Tecnologia em evolução na MotoGP

Por a 26 Junho 2019 15:00

A tecnologia é tudo na MotoGP. Da aerodinâmica à eletrónica e aos travões, os avanços desde a viragem do milénio são simplesmente insondáveis ​​quando se reflete sobre os dias pré-MotoGP. Agora, a tecnologia que emana de cada detalhe dos quadros feitos sob medida, pode ser a diferença entre celebrar em parc fermé ou imaginar o que poderia ter sido na parte de trás da garagem.

No GP das Américas em Austin no início deste ano, Sebastian Risse, o Diretor Técnico da KTM Red Bull falou dos avanços que impulsionam as motos da categoria rainha.

Em primeiro lugar, Risse partilhou as suas ideias sobre os pacotes aerodinâmicos, algo que há muito tempo é utilizado na MotoGP, e até antes nas 500. Durante a prova no Circuito das Américas, pudemos ver o que se pode descrever como aletas quadradas dna Honda, as curvas fluidas na Suzuki e verdadeiros túneis de vento na Ducati.

“Estamos a usar um processo iterativo envolvendo todas as áreas: modelagem computacional de fluidos, túnel de vento, [e] testes em pista”, disse Sebastian Risse, “Cada um tem seus pontos fortes e fracos, e a conclusão final só podemos tirar em testes de pista.”

Risse usa meios reais e virtuais para testar e refinar o design, mas um dos maiores fatores é a preferência do piloto: “A configuração aerodinâmica é sempre um compromisso entre a deslocação de ar e a velocidade máxima, forças descendentes, estabilidade e conforto do piloto. Uma moto de corrida, ao fim e ao cabo, é apenas uma ferramenta para um atleta – e nós apoiamos os nossos pilotos.

“No final, deixamos o piloto priorizar esses aspetos para encontrar o melhor compromisso para ele. Em particular, ele deve se sentir bem com a moto e ser capaz de se movimentar na sela como precisa, para tirar o máximo proveito dela ”.

Risse, em seguida, passou a explicar o mundo incompreensível da eletrónica dentro de uma moto de MotoGP. Com um ângulo de inclinação de 64 graus e agora os cotovelos constantemente a raspar nas curvas, tudo, desde o tamanho da área de contato de um pneu, até à distribuição de peso da moto, ao corpo do piloto, tem que ser levado em conta e calculado milhares de vezes por segundo.

“Existem milhares de parâmetros e mapas na unidade de controlo do motor, separados para determinadas condições, como setor da pista, mudança engatada e assim por diante”, explica Risse. “Os técnicos da equipa definem o que está dentro de todos esses campos e podem vincular certos mapas ou parâmetros aos sensore a partir dos quais o piloto pode escolher. Então, acaba por ser uma combinação do que os engenheiros escolhem com antecedência e o que o piloto escolhe em pista. ”

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png