Técnica MotoGP: O que vai mudar na Aerodinâmica em 2020?

Por a 9 Setembro 2019 17:00

A Ducati usa um desde o Qatar

Spoilers do braço oscilante

Recentemente, o Diretor Técnico da MotoGP, Corrado Cecchinelli, falou das alterações ao Regulamento para 2020, que visam definir melhor as regras do que se pode e não pode fazer com a aerodinâmica:

“Como se sabe, dividimos a parte externa da motocicleta em diferentes áreas que chamamos Zonas Aerodinâmicas. As equipas só poderão fazer uma atualização de design a cada Zonas Aerodinâmica durante a temporada.

“No momento, existem duas Zonas Aerodinâmicas principais: a carenagem e o guarda-lamas dianteiro. A partir do próximo ano, haverá outra Zonas Aerodinâmica comtemplada no regulamento, cobrindo o braço oscilante”.

Isso significa que “se alguém alterar o design da ‘quilha’, inclusive simplesmente removê-la, isso contará como a sua única atualização permitida para a temporada nessa área”.

Para antecipar uma repetição da história do braço oscilante no início da época, as mesmas restrições das Zonas Aerodinâmicas reguladas também se aplicarão a qualquer outra parte da moto considerada “como tendo efeito aerodinâmico“.

“Por exemplo, a cobertura da bainha do garfo será considerada automaticamente como parte das Zonas Aerodinâmicas. Portanto, ela pode ser modelada [aerodinamicamente], mas essa forma só pode ser alterada uma vez durante a temporada”, disse Cecchinelli.

‘Efeito aerodinâmico’

Os rivais da Ducati protestaram contra a “quilha”, alegando que era “principalmente um dispositivo aerodinâmico”. A fábrica italiana rebateu, apresentando provas de que o principal objetivo do dispositivo era arrefecer o pneu traseiro, com a força descendente descrita como um efeito ‘secundário’ menor.

Depende muito de como se interpreta as palavras ‘efeito aerodinâmico’, cuja definição será agora incluída nas regras de 2020.

“Haverá uma redação complicada e, de certa forma, ainda subjetiva, para definir ‘efeito aerodinâmico’. Mas será muito mais claro do que agora”, disse Cecchinelli.

“Basicamente, diz que todo o componente ou parte de um componente que tenha um formato exterior desnecessário para a sua função básica será automaticamente considerado parte das Zonas Aerodinâmicas.”

“Isso significa que se tiver uma forma normal de braço oscilante, ele não será considerado parte das Zonas Aerodinâmicas, porque a forma é puramente concebida para desempenhar uma função mecânica.”

“Mas se alguém esculpir a superfície do braço oscilante usando um formato monocoque para incluir a ‘quilha’ como uma peça, todo o braço oscilante se tornaria parte das Zonas Aerodinâmicas. Portanto, há que ter cuidado, porque depois só poderão alterar o design do braço oscilante uma vez durante a temporada, enquanto até aqui era uma peça livre “.

Para evitar esse cenário, Cecchinelli espera que todos os fabricantes executem um formato de braço oscilante não aerodinâmico, com a parte aerodinâmica da ‘quilha’ parafusada separadamente.

A Honda tem um dos dispositivos de asa mais extremos suspensos na frente de sua carenagem.

 

Corrado Cecchinelli veio da Ducati para a Dorna…

Dimensões, ângulos, curvaturas

Em termos do design principal da carenagem e acessórios de asa associados, Cecchinelli disse que, para 2020, seriam adicionadas “restrições mais dimensionais”, incluindo “raios, ângulos e medidas” para colocar um “teto para o futuro”. Estas serão medidas, em termos de limites máximos, por uma caixa especial em que a moto tem de caber…

“Haverá uma área cinzenta muito menor, mas haverá sempre uma área cinzenta”, alertou.

Todas as carenagens atualmente vistas em pista ainda seriam legais na próxima temporada, para evitar penalizar alguém injustamente.

“Ninguém precisa de alterar os seus designs atuais. Verificámos os designs de carenagem existentes em todos os aspetos e estabelecemos os novos limites mais precisos usando o que existe agora, para que ninguém precise de dar um passo atrás”.

‘Mais questões no futuro’

Cecchinelli descreve as medidas adotadas para as regras de 2020 como “um bom trabalho, o que significa que não é mau, mas também não é perfeito”, pois sabe que novas questões sobre a aerodinâmica surgirão eventualmente.

“Honestamente, não foi difícil alcançar uma solução melhor porque os fabricantes foram muito colaborativos. Mas não se pode esperar que não haja mais buracos no futuro e não nos chamem estúpidos se isso acontecer, porque é assim que as coisas acontecem “, disse ele.

“Os fabricantes têm muito mais pessoas do que nós e o seu trabalho é levar as coisas ao extremo.”

“Lembrem-se que a Fórmula 1 tem décadas mais de experiência do que nós com regras aerodinâmicas e ainda tem problemas. Alguém é mais esperto e o organizador precisa de se atualizar. Isso faz parte do jogo.”

“É sempre um caso de colocar as correções nos buracos nas regras, como adicionar uma atualização de software ao seu telefone celular para atender a uma situação em mudança. Portanto, as regras precisarão de mudar novamente um dia, mas espero que não em breve”.

De fato, Cecchinelli confirmou que não há novas regras técnicas significantes em andamento para o próximo contrato de cinco anos entre a associação dos fabricantes MSMA e a Dorna, que começa em 2022.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png