MotoGP: Lorenzo “vai sair da ‘espiral negativa”

Por a 17 Agosto 2019 16:45

O director técnico da HRC, Takeo Yokoyama, admite que Jorge Lorenzo foi apanhado em queda livre desde que se juntou à Honda no MotoGP esta época.

Mas também está confiante de que “boas coisas vão acontecer em breve” para o triplo campeão de MotoGP assim que superar as dificuldades.

Lorenzo sofreu uma sucessão punitiva de lesões, que já vinha de Setembro do ano passado na Ducati. O mais prejudicial em termos de sua nova carreira na Honda foi a fratura de um escafoide que lhe roubou testes vitais de inverno e fraturas posteriores em Assen, o evento depois da sua curta, mas espetacular, apresentação na Catalunha.

Tudo isso significa que Lorenzo que já ganhou 47 vezes na classe rainha, ficou afastado da ronda holandesa, e ainda está por reivindicar um Top 10 na Honda. Espera-se que Lorenzo volte à ação no MotoGP britânico do próximo fim-de-semana.

“É verdade que está levando mais tempo do que o esperado, para ele e para nós, ser suficientemente rápido”, disse Yokoyama.

“Por causa de seu estilo de pilotagem, esperávamos que não fosse fácil para ele se adaptar à moto da Honda e não foi fácil para nós fazermos a melhor moto para ele. Mas, além disso, ele sofreu lesões que o afastaram várias vezes.”

“Ele não teve tempo suficiente para se habituar à nossa moto e todas as vezes que começou a sentir-se bem, confortável, aconteceu algo mau – mais algumas quedas, outra lesão.”

 “Por isso estamos numa espiral negativa. Mas na vida, uma vez que se ultrapassa essas partes negativas, apenas coisas boas acontecerão. Por isso você verá, em breve!”

As desgraças de Lorenzo, com boatos choque, aparentemente infundados, a ligá-lo a uma hipotética mudança para a Ducati ou Yamaha, contrastam com a proximidade do sonho para o companheiro de equipa Marc Marquez.

O atual campeão venceu seis de onze corridas até aqui e terminou em segundo lugar em outras quatro, para deter uma vantagem de 58 pontos.

Mas com Cal Crutchlow, da LCR, a descrever problemas semelhantes de comportamento dos de Lorenzo, como vê a Honda as prioridades com o piloto?

“Do lado do Cal, conhecemos a sua personalidade, ele é muito exigente e acho que toda a gente sabe que ele gosta de falar muito!” disse Yokoyama. “Pessoalmente gosto muito de falar com ele e todas as vezes que chegamos a uma discussão séria ele é muito bom no feedback que nos dá e é por isso que estamos tentando melhorar a moto também para ele. É o mesmo para o Jorge.”

“Por isso estamos trabalhando para todos os três pilotos de fábrica – Marc, Jorge e Cal – é claro. Não acontece com tanta frequência que todos eles deem indicações ou pedidos completamente opostos ou diferentes. Mas quando isso acontece, claro, a nossa prioridade é o Marc. Como Marc é um campeão, ele pode-nos dar o melhor feedback, digamos, e a primeira prioridade é ganhar o título, com o Marc.”

“Se por algum motivo Marc decidir ir de férias, é claro que temos que continuar trabalhando com base nas direções dos outros pilotos. Mas o Marc não vai sair de férias, não se preocupem!”

Curiosamente, Yokoyama não concordou que os impressionantes ganhos em linha reta da Honda nesta temporada foram à custa da estabilidade da dianteira, apesar de Marquez ter explicado que ele precisa de uma inclinação recorde para conseguir tirar o melhor da moto deste ano.

“Eu não concordo que tenhamos perdido a sensação da frente. Porque é verdade que comparado com o ano passado, um dos pontos a rever era ganhar velocidade máxima. Mas é claro que o nosso alvo não era perder em mais lado nenhum e eu estou confiante de que conseguimos um bom nível “, disse ele.

No entanto, a HRC está claramente a colocar um esforço considerável em melhorar o quadro ao experimentar com fibra de carbono ao lado do alumínio habitual.

Yokoyama disse que ainda tem muito a aprender sobre como usar o compósito e, curiosamente, o conhecimento adquirido com o braço oscilante de fibra de carbono não foi diretamente transferível para o quadro principal.

“De Jerez com o Bradl como wildcard, começámos a tentar com o quadro incorporando alguma fibra de carbono e já o modificámos quatro ou cinco vezes”, explicou.

“Há sempre alguns positivos e outros negativos. Mas ainda estamos a meio de estudar e compreender qual é o benefício deste material.”

“Quero dizer, obviamente, aprendemos com o braço oscilante de carbono, mas quando aplicamos esse material de carbono na parte frontal do chassis, a mudança de desempenho não é a mesma que no braço oscilante.”

“Uma vez que soubermos exatamente a melhor maneira de usá-lo, acho que se verão todos os nossos pilotos sobre esse quadro de fibra de carbono”.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png