MotoGP, Suzuki: Dispositivo de arranque “para breve”

Por a 16 Fevereiro 2020 15:30

“No ano passado vimos algo em linha reta nas Ducati, a parte traseira estava rebaixada… Precisamos de inovar!’ – disse Alex Rins, após o teste de MotoGP de Sepang.

Alex Rins confirmou assim os rumores de que a Suzuki está prestes a juntar-se aos rivais de MotoGP Ducati, Aprilia e agora Yamaha na utilização de um dispositivo para ajudar no arranque da corrida.

Mas o espanhol acrescentou que pode já não ser suficiente apenas baixar a moto na grelha.

Rins acredita que a Ducati já aperfeiçoou o seu sistema para que os pilotos também possam comprimir a suspensão traseira nas retas, novamente para melhorar a aceleração reduzindo a tendência para o levantamento da dianteira e consequente instabilidade.

A zona inferior também pode ter uma área frontal ligeiramente menor e, portanto, menos resistência aerodinâmica.

Não há nada nas regras que impeça que um dispositivo de arranque seja utilizado de tal forma, desde que ainda seja feito através de um interruptor mecânico (não elétrico) que seja ativado apenas pelo piloto.

“A Suzuki está a trabalhar nisso, se não for no teste do Qatar, acho que [estará pronto para] a corrida do Qatar. Estão a ser desenvolvidos”, disse Rins sobre o futuro dispositivo de arranque da GSX-RR.

Rins concordou que não seria surpresa se os seis fabricantes tivessem um dispositivo de arranque até ao início da temporada europeia porque, afinal, estas são pequenas coisas que estão a melhorar o desempenho geral.

“Já no ano passado vimos um pouco algo em linha reta para a Ducati, que a parte traseira estava rebaixada… Vamos ver, precisamos de inovar!”

Tal como no início da corrida, se ativado na reta, presume-se que o sistema de arranque libertaria a suspensão assim que o piloto atuasse os travões.

As Ducati podem ser difíceis de acompanhar desde o zero e em linha reta, mas as Suzuki de Rins e do companheiro de equipa Joan Mir estabeleceram um melhor ritmo de corrida durante o teste de abertura de 2020 em Sepang.

Rins foi rápido em dois tipos diferentes de chassis durante simulações de corrida consecutivas no último dia na Malásia. Registou ainda o terceiro melhor tempo (+0,101s) com um pneu novo, que foi “importante para nós”, depois dos problemas de qualificação de 2019.

“Hoje o plano era testar os novos pneus da Michelin e fazer uma pequena simulação de oito voltas para comparar o chassis normal com o novo.”

“Sinceramente, temos sido muito rápidos, mas também muito consistentes nesta comparação com o chassis. Todas as voltas em 1:59. Estou muito feliz porque melhoramos o meu tempo pessoal de volta aqui e também o ritmo da corrida.”

Rins disse que se sentiu um pouco mais confortável com o novo chassis. “São muito semelhantes, mas parece que com o novo tenho um pouco mais de estabilidade na travagem. Ajuda-me a parar a mota, a reduzir um pouco o esforço. Mas precisamos de nos comparar novamente no Qatar.”

O duplo vencedor de corrida em 2019 confirmou que a Suzuki parece ter dado um passo em frente durante o inverno, em relação à competição.

“Estamos onde quero estar. Acho que com todo o trabalho que a Suzuki fez, podemos estar mais perto… temos boa velocidade em curva e boa condução.”

O colega de equipa Mir, que entrou na sua segunda temporada de MotoGP depois de uma campanha de estreia por lesão, também tem grandes expectativas.

“É difícil dizer, mas acho que podemos fazer grandes coisas esta temporada“, comentou Mir. “Vamos ver… Aqui estava muito calor, agora quero ver a moto a trabalhar em condições frias.”

O antigoscampeão de Moto3 foi uns décimos mais rápido (+0,387s) nas folhas de tempo ultra-próximas, mas numa simulação mais longa, embora interrompida por uma pequena queda, esteve perto do nível de Maverick Viñales, da Yamaha.

“Planeei uma simulação de corrida de 15 voltas, mas sofri uma pequena queda. Então fiz 12 voltas e depois 5 ou 6 volteas depois disso. A mota muda muito quando o tanque está cheio e move-se muito neste calor, por isso é bom comparar”, disse.

Mir também sentiu que o novo chassis era mais estável sob travagem, embora – como o companheiro de quatro cilindros Yamaha – a velocidade máxima continue a ser uma preocupação.

“A velocidade máxima não é o nosso ponto mais forte”, disse, embora os mais recentes ajustes da Suzuki tenham ajudado a torná-la mais “suave no regime médio e o primeiro toque no acelerador é bastante agradável.”

Do lado positivo, a aderência adicionada do pneu traseiro Michelin 2020 parece estar a funcionar melhor para os motores quatro em linha dependentes da velocidade em curva.

No geral, o jovem espanhol deixou a Malásia sentindo-se “mais otimista com certeza. Desde o primeiro dia em que chegamos, estivemos fortes e perto dos melhores. Agora é importante continuar assim.”

O último teste de pré-época realiza-se no Qatar de 22 a 24 de Fevereiro

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png