MotoGP história: Wayne Gardner, o primeiro Australiano, parte 2

Por a 10 Abril 2020 16:00

Vimos como Gardner se tornou no primeiro Australiano Campeão Mundial de 500 em 1987. Porém, o Australiano também fez furor nas 8 Horas de Suzuka.

De facto, Gardner acabaria por ganhar quatro vezes as 8 Horas de Suzuka em 1985, 1986, 1991 e 1992. Após a temporada de 1992, Gardner retirou-se das corridas de moto, mas manteve-se intimamente envolvido com a modalidade, ajudando vários pilotos como Daryl Beattie no início das suas carreiras.

A caminho de vencer o GP da Austrália em 1989

Das suas 100 corridas no Mundial de 500, única classe onde correu, venceu 18 com 51 pódios e o mesmo número de voltas rápidas e poles, 19…

Ainda apareceu em eventos especiais como o Goodwood Festival of Speed em motos clássicas da Honda e correu novamente no encontro de Goodwood contra James Whitham, o falecido Barry Sheene e o ex-piloto de Fórmula 1 Damon Hill.

Na altura, residia no Mónaco e rodeou-se dos brinquedos habituais, sendo visto frequentemente com uma Harley-Davidson e um Porsche 928S.

Regressado à Austrália, Wayne Gardner desenvolveu os seus negócios como importador de equipamento moto, nomeadamente dos capacetes portugueses CMS, e envolveu-se nas corridas de automóveis, onde a primeira incursão aconteceu quando foi correr na Fórmula Holden na última ronda do Campeonato Australiano de Pilotos de 1990, organizada como uma corrida de apoio ao Grande Prémio da Austrália de Fórmula 1 nesse ano, conduzindo um Shrike 002 construído e desenvolvido para a categoria por estudantes de engenharia do Croydon Park Institute em Adelaide onde a corrida foi realizada.

Chegado a Adelaide no primeiro dia de treinos, fresco de ter passado a semana anterior no Japão a testar a sua NRS500 de Grande Prémio de 1991, Gardner tinha-se qualificado num credível 11º lugar para a sua primeira volta competitiva num carro de rodas abertas.

No entanto, um choque na parede logo após a chicane no final da reta quando derrapou em líquido de radiador derramado pelo Ralt RT20 de Drew Price, danificou severamente a frente do carro. As suas hipóteses de alinhar terminaram quando outro carro também fez um pião no líquido refrigerador entornado e bateu no Shrike, danificando-o para além de reparação imediata.

No entanto, o bichinho tinha mordido, e após a sua retirada do campeonato mundial de 500 no final de 1992, Gardner transferiu o seu interesse em desportos motorizados para as quatro rodas. Iniciou a sua carreira em Turismos em 1992, dirigindo um Holden Commodore da Raider Motorsport construído por Bob Forbes, alugado por Graham Moore para a corrida Tooheys 1000 de 1992 em Bathurst. O Commodore Moore/Gardner terminou a prova encurtada no 26.º lugar, após ter qualificado em 21.º lugar.

Em 1993, Gardner foi recrutado para dirigir um VP Commodore para a Holden Racing Team no Campeonato Australiano de Carros de Turismo de 1993, o primeiro ano dos carros de turismo de 5,0 litros que mais tarde se tornaram os Supercars V8.

Em Novembro de 1993, Gardner venceu uma das corridas de apoio do Grupo A no Grande Prémio da Austrália em Adelaide, depois de no início do ano terminar em terceiro na prova Tooheys 1000 partilhando a condução com Brad Jones.

Muitos incidentes enquanto pilotava para a Holden em 1993 levaram-no a receber a alcunha de “Capitão Caos”, e pensava-se que os seus confrontos em pista foram o que levou à sua breve suspensão da equipa para a Sandown 500 desse ano, embora a verdadeira razão fosse que Gardner estava a falar abertamente com a Holden e a Coca Cola acerca de começar a sua própria Equipa.

O Holden Coca Cola tornou Gardner ainda mais famoso

Assim, para a temporada de 1994, Gardner formou a sua própria equipa, Wayne Gardner Racing, patrocinada pela Coca-Cola, onde correu durante três temporadas com o colega de equipa, o comentador do Canal 7 Neil Crompton.

O ponto baixo da equipa foi na ronda de Bathurst do Australiano de 1995 em Março. Logo após o início da primeira manga, Crompton foi atingido pelo carro de Phil Ward. Isto empurrou-o diretamente para o carro de Gardner e ambos os carros patrocinados pela Coca-Cola terminaram a corrida no muro antes de acabarem a primeira volta.

A equipa recuperou, no entanto, e Gardner ganhou sensacionalmente à partida e liderou as primeiras voltas do Tooheys 1000 de 1995, para terminar em 3º lugar na corrida, enquanto os seus companheiros de equipa Brad Jones e o ex-vencedor de Bathurst Win Percy terminaram em 5º alguns segundos atrás.

O destaque do ATCC de Gardner foi vencer a ronda de 1997 de Calder Park, realizada sob holofotes na Calder Park Raceway. Foi uma vitória surpresa na temporada inaugural do V8 Supercar Championship. A surpresa foi que Gardner tinha anunciado que, devido à falta de fundos, era improvável que corresse toda a temporada de 1997, e não fora considerado um favorito na corrida.

Após a retirada do seu principal patrocinador Coca-Cola, que optou por investir nos Jogos Olímpicos de Sydney em 2000, Gardner perdeu cerca de 2 milhões de dólares por ano em patrocínios, o que tornou basicamente impossível para a equipa continuar a funcionar e a equipa dissolveu-se após uma temporada parcial em 1999. Wayne ainda continuou com um carro alugado à Perkins Engineering, e continuou a correr em Supercars V8 até 2002, com o ponto alto de pole para os 1000 Km de Bathurst em 2000, em condições terríveis e com os limpa-vidros avariados.

Gardner também fez uma incursão no All Japan Grand Touring Car Championship, correndo num Toyota Supra em 1996, e correu nesta competição até se retirar do automobilismo em 2002. Venceu uma ronda do campeonato em 1999 (na Fuji Speedway) e em 2001 (em Sportsland Sugo). Também teve a distinção em 2001 de ser o único piloto da Toyota a terminar todas as corridas nessa temporada, e também terminou todas as corridas nos pontos.

Gardner fez uma aparição única nas 24 Horas de Le Mans de 1998, com Philippe Gache e o seu companheiro das motos Didier de Radiguès. Qualificaram-se em 26º lugar, mas não terminaram devido a problemas no motor depois de completarem 155 voltas.

Foi condecorado com a Medalha da Ordem da Austrália e hoje reside em Espanha e dedica-se às carreiras dos filhos Remy e Luca, além de organizar as séries de Campeões de Outrora que vimos no Estoril recentemente.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x