ENSAIO YAMAHA XSR700 – Ao mais puro estilo “Sport Heritage”

Por a 23 Junho 2017 12:03

 

Depois de já termos ensaiado a campeã de vendas da Yamaha a MT-07 quisemos perceber qual a herança que, com base na mesma plataforma mas com um design neo-clássico, teria em termos de comportamento o modelo XSR700, modelo este que tem também tido um enorme êxito sobretudo junto da comunidade de preparadores que o tem utilizado como base de execução para uma série de modelos personalizados no âmbito das Café Racers, Scramblers, Trackers…

Primeiro contacto

A versão que nos foi disponibilizada pela Yamaha era na cor mais clássica possível um “british green” que assenta maravilhosa mente no conceito neo-clássico da XSR700. É difícil perceber à primeira vista que esta XSR tem por baixo a mesma base da MT07 mas o motor e escape evidenciam essa realidade.

Desde início quando foi desenhada a plataforma da MT-07 que a Yamaha sempre teve a intenção de sobre a mesma desenvolver outros modelos com destino a outros segmentos. Mas a XSR700 é de facto uma moto diferente da MT pois assim que te montas percebes de imediato que a posição de condução é bastante distinta, mais direita graças a um guiador mais largo e alto e colocado numa posição mais junto ao nosso corpo.

Também o banco é ligeiramente mais alto e embora de desenho mais clássico e bem integrado no conceito vintage da moto parece ser um pouco mais duro. A posição é bastante natura e beneficia de umas peseiras bem colocadas e de um ajuste natural dos joelhos à moto graças ao perfil estreito do depósito ao nível dos mesmos.

Uma maravilha a rodar

Os comandos são simples e de leitura fácil, sem grandes electrónicas e com toda a informação concentrada num mostrador redondo muito bem desenhado e de efeito bem conseguido perfeitamente integrado e coerente com o design clássico da XSR. O mesmo botão on/off serve para arrancar a XSR, realidade que tem vindo a ser adotada por todas as marcas, e de imediato reconhecemos o som do motor.

O bicilíndrico da XSR, com cerca de 75cv é toda uma referência neste segmento. É um motor cheio a baixa rotação, que empurra desde baixo e sobe de regime com muita facilidade. A XSR é uma moto muito divertida, ágil e cujo motor contribui de definitivamente para o carácter versátil e fácil de levar da XSR.

A XSR700 evolui de forma natural no meio do transito e apesar da largura do seu guiador passa fácilmente entre os carros. A sua leveza de apenas 186Kg confere-lhe essa facilidade que com um acelerador de tacto sensível e de resposta imediata facilita o fluir em zonas urbanas.

Quando saímos para a estrada, sobretudo em zonas de curvas desafogadas de transito, a XSR mostra toda a leveza do conjunto e o acerto da sua ciclística. Com uma caixa bem escalonada e um torque a meio regime que está sempre presente de forma imediata quando solicitado, a XSR faz com que a sua condução seja puro divertimento. Não é uma moto no entanto para se fazer grandes trajectos em auto-estrada já que a pouca proteção aerodinâmica nos expõe necessariamente ao vento e o banco algo duro mas de acordo com a tipologia do modelo, não favorece o conforto em tiradas longas. Há sempre acessórios para tornar a moto mais confortável pelo que dependendo do objectivo da sua utilização a poderemos facilmente adaptar e personalizar.

Excelente estética e acabamentos

A designação Sport Heritage que a Yamaha atribui à sua gama atribui à sua gama de motos neo-clássicas está bem patente nesta XSR700. Todos os pormenores estão perfeitamente desenhados e enquadrados no conceito. O farol redondo de de grande dimensão e desenho clássico algo quase balístico não deixa dúvidas. O painel de informação redondo está perfeitamente enquadrado também.

Já o depósito é toda uma referência estética clássica, sobretudo nesta pintura “british green” apelidado de “Forest” pela Yamaha. Os seus painéis em alumínio e os pormenores de “rebites” que unem as suas várias peças dão um toque absolutamente retro ao depósito mais parecendo uma peça saída de um qualquer bombardeiro B51 da II Grande Guerra. Já referimos o banco que é de um design e um acabamento irrepreensíveis e o farol traseiro muito original e que apesar de estar em perfeita sintonia com o conceito global da moto denota vanguardismo e alta tecnologia no seu design.

O facto do sub-quadro traseiro ser fácilmente desmontável confere uma enorme versatibilidade à XSR e transforma-a numa base de excelência para todo tipo de transformações deixando à imaginação e maestria dos muitos ateliers que operam na transformação de motos o poderem conceber a partir da XSR700 máquinas únicas de sonho que temos podido observar nos mais variados eventos que se realizam dentro deste segmento como por exemplo o recente Wheels & Waves em Biarritz e o Bike Shed em Londres.

Ciclística equilibrada

Em termos dos componentes da sua ciclística há que destacar de imediato o duplo travão de disco à frente, com dois discos de 283mm, pinças de 4 êmbolos e ABS incluídos ( A MT-07 não inclui ABS ) garantem um enorme poder de travagem, firme e controlada, talvez em parte penalizada pela suspensão em travagens fortes pois afunda ligeiramente dado a ser um compromisso que pretende favorecer a comodidade. Sem penalizar demasiado o seu desempenho. Claro que há sempre nas opções da marca “cartuchos” e molas topo da Olhins para termos o melhor que há em termos de suspensões.

A suspensão traseira pareceu-me algo seca e pouco eficiente em piso em mau estado. Haverá que melhorar este aspecto ( Olhins ? ). O braço oscilante é uma peça fantástica herdada da MT-07 e de enorme efeito estético na traseira que com binada com a pequena ponteira de escape dão-lhe um toque NEO a esta fantástica “Sport Heritage”.

Cores disponíveis 2017

A XSR700 vem em duas cores standard, Garage Metal e Tech Black e em duas cores especiais, Forest Green e 60th Anniversary ( esta última já muito difícil de obter ) .

Ficha Técnica

Modelo Yamaha XSR700, Motor de 2 cilindros paralelos, 4 tempos, 4 válvulas e 689cc, com 75cv de potência, alimentação por injecção electrónica, embraiagem multidisco, ingnição TCI, transmissão por corrente, Quadro tipo diamante, Suspensão dianteira telecópica tradicional, braço oscilante duplo, com mono amortecedor traseiro ajustável em pré-carga, duplo disco dianteiro de 282mm com ABS e disco traseiro com 245mm, pneu traseiro 180/55-17 Pirelli Phantom e dianteiro 120/70-17, Peso de 186Kg e capacidade do depósito de 14 litros.    PVP 7.895.00 eur

 

Concorrência

Ducati Scrambler Full Throttle /803cc / 75cv / 186Kg / 10.449. eur

Triumph Bonneville T100 / 900cc / 55cv / 213Kg / 10.200. eur

Moto Guzzi V9 Roamer / 853cc / 55cv / 199Kg / 9.990. eur

 

 

 

 

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MOTO+
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x