TT, Opinião: A caminhar para o fim de uma Era

Por a 16 Abril 2019 12:09

Nas primeiras duas décadas do novo milénio, Portugal consolidou o seu estatuto como uma das principais nações no que diz ao respeito aos ralis raids. Resultado de muitas variantes como a grande competitividade do nosso Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno, reconhecida pelo lendário Stéphane Peterhansel, e igualmente pela partida do Rali Dakar do nosso país, algo que levou os pilotos do nosso país a olharem ainda com mais atenção para o ‘mais do que tudo’ do todo-o-terreno mundial.

As gerações mais novas foram educadas a cada início de ano civil a ver os três porta-estandarte Paulo Gonçalves, Hélder Rodrigues e Rúben Faria (representados na fotografia que ilustra este artigo) a lutarem pelo triunfo no Dakar e a representar as principais equipas em competição, como são o caso da KTM, Honda ou Husqvarna. Mas os sucessos, ainda que sempre sem a vitória final, não ficaram por aqui, pois Hélder Rodrigues e Paulo Gonçalves sagraram-se em 2011 e 2013, respetivamente, campeões do mundo de cross country e ralis FIM. Foram pioneiros.

Porém nada é eterno e a erosão do tempo atinge tudo e todos. Com tal no início da segunda metade desta década tudo começou a ser diferente. Rubén Faria e Hélder Rodrigues saíram de cena e ontem fomos brindados com a notícia de que Paulo Gonçalves trocou a Honda pela indiana Hero MotoSports. Sinal claro de que estamos a entrar no final de um ciclo glorioso do nosso todo-o-terreno onde lutar pela vitória no Dakar tornou-se tão habitual como escovar os dentes todos os dias, recorrendo a uma metáfora dita em tempos por Jesualdo Ferreira quando treinava o Futebol Clube do Porto.

Não que nas corridas tudo não seja possível, e ainda para mais com o aguerrido ‘Speedy’ na equação, mas a chegada à Hero fez o nortenho entrar numa outra fase da sua carreira, agora que tem 40 anos. É verdade que continua numa equipa oficial, o que só demonstra o bem cotado que está no meio, mas não naquelas formações que estão na pole position para vencer o Dakar, o objetivo que continua a faltar ao nosso todo-o-terreno.

Como tal este parece ser, no nosso entender, a buzina de chamamento para a nova geração dar um passo em frente e começar a ser paulatinamente a referência do nosso todo-o-terreno nas grandes maratonas internacionais. Nomes como Joaquim Rodrigues, António Maio, Sebastian Bühler e outros que estão à bica têm a responsabilidade de preservar e estender este legado de luxo. Falamos de pilotos que começam a ter cada vez mais experiência neste tipo de eventos e consequentemente a ficarem em ‘ponto de rebuçado’ para voos mais altos.

As sementes foram lançadas quando muitos julgavam ser quase impossível e os professores são de luxo, pelo que estão reunidas as condições para continuarmos a aguardar com ansiedade cada arranque de um novo ano civil. Seja em África, América do Sul ou agora nas Arábias…

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas TT
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png