MOTOGP SEPANG: Crutchlow segundo, mas Honda “mais difícil”

Por a 10 Fevereiro 2020 12:00

Cal Crutchlow sobre a Honda de 2020: “O motor parece um pouco mais forte do que no ano passado, o que é sempre bom, mas precisamos de melhorar a sensação na moto.”

Cal Crutchlow considera que a Honda fez progressos claros com as suas melhorias no motor, mas a sua sensação da dianteira é “talvez ainda um pouco pior”.

O piloto da LCR Honda lutou por sensação na frente com a sua RC213V ao longo da campanha de 2019 e, no início dos preparativos da pré-temporada, teme que o problema continue a manifestar-se, apesar de encontrar consistência entre os diferentes chassis que esteve a testar em Sepang.

Crutchlow teve à disposição três motos diferentes e completou 64 voltas no segundo dia da prova de Sepang, com a sua melhor volta a coloca-lo em 2º lugar na tabela de tempos a 0,675s do líder Fabio Quartararo.

O piloto britânico está confiante nos ganhos do motor da Honda, mas a sua maior queixa continua a ser a dianteira da moto.

“A minha sensação frontal neste momento é talvez um pouco pior do que no ano passado, o que não é assim tão positivo, mas há áreas positivas da moto”, disse Crutchlow. “O motor parece um pouco mais forte do que no ano passado, o que é sempre bom, mas precisamos de melhorar a sensação dos pilotos na moto.

Crutchlow disse que perdia na entrada de curva e a meio da corda, o que significa que tem de usar um estilo de travagem mais violento em comparação com os seus rivais que podem explorar uma linha mais fluída para manter um ritmo melhor através das curvas. Com Marc Márquez ainda abaixo de forma e Alex inexperiente na moto, o peso do teste recaiu sobre o Inglês ao longo dos três dias do teste.

“Ainda não estamos a fazer as curvas como temos de fazer para sermos competitivos”, explicou. “Não podemos fluir ao longo da curva, fazemos uma trajetória muito parecida com um V, que sempre foi o estilo Honda, mas neste momento com os pneus Michelin não podemos fazer isso facilmente.”

“É preciso fazer mais velocidade de curva e neste momento esta moto não nos permite fazer isso. Temos de melhorar essa viragem e essa sensação frontal para o conseguirmos fazer.”

“Não posso virar a moto e parece que temos de ir mais devagar a cada curva para dar a volta e temos de parar a moto, puxá-la e sair, em vez de podermos levar linhas mais suaves, que temos de levar com os pneus Michelin.”

“Sinto que se conseguisse a mesma sensação que tinha em 2018 com a frente, seria muito mais fácil e seríamos mais rápidos. Se tivéssemos o motor que temos agora, com a sensação de 2018, acho que poderíamos ser mais competitivos semana sim semana sim.”

“Tenho de pilotar como um selvagem, gosto disso, mas por vezes preferia uma vida mais fácil.”

Crutchlow foi o único piloto da Honda além de Marc Márquez a chegar ao pódio no ano passado, com um trio de pódios a chegar no Qatar, Alemanha e Austrália.

 

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png