Dakar 2019, Pablo Quintanilla: “Um Dakar no deserto peruano é um tremendo desafio”

Por a 6 Janeiro 2019 13:16

Pablo Quintanilla prepara-se para ser um dos principais protagonistas do próximo Dakar. O vice-campeão mundial de cross country – que lutou até a última corrida para defender o seu título – está confiante de que o seu ritmo intenso de competição e as melhorias feitas na sua Husqvarna levarão à vitória. “Quintafondo” – feliz pelo regresso do seu compatriota “Chaleco” López – garante que será um Dakar exigente e difícil no qual terá de enfrentar Toby Price, Matthias Walkner, Sam Sunderland, Kevin Benavides, Adrien van Beveren, Paulo Gonçalves, Ricky Brabec e Joan Barreda como principais rivais.

“O último Dakar foi muito complicado para mim, mesmo amargo em várias etapas. No Peru tive em dois dias problemas mecânicos, situações que afetaram o meu desempenho e me fizeram perder muito tempo em momentos chave da prova. Tudo isso acabou por me tirar da disputa pelos primeiros lugares, que era o meu objectivo antes de começar, pelo que a única recompensa que me restava era tentar terminar o Dakar e pelo menos ficar entre os dez primeiros, o que felizmente conseguimos fazer. Aprendi que a melhor maneira de me preparar bem para o Dakar é competir no Campeonato do Mundo, com os melhores pilotos do mundo, os mesmos que tenho à minha frente em cada etapa. A preparação física e mental é muito importante para o rali mais duro, mais longo e mais exigente do mundo, mas em termos competitivos o que nos faz estar dispostos a vir com o ritmo do Campeonato do Mundo. Gosto de correr em dunas e areia, onde treinei como piloto de rali depois de vir do motocross. Um Dakar no deserto peruano é um tremendo desafio. Não é só isso, é necessário acrescentar como é complicado navegar nestas condições de piso, somado ao calor extremo de Pisco, Ica e Nazca, e à geografia especial que tem esse deserto comparado com o do Atacama ou de Marrocos. Será um Dakar muito exigente, difícil, exigente em todos os sentidos. Não é um mistério que o meu grande sonho seja ganhar um Dakar, é o que preciso de acrescentar à minha lista de conquistas e estou a preparar-me para ir lutar pela vitória. Também aprendi que esta corrida é especial, que é dirigida com os seus próprios códigos e onde tudo pode acontecer. Veremos como o próximo Dakar nos trata…”, disse o piloto do Chile.

2018: 8º (Husqvarna)
2017: Abandono Etapa 10 (Husqvarna)
2016: 3º (Husqvarna, vitória em 1 etapa)
2015: 4º (KTM)
2014: Abandono Etapa 3 (KTM)
2013: Abandono Etapa 6 (Honda)

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas TT
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png