MotoGP: Os pneus e Assen

Por a 26 Junho 2019 14:30

A Michelin dirige-se ao Circuito de Assen bem ciente das exigências que a natureza rápida, fluida e técnica do circuito holandês colocará nos seus pneus traseiros. A pista de 4.542 km, com a sua mistura de seis curvas à esquerda e doze à direita, pode colocar os pneus traseiros sob pressão substancial, oferecendo ao mesmo tempo imagens potentes quando os pilotos de MotoGP se envolvem em batalhas corpo-a-corpo.

Espera-se que as temperaturas também sejam altas no fim-de-semana, o que significa que a Michelin trará compostos traseiros macios, médios e duros, com um design assimétrico, de um lado mais duro à direita. Eles terão muito trabalho a fazer para lidar com o aumento da temperatura e enfatizam que o pneu enfrenta as direitas rápidas que são uma característica principal da pista.

Os da frente têm uma vida menos dura, mas as exigências colocadas sobre eles são igualmente importantes, embora os compostos de slicks macios, médios e duros tenham um acabamento simétrico.

As primeiras indicações são de que o tempo irá ser bastante quente, mas o clima húmido em Assen não é incomum. Portanto, se essas condições surgirem, a Michelin terá pneus de chuva em compostos macios e médios disponíveis para a frente, com os traseiros numa combinação simétrica extra-macia e outra assimétrica suave com um lado mais duro à direita. Diz Piero Taramasso, gerente de duas rodas da Michelin Motorsport:

“Assen é uma pista extremamente técnica e para a qual nos preparamos de uma maneira pouco diferente. O pneu traseiro faz a maior parte do trabalho devido às exigências colocadas sobre ele através das curvas rápidas e fluidas, e todos os pilotos precisam de uma boa aderência consistente, pois o que eles fazem numa curva pode facilmente influenciar o resto da volta.

“É também um circuito onde os pilotos gostam de dar o máximo toda a corrida e com a consistência e aderência extras que os pneus fornecem este ano, graças à tecnologia que introduzimos nos compostos, esperamos que eles possam usar essa durabilidade para produzir uma corrida rápida e muito competitiva.

“Assen é também uma pista onde o tempo pode mudar rapidamente e ter um papel importante, por isso temos de estar preparados para isso, já aqui tivemos uma corrida molhada desde o nosso regresso ao MotoGP e os pneus funcionaram muito bem, desde então melhorámos, portanto, se estiver molhado, esperamos uma corrida igualmente competitiva e emocionante, como esperamos no seco.”

E controlar a derrapagem excessiva?

“Depende de coisas como a pista, o pneu e a moto, mas se ficarmos entre 10-15%, é o ideal”, respondeu Piero Taramasso.“Porque precisamos de um pouco de derrapagem para gerar calor, mas não muito porque superaquece o pneu e ele deteriora-se muito mais.”

A tracção ou saída das curvas é uma das áreas em que a Yamaha, por exemplo, sente que está a perder em relação à Honda e à Ducati.

Caráter do motor e os ajustes da eletrónica e controle de aceleração são as principais ‘ferramentas’ para tentar manter o Michelin traseira no ponto ideal de derrapagem.

 

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x