MotoGP, O Top 5: Andrea Dovizioso

Por a 30 Maio 2020 16:00

Andrea Dovizioso é um caso de estar no sítio certo na altura errada. Como Randy Mamola com Roberts e Spencer umas décadas antes, se não houvesse um tal Marc Márquez, o Italiano de Forli já teria decerto pelo menos um título de MotoGP sob o seu nome, em vez de ser três vezes vice-campeão na classe rainha, depois de terminar em segundo lugar atrás de Marc Márquez em 2017, 2018 e 2019. Mesmo assim, Andrea, nascido em Forlimpopoli a 23 de Março de 1986, já ganhou o Campeonato do Mundo de 125cc em 2004 e também terminou em terceiro na classe de MotoGP em 2011.

Simpático mas reservado, Dovi é popular no paddock

Filho de Antonio Dovizioso, um piloto siciliano, Dovizioso começou muito pequeno a correr em minimotos, e depois venceu o Desafio Aprilia Challenge de 125 em 2000. Em 2001, Dovizioso venceu o Campeonato da Europa de 125 e também competiu na sua primeira corrida do Campeonato do Mundo em Mugello, na qual se retirou. Nesse ano trabalhou com Guido Mancini, um ex-piloto e mecânico que, no passado, já tinha trabalhado com Valentino Rossi e Loris Capirossi e ajudou a desenvolver o seu estilo extraordinariamente suave e fluído, que o tornou um mestre à chuva.

As 125 deram a Dovi o seu primeiro gosto do Mundial

 

Em 2002, Dovizioso competiu no Campeonato do Mundo de 125cc com uma Honda RS do Team Scot, terminando em 16º lugar na classificação final. Os seus melhores resultados foram dois nonos lugares em Le Mans e Donington. Continuou com a equipa em 2003, terminando em 5º lugar na classificação final e alcançando quatro pódios. Porém, a temporada de 2004 viu-o ganhar cinco vitórias e seis outros pódios a caminho de conquistar o campeonato com 293 pontos.

Em 2005, Dovizioso mudou-se para a classe de 250, continuando com a Honda Team Scot. A temporada incluiu cinco pódios e o 3º lugar na classificação geral. Também ganhou o prémio de Rookie of the Year. Em 2006 permaneceu com a equipa, agora renomeada como Humangest Racing. Venceu duas corridas em Barcelona e no Estoril e terminou no pódio 11 vezes, usando a sua impressionate capacidade de travar no limite com grande suavidade e em total controlo. Lutou pelo campeonato até à última corrida da temporada, mas teve de se contentar com o 2º lugar atrás de Jorge Lorenzo. A temporada de 2007 viu-o ganhar duas corridas em Istambul e Donington e desafiar mais uma vez para o campeonato, mas terminou em 2º lugar mais uma vez.

O Team Scot acompanhou a subida de Andrea à classe rainha

Em 15 de Setembro de 2007, Dovizioso anunciou que iria subir à classe de MotoGP com a sua equipa de 2008. Na sua estreia na classe rainha, Dovizioso alcançou um quarto lugar altamente credível, na abertura da temporada no Qatar, passando Valentino Rossi na última volta. Ao longo da temporada, Dovi foi um dos pilotos mais consistentes da Honda, colocando-se em 4º e 5º lugar várias vezes, e alcançando um 3º lugar no MotoGP da Malásia em Sepang. Dovizioso terminou em 5º lugar na classificação final.

Para a temporada de 2009, Dovizioso tornou-se piloto oficial da Honda Repsol substituindo Nicky Hayden e fazendo parceria com o espanhol Dani Pedrosa. Em Julho de 2009, Dovizioso venceu a sua primeira corrida de MotoGP no Grande Prémio da Grã-Bretanha em condições molhadas em Donington Park. Apesar de ter terminado com pontos consistentes, Dovizioso terminou com menos pontos do que na sua época de estreia na classe, terminando em sexto lugar na classificação final.

Dovizioso teve um forte início de temporada em 2010 com a equipa da Honda Repsol, conquistando um pódio na corrida inaugural da temporada no Qatar. Seguiram-se mais três pódios no início do ano, antes de os seus resultados se terem desvanecido a meio da época. Apesar disso, Dovizioso conquistou consistentemente pontos e fez a sua primeira pole position em MotoGP no Grande Prémio do Japão em Motegi. Terminou em segundo lugar na corrida, depois de ter desafiado para a vitória na corrida, igualando o resultado do Grande Prémio da Grã-Bretanha. Dovizioso voltou a ser segundo na corrida seguinte, na Malásia, mas retirou-se na Austrália e terminou a temporada com o terceiro em Portugal e quinto em Valencia para terminar em quinto lugar na classificação final do campeonato.

A Honda Repsol acabou por não corresponder às ambições de Dovi

Dovizioso manteve-se na Honda Repsol pela terceira época consecutiva em 2011, integrando uma equipa de três motos ao lado de Casey Stoner e Dani Pedrosa. Dovizioso começou bem a temporada, com um quarto lugar no Qatar depois de uma longa batalha com Marco Simoncelli. Em Jerez, Dovizioso sofreu grave deterioração dos pneus e nas condições húmidas teve de fazer uma mudança de pneus a caminho de um 12.º lugar. Ficou em quarto lugar em Portugal, com um passe tardio sobre Valentino Rossi, antes de Le Mans ver a melhor prestação da temporada de Dovizioso. Depois de ter circulado em sexto lugar para uma parte da corrida, foi ajudado pela colisão entre Pedrosa e Simoncelli, que viu Pedrosa cair e Simoncelli ser penalizado.

Depois, passou Jorge Lorenzo e Valentino Rossi a caminho do segundo lugar. Seguiu-se o quarto lugar na Catalunha, antes de mais um segundo lugar na Grã-Bretanha, tendo começado em quinto e liderado as primeiras voltas antes de ser ultrapassado pelo colega de equipa Stoner. Dovizioso alargou a sua corrida ao pódio para quatro corridas após um terceiro na Holanda e segundo na sua corrida em casa em Mugello.

Terminou em segundo pela quarta vez em 2011, na República Checa, aguentando a pressão de Simoncelli. Seguiram-se dois quintos lugares, antes da única saída de Dovizioso da temporada em Aragón, depois de ter caído. Dovizioso terminou em quinto no Japão, apesar de uma penalização por ter saltado a partida. Dovizioso terminou em terceiro na Austrália e Valencia, enquanto a corrida da Malásia foi cancelada após a morte de Simoncelli na primeira edição da corrida.

Terminou a temporada em terceiro lugar, atrás de Jorge Lorenzo e Casey Stoner, mas decidiu mudar-se para a equipa Yamaha Tech3 para a temporada de 2012, ao lado de Cal Crutchlow num contrato de um ano. Dovizioso mudou-se para a equipa depois de ter rejeitado a oferta de uma moto Honda satélite, pois a Repsol Honda revertera para duas motos, para Stoner e Pedrosa, para a temporada de 2012.

Dovi também passou pela Yamaha na Tech3

Na Yamaha, Dovizioso alcançou o top-5 em cada uma das suas três primeiras partidas pela Tech3, com o quinto lugar no Qatar e em Jerez, bem como um quarto lugar no Grande Prémio de Portugal. Seguiu-se um sétimo lugar em Le Mans, antes do primeiro pódio da temporada, um terceiro lugar, no Grande Prémio da Catalunha. Depois de ter perdido pontos no Grande Prémio da Grã-Bretanha devido a uma queda, Dovizioso terminou ou em terceiro ou em quarto lugar em cada uma das seis corridas seguintes, com quatro pódios, para manter o quarto lugar no campeonato à frente do companheiro de equipa Cal Crutchlow.

Nesse ano, ainda venceu uma corrida Supermoto em homenagem à memória do piloto italiano Marco Simoncelli, que morrera num acidente na Malásia.

Após a mudança de Valentino Rossi para a equipa de fábrica da Yamaha, Dovizioso foi contratado pela Ducati para substituir Rossi na sua equipa oficial. Dovizioso teve uma temporada difícil na Ducati Desmosedici, que na altura tinha um desempenho inferior, com o quarto lugar em condições húmidas no Grande Prémio de França.

Terminou em oitavo na temporada, atrás de Stefan Bradl e logo à frente do colega de equipa Nicky Hayden. A temporada começou de forma positiva para Dovizioso, já que obteve três top-5 nas primeiras quatro corridas, incluindo um terceiro lugar no Grande Prémio das Américas no Texas e conquistou a sua primeira pole position com a Ducati no Japão, a sua primeira pole position desde 2010. Assim, terminou a temporada 5º no campeonato de pilotos.

Em 2015, Dovizioso permaneceu na Ducati pela terceira temporada consecutiva, onde se juntou ao compatriota Andrea Iannone, que se mudou da Pramac Racing. Conquistou a primeira pole position da temporada no Qatar, superando o resto do plantel por 0,2 segundos. Na corrida, começou bem e lutou com as Yamaha de fábrica de Valentino Rossi e Jorge Lorenzo. Terminou em segundo lugar, atrás de Rossi, ocupando o seu primeiro pódio desde o TT holandês, em Junho de 2014. O colega de equipa Iannone terminou logo atrás no terceiro lugar, dando à equipa de fábrica o seu primeiro duplo pódio desde o Grande Prémio de Aragón de 2010. Nas duas corridas seguintes, terminou na segunda posição. No entanto, a forma de Dovizioso deu um grande mergulho prejudicado com falhas mecânicas e acidentes. Depois de ter marcado 4 pódios nas primeiras 5 corridas, só somou mais um ao seu total para o resto da temporada e terminou em sétimo no campeonato.

Estávamos em 2016 e Dovizioso voltou a iniciar a temporada em força no Qatar, terminando em 2º lugar, mas foi eliminado pelo seu companheiro de equipa no Grande Prémio da Argentina, quando ia em 2º, acabando por terminar em 13º.

Foi retirado da corrida por Pedrosa em Austin enquanto era 3º e teve uma falha na bomba de água em Jerez para o deixar bem abaixo na classificação. Por esta altura foi anunciado que Jorge Lorenzo iria ingressar na Ducati em 2017. Algumas semanas depois, a Ducati anunciou que Dovizioso ia ficar na Ducati para ser colega de Lorenzo, enquanto Iannone iria para a Suzuki.

As (raras) quedas de Dovi ficam normalmente a dever-se a erro alheio

Na inauguração do Grande Prémio da Áustria, onde a Ducati era favorita para vencer, terminou em 2º lugar para o seu companheiro de equipa Iannone, o que o deixou desiludido. No entanto, terminou a temporada com força e conseguiu a sua segunda vitória no Grande Prémio da Malásia, à frente de Valentino Rossi e Jorge Lorenzo, a sua primeira vitória em sete anos. Terminou a temporada em 5º no campeonato. Dovizioso também se estreou em corridas de automóveis quando participou no Lamborghini Super Trofeo em 2016 no Circuito Ricardo Tormo, conduzindo um Lamborghini Huracán. Terminou em 4º lugar na primeira corrida da classe Pro-Am e venceu a segunda corrida.

Mais uma vez, em 2017, Dovizioso iniciou a temporada terminando em 2º lugar no Qatar, desta vez para o novo piloto da Yamaha, Maverick Viñales. Foi eliminado novamente na Argentina, desta vez por Aleix Espargaró, antes de terminar em 6º, 5º e 4º em Austin, Jerez e Le Mans, no entanto a Ducati ficou muito atrás do vencedor nessas corridas.

No Grande Prémio de Itália, Dovizioso parecia forte durante os treinos e qualificou-se em 3º lugar, atrás de Viñales e Rossi. Controlou o ritmo na corrida, não deixou que Viñales fugisse e acabou por passar por ele e abriu um intervalo para vencer a corrida, tornando-se o primeiro piloto italiano a vencer o Grande Prémio de Itália numa Ducati.

Foi também a sua primeira vitória no seco no MotoGP. 7 dias depois, na Catalunha, voltou a vencer a prova, tendo começado em 7.º, à frente de Márquez, Pedrosa e o seu companheiro de equipa. De volta às vitórias para Dovizioso, isto colocou-o apenas a 7 pontos de Viñales no topo da classificação, embora elel próprio tivesse desvalorizado a possibilidade de lutar pelo título. Com Viñales a cair em Assen, Dovi assumiu a liderança do campeonato. No entanto, uma série de resultados medíocres em Assen, Sachsenring e Brno colocaram-no em 3º lugar na classificação.

Voltou a ganhar consecutivamente na Áustria e na Grã-Bretanha, retomando a liderança quando Márquez se retirou devido a um motor rebentado. No Grande Prémio de San Marino, terminou em terceiro e depois no 7º lugar em Aragón, que o viu perder a liderança para Marc Márquez. No GP do Japão, porém, conseguiu a quinta vitória da temporada, depois de ter passado Márquez na última volta, reduzindo o défice entre ambos para 11 pontos. Na última ronda em Valencia, Dovizioso lutou com dificuldades, qualificando-se apenas em 9º lugar. Apesar de andar a reboque do colega de equipa Jorge Lorenzo, acabou por cair da corrida do 4º lugar com 5 voltas restantes. Terminou a temporada em segundo, perdendo a batalha do campeonato do mundo para Marc Márquez, com um total de 6 vitórias.

Para 2018, Dovizioso levou a vitória na estreia da temporada no Qatar, batendo Marc Márquez à meta. Terminou em sexto lugar na segunda corrida da temporada na Argentina e no total, venceu 4 corridas na temporada de MotoGP de 2018, acabando por terminar em segundo lugar atrás de Márquez pela segunda época consecutiva.

Travagem dura e finesse são pontos fortes de Dovizioso

O ano passado, Dovizioso venceu o GP do Qatar pela segunda vez consecutiva e o GP da Áustria no Red Bull Ring com uma ultrapassagem final sobre Marc Márquez. Sofreu um grande acidente no GP da Grã-Bretanha, onde não conseguiu evitar bater em Fabio Quartararo que caira à sua frente, atropelando a mota do piloto francês, enviando-o pelos ares e caindo de cabeça no chão. O acidente fez com que tivesse perda de memória temporária, da qual se recuperaria completamente pouco depois. Ainda somou 9 pódios na temporada, igualando a sua pontuação na temporada anterior. Com 269 pontos, a sua maior pontuação na carreira até à data, Dovizioso terminou em 2º lugar para Márquez pela terceira época consecutiva.

Em Maio de 2019 Dovizioso participou na ronda de Misano do campeonato DTM 2019, dirigindo um Audi RS5 Turbo DTM para a W Racing Team (WRT). Correu como suplente de Pietro Fittipaldi, e na primeira corrida terminou em 12º, para terminar em 15.º na segunda corrida.

Este ano, Dovi tem mais uma hipótese, aos 34 anos talvez a última, ao título. 14 vitórias de 215 arranques em MotoGP, com 60 pódios, 7 poles e 11 voltas rápidas pelo caminho dizem que é muito capaz de o conseguir!

 

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png