Ruben Faria ao MotoSport: “Sem Despres e Coma, este será o Dakar mais ‘aberto’ dos últimos anos”

Por a 31 Dezembro 2015 16:03

A caminho do seu nono Dakar (sétimo na América do Sul), Ruben Faria falou ao MotoSport sobre o projeto oficial da Husqvarna, uma marca que pertence ao grupo KTM e que confiou no piloto português para uma formação que também integra o chileno Pablo Quintanilla e o bicampeão do Mundo de Enduro, o francês Pela Renet.

“É um projeto novo em termos de imagem mas na prática já existe todo o know how técnico e de moto da KTM”, começa por explicar Ruben Faria. “Eles perguntaram-me se estaria interessado neste novo projeto e eu gostei imediatamente da equipa. Não só pelo prestígio da Husqvarna, que é a segunda marca de motos mais antiga do mundo, mas principalmente porque não é uma coisa completamente nova e no Dakar temos que ter garantias em termos de equipa e de material. Fiz o Rali de Marrocos com a moto e senti-me bem”, apontou o piloto algarvio.

Tudo em aberto

Sem Cyril Despres e Marc Coma no pelotão das motos, Ruben Faria acredita que poderá haver uma surpresa na próxima edição: “Sem o Cyril e o Coma, este será o Dakar mais ‘aberto’ dos últimos anos em termos de luta pelos primeiros lugares. Estão a chegar cada vez mais pilotos rápidos vindos do motocross e do enduro e depois há vários pilotos com experiência e qualidade para ganharem um Dakar. Eu também não escondo o sonho de vencer o Dakar até porque já fui 2º classificado em 2013 e isso é algo que marca qualquer piloto. Mas sei que cada etapa é um desafio enorme, uma caixinha de surpresas, e ninguém pode dizer de antemão que vai ganhar o Dakar”, referiu.

Sobre o percurso de 2016, Ruben Faria acredita que a saída do Chile do percurso não vai atenuar as dificuldades. “Estive na apresentação oficial em Paris e o Marc Coma sorria a falar de algumas etapas; quem o conhece já sabe o que aquilo significa: vai ser muito, mas mesmo muito duro. Ele falou inclusive numa ‘super-Fiambalá’, que é uma etapa tradicionalmente duríssima na Argentina e que em 2016 poderá ser ainda pior. Além disso, teremos uma etapa-maratona onde ninguém pode mexer nas motos, uma coisa inédita desde que eu corro, e outra etapa-maratona habitual, com assistência dos próprios pilotos. Fisicamente eu sinto-me bem. O ano passado foi bem pior porque parti uma clavícula dois meses antes do Dakar e corri com uma série de parafusos e placas no ombro. Foi uma das experiências mais duras da minha carreira mas cheguei ao final e fui 6º. Estou curioso para ver o que vai acontecer este ano”, concluiu o piloto da Husqvarna.

1
Deixe um comentário

Please Login to comment
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
0 Comment authors
Poderá a Husqvarna ameaçar a ‘irmã’ KTM? MotoSport Recent comment authors
recente antigo mais votado
trackback

[…] poderá mesmo ser o principal rival ‘interno’ dos pilotos da Red Bull KTM. E, a julgar pelas palavras de Ruben Faria ao Motosport em novembro, não parece haver uma hierarquia definida entre KTM e Husqvarna para o […]

últimas Dakar
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png