguntas que os pilotos de outros campeonatos mundiais e domésticos fazem no teste de inverno é: “Vais fazer ‘As 8 Horas’?” Todos sabem o que isso quer dizer – mesmo quando outros eventos no calendário também são disputados com a duração de oito horas.

Este ano, o número 10 da Kawasaki Team para as 8 Horas decSuzuka é uma Ninja ZX-10RR, partilhada pelo quatro vezes Campeão Mundial de Superbike Jonathan Rea, pelo campeão do BSB Leon Haslam, e pelo líder de pontos dos independentes da Superbike, Toprak Razgatlioglu formando uma espécie de equipa de sonho.

Nesta temporada, o esforço oficial da Kawasaki foi reorganizado com vários membros da equipa técnica da KRT Superbike a juntar-se à equipa KHI, que compartilhou a visão clara de vencer a corrida pela Kawasaki pela primeira vez desde 1993.

A ambição de conseguir a vitória é evidente e compreensível. É a corrida que todas as fábricas japonesas em particular querem ganhar, mais do que qualquer outra, combinando uma duração curta o suficiente para torná-la quase uma corrida de sprint, mas também fornecendo um teste de maquinaria durante oito horas na altura do punitivo verão japonês.

A corrida começa à luz do dia, mas acaba no escuro, é um grande desafio para os fabricantes, pilotos e equipas.

O circuito de 5.821km de comprimento é o único que inclui uma figura de oito, com um túnel e uma seção de ponte, que contribuem para as complexidades que precisam ser superadas para vencer este concurso icónico.

A Kawasaki tem estado na vanguarda da competição desde a primeira edição das 8 Horas de Suzuka em 1978. Nesse primeiro ano, a Kawasaki terminou no pódio pela primeira vez.

O neozelandês Graeme Crosby e o australiano Tony Hatton levaram a sua Kawasaki Z1 Yoshimura ao terceiro lugar.

Naqueles primeiros dias, as equipas chegavam com todos os tipos de máquinas, e nem todas eram derivadas de produção. Uma Yamaha TZ750 terminou em segundo lugar em 1978; uma Kawasaki Z750 ficou em quinto lugar pela Kobe Supersports Team e seus dois pilotos locais, Masaki Tokuno e Hiroshi Iwamichi.

O maravilhosamente apelidado Hamamatsu Escargot (escargot é caracol em francês) superou a sua desvantagem de capacidade, para não mencionar o próprio nome, para terminar em 12º numa CB400. Mesmo pequenas dois tempos também fizeram muitos lugares no meio do pelotão.

No outro extremo da escala, uma CBX1200 – da “Team CBX” terminou em 11º.

A Sugiyama Cycle Shop da Kawasaki, com uma Z920, foi uma inscrição no primeiro ano, terminando em 13º geral, e a equipa Kinomi Racing, equipada com uma Z650, ficou apenas um lugar atrás.

A mistura de equipas de fábrica completas (com os melhores pilotos de GP muitas vezes recrutados), assumindo alguns esforços muito privados (com locais interessados ​​e, muitas vezes, algumas escolhas ecléticas de máquinas), continuaria por muito tempo nos próximos anos.

Ao mesmo tempo, no entanto, as 8 Horas de Suzuka já eram um negócio muito sério para todos os fabricantes japoneses, que reservaram alguns investimentos de corrida muito pesados ​​para o seu próprio fim de semana de ‘corrida dentro de um campeonato’ que continua até hoje.

Muitas vezes os esforços de fábrica tomavam dois ou três aspetos, alguns introduzindo um elemento internacional, vários desfrutando de uma cooperação técnica com companhias de preparadores conceituados como a Yoshimura ou a Moriwaki, além de equipas ‘estrangeiras’ de competições nacionais ou internacionais que traziam a sua própria equipa técnica para o aquário de Suzuka.

Mesmo com os esforços mais fortes, o sucesso nunca é garantido nas corridas de endurance, mas em 1980 a equipa oficial da Kawasaki levou Gregg Hansford e Eddie Lawson (sim, esse Eddie Lawson) ao segundo lugar – a apenas 40 segundos da vitória.

A vitória Kawasaki nas 8 Horas de Suzuka chegou em 1993, quando as lendas da Kawasaki Scott Russell e Aaron Slight entraram com a sua Kawasaki ZXR-7 com as cores da ITOH HAM Racing na história, liderando um alinhamento de qualidade de máquinas rivais.

E não esquecer alguns nomes verdadeiramente superstar como Eddie Lawson, Takuma Aoki, Michael Doohan, Daryl Beattie, Alex Barros, Peter Goddard, Kenny Roberts Jr., Robbie Phillis…

Nada sublinha a ideia de quão grande as 8 Horas de Suzuka tinham crescido nessa fase do que a chamada de nomes elaborada para dar a cada fabricante a chance de ganhar.

120.000 pessoas testemunharam o sucesso de que Russell e o Neozelandês Slight desfrutaram naquele ano na sua Kawasaki, no que foi, e é, a prova mais japonesa que se possa imaginar.

Agora com a Kawasaki France SRC a liderar os pontos do campeonato, e o trio KRT Rea, Haslam e Razgatlioglu a tentarem levar a sua Ninja ZX-10RR ao topo daqui a alguns dias, todos os olhos estarão focados nas boxes da equipa verde.

A expectativa e a ansiedade estão crescendo a cada segundo, mas pelo menos não temos que esperar muito. Só até 28 de Julho, para ser preciso.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas Endurance
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png