MotoGP: Rossi não desanima

Por a 17 Julho 2019 16:50

Valentino Rossi salientou que já recuperou de uma série mais longa de derrotas antes e, de forma brincalhona, destacou o seu recorde de vitórias de sempre no MotoGP, quando lhe perguntaram se a sua atual falta de vitórias é difícil de engolir.

Rossi não atinge o primeiro lugar do pódio desde a prova de Assen em 2017, uma série de 36 corridas consecutivas sem ganhar.

Mas o italiano já sofreu uma série de 44 derrotas consecutivas desde Phillip Island 2010 até Assen 2013, incluindo as duas temporadas na Ducati.

“Com certeza que eu não gosto [da série de derrotas], mas já aconteceu outra vez na minha carreira e pude voltar”, disse Rossi.

O Doctor domina a tabela de vitórias da categoria rainha graças a 89 vitórias desde a sua estreia em 2000. Giacomo Agostini é o mais próximo com 68 vitórias, enquanto o melhor piloto no activo é o actual campeão da Honda, Marc Marquez, com 49 vitórias.

Como tal, Rossi brincou que a vida seria suportável se ele não conseguisse vencer novamente – mas rapidamente deixou claro seu desejo de fazê-lo e acredita que mais vitórias são possíveis e que não precisará de mudar de chefe de equipa …

“Ganhei 89 corridas no MotoGP… não estou tão mal assim, posso ‘gerir’ se permanecer nas 89!” – disse o italiano – “Mas nós não desistimos, porque no ano passado eu já era velho e também há cinco anos, eu já era velho.”

Rossi – que mesmo assim venceu nove corridas nos últimos cinco anos e só perdeu o título de 2015 na ronda final – procura agora ser o quarto piloto da história com mais de 40 anos (e o primeiro desde Jack Finlay em 1977) a ganhar um Grand Prix de MotoGP na classe rainha.

O que torna a atual seca de Rossi pior é que ele foi recentemente superado por dois pilotos na mesma máquina – o companheiro de equipa da Yamaha, Maverick Vinales, e o astro da satélite Petronas Fabio Quartararo, que Rossi acredita são capazes de tirar mais proveito da configuração atual da M1 para andar rápido.

Sinceramente, eu não sinto na minha mente que estou a desistir, ou que não me estou a concentrar, ou não tenho motivação suficiente para chegar ao fim-de-semana da corrida. Não há razão para que este ano eu esteja 20 segundos mais lento do que estava aqui no ano passado “, disse Rossi da sua decepcionante corrida no Sachsenring, onde terminou em oitavo lugar e 19,110s atrás de Marquez.

“Acho que podemos entender o que se passa e podemos recuperar, mas é uma situação difícil porque sinceramente eu esperava ser forte [em Sachsenring], mas na realidade não fui.”

Apesar de Rossi ter ganho em Assen durante o seu regresso de 2013 à Yamaha, terminou a temporada quase 100 pontos atrás do companheiro de equipa Jorge Lorenzo. A ocasião marcou a primeira vez que o #46 terminou abaixo de um companheiro de equipa no campeonato mundial, sem estar lesionado.

Decidindo que uma mudança importante era necessária, Rossi anunciou a partida do chefe dos mecânicos Jeremy Burgess e iniciou uma nova parceria com Silvano Galbusera, o homem responsável pelo único título de SBK da Yamaha com Ben Spies.

Dada a situação atual de Rossi, poderia o papel de Galbusera agora estar em perigo?

“Eu não penso assim, porque trabalhamos duro, sinto-me bem com toda a minha equipa e já faz muito tempo que estamos com o Silvano”, disse o nono campeão mundial. “Temos que encontrar uma maneira de progredir [com a equipa] assim, acho eu.”

Segundo na Argentina e Austin no início da temporada, a série de três abandonos consecutivos de Rossi e um oitavo lugar na Alemanha significa que ele perdeu agora o quinto lugar no campeonato mundial para Vinãles.

O espanhol é o único piloto da Yamaha a vencer desde Rossi em Assen em 2017, abrindo o champanhe da vitória em Phillip Island na última temporada e Assen já nesta temporada. O atual contrato de MotoGP de Rossi vai até o final de 2020.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png