MotoGP Misano: As Yamaha no ritmo

Por a 17 Setembro 2019 14:30

Marc Marquez, da Honda Repsol, pode ter conquistado a vitória número sete da sua temporada no Domingo, mas houve um fabricante que se destacou entre os demais no GP de San Marino e Riviera de Rimini: a Yamaha.

Maverick Viñales (Yamaha Monster Energy) e Fabio Quartararo (Yamaha Petronas SRT) foram os pioneiros no treino livre e o espanhol acabaria por conquistar a pole position na tarde de Sábado por quase três décimas.

Tanto o herói de casa Valentino Rossi (Yamaha Monster Energy) e o italiano Franco Morbidelli (Yamaha Petronas SRT) – antes do seu 100º GP – também estavam a ter um bom fins de semana, com todas as quatro YZR-M1s sempre dentro dos primeiros 10 em todas as sessões durante todo o fim de semana.

No dia da corrida, Quartararo esteve tão perto de reivindicar a sua primeira vitória no MotoGP qe até Márquez o elogiou.

Problemas de aderência fizeram Viñales terminar apenas a 1,6s da luta pela vitória, enquanto Rossi e Morbidelli disputaram o 4º lugar nos últimos dois terços da corrida de 27 voltas. No final, 2º, 3º, 4º e 5º foram para os pilotos da Yamaha.

Os dois pilotos de fábrica – Viñales e Rossi – ficaram um pouco dececionados após a ação de domingo. Um bom sinal, talvez, depois das suas dificuldades recentes, mas a dupla queria mais, no caso de Viñales, mesmo uma vitória na corrida, após sair da pole.

 “Achei a pista muito escorregadia, perdi a frente duas ou três vezes, o que me perturbou muito e não cheguei ao ritmo em que conseguia andar”, disse o número 12, que liderou a corrida duas voltas antes de perder o contato com Quartararo e Márquez.

“Depois voltámos fortes, recuperámos muito de 2,5 segundos para 1,4, mas sabem que estou contente, estamos trabalhando duro”, continuou Viñales.

“É algo para construir, passo a passo. De qualquer forma, estou muito feliz, precisamos trabalhar e estamos dando o nosso melhor. Até ao momento, foi o melhor que tive a minha moto. Precisamos de nos contentar com isso, tentar entender o que precisamos para ser ainda mais competitivos e o que precisamos melhorar.”

“Estamos a fazer bom progresso. Temos que nos lembrar de que estamos dando passos adiante, estamos no pódio de forma consistente e, de alguma forma, posso criar uma boa aderência com a moto, mas há espaço para melhorar. ”

Do outro lado da garagem, o pódio em casa sonhado não surgiu, mas um 4º foi o resultado possível, pois ninguém tinha respostas para o ritmo do trio líder. “Queria tentar lutar pelo pódio, mas não tinha ritmo”, confessou Rossi.

 “Subir ao pódio aqui em Misano é sempre bom diante de todos os fãs, mas a corrida foi o que esperávamos, porque durante todo o fim de semana os três primeiros foram mais rápidos do que nós. Tentamos trabalhar, tentamos melhorar em certas áreas, mas não conseguimos dar o passo que é preciso. “

Se se descontar Márquez, o que ouvimos mais foi a palavra Iwata no GP de San Marino, enquanto os outros fabricantes descobriram que afinar para o traçado era uma vida difícil. A vencedora do ano passado, a Ducati com Andrea Dovizioso conseguiu apenas 6º logo atrás de Rossi e Morbidelli, e o nove vezes campeão mundial espera que as M1 continuem fortes pelo resto da temporada.

“Neste fim de semana, a moto funcionou muito bem e outros fabricantes pareciam ter mais problemas do que nós. Portanto, esperamos que isso não seja apenas aqui em Misano, mas que possamos ser competitivos pelo resto da temporada.”

“O bom para nós é que durante o final de semana a Yamaha foi competitiva. Maverick e Quartararo são mais rápidos e eu e Franco estamos um pouco mais em apuros. Por quê? Parece que à saída das curvas temos um pouco menos de aderência, e sofremos. Talvez porque somos mais altos, não sei.”

O MotorLand Aragon não é uma pista que tenda a favorecer a Yamaha nos últimos anos e vem a seguir. A fábrica de Iwata levará a sua forma de Misano para o resto da temporada? Não temos muito que esperar para descobrir.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png