MotoGP, história: as escapadelas de Toni Mang

Por a 15 Junho 2020 15:30

Toni Mang ganhou quatro de cinco títulos do Campeonato do Mundo com a Kawasaki

Agora, o antigo campeão do mundo Dieter Braun falou da gloriosa carreira de Toni Mang, o último Campeão Mundial da extinta classe de 350, que foi inicialmente cheia de obstáculos. Braun, agora com 77 anos, empregou Mang e chegou a mandar o futuro campeão cortar-lhe o cabelo e fazer-lhe as malas.

O antigo campeão do mundo Dieter Braun teve de terminar a carreira de piloto no GP de Salzburg, em 1977, depois de 14 vitórias no Mundial. Toni Mang seguiu os seus passos e conquistou cinco títulos mundiais. Mas em 1971 o Bávaro trabalhou noutro papel na equipa de Dieter Braun, como mecânico ao lado do genial preparador Sepp Schlögl.

Dieter Braun no pódio

Dieter Braun, campeão mundial de 125 em 1970 em Suzuki e de 250 em 1973 em Yamaha, empregava a dupla de mecânicos Schlögl e Mang na temporada de 1971 por um total de 800 marcos por mês. (cerca de 40 Euros agora!)

Após a temporada de 1971, Mang retomou a sua carreira como piloto. “Em seguida, comprou uma moto. E ele sempre foi autorizado por mim a usar uma das nossas máquinas de corrida, eu sempre tive pelo menos três”, recorda Braun. “Mesmo que eu participasse em duas classes num fim de semana, ele normalmente podia usar a minha 250 ou 350.”

Enquanto hoje os maiores talentos já se tornaram campeões do mundo ou ganham vitórias em GP aos 16 anos, as carreiras de piloto na década de 1970 começavam mais tarde.

Aos 22 anos, Toni Mang ainda trabalhava como mecânico de GP. Apenas cinco anos depois, venceu a sua primeira prova do Campeonato do Mundo no Nürburgring em condições muito difíceis com uma Morbidelli 125, com quase 27 anos.

Quando Braun teve um grave acidente em Salzburgo em 1977, Toni Mang mais tarde tomou o seu lugar para desfrutar da cobiçada e rápida Kawasaki de fábrica para as classes de 250 e 350 cc. Estas motos exclusivas, que eram exemplarmente preparadas e afinadas por Sepp Schlögl, deram asas a Mang no Campeonato Mundial de 1978.

Mang numa grelha de 250 algures

Em 1971, Mang ainda completava uma variedade de tarefas na equipa Braun Racing. “O Toni às vezes lavava-me o cabelo e dava-me um novo corte de cabelo”, recorda Dieter Braun. “E foi sempre ele que limpou a caravana.”

O mais tarde campeão mundial de Inning am Ammersee até causou um conflito matrimonial entre Marlies e Dieter Braun. “A dada altura numa corrida, o Toni fez a minha mala para a viagem para casa, e como ele teve muito tempo antes, estava tudo tão limpo e arrumado que parecia suspeito para a minha Marlies. Não estava habituada a encontrar nada disso e pensou que tinha tido outra mulher comigo e fez uma cena. E o culpado tinha sido o Toni…”

Toni Mang iniciou a sua carreira internacional em 1971, mas não só. O material competitivo e vitorioso de Dieter Braun, com as afinações de Schlögl, revelou-se extremamente útil.

Além disso, Mang beneficiou muito da influência e persuasão do seu eloquente compatriota alemão. “Sempre apresentei o Toni como o grande novo talento alemão, especialmente entre os organizadores de corridas internacionais no estrangeiro, onde recebiam bom dinheiro para alinhar”, diz Dieter Braun.

É por isso que muitos organizadores nos Países Baixos, onde muitas corridas de velocidade bem frequentadas tiveram lugar na época, tiveram pena do jovem Toni Mang, cuja performance nem sempre correspondia às expectativas suscitadas por Braun.

“Uma vez cheguei à tenda da equipa numa Corrida Internacional na manhã de Domingo e notei um forte cheiro a álcool. Sepp e Toni tinham aparentemente bebido um pouco na noite anterior. Na corrida, o Toni caiu numa vala na primeira curva, e ficou a dormir a curar a ressaca! E depois tive de explicar ao organizador porque é que o suposto novo talento falhou”, é a descrição pictórica e provavelmente algo exagerada de Dieter Braun.

“Depois intervim e disse ao Toni: ‘Não é assim que fazemos as coisas a partir de hoje. Deixei claro que, se isto voltasse a acontecer, não o defenderia mais. Porque nestas corridas internacionais sempre pus como condição deixarem o meu mecânico Toni Mang correr e fazer-lhe uma oferta de prémio de alinhar.”

Mas não foram apenas as reprimendas do campeão mundial Dieter Braun que colocaram Toni Mang no caminho certo.

“O Toni conseguiu um parceiro resoluto, um farmacêutico de Inning”, recorda Braun. “Chamávamos-lhe todos ‘O General’. Parou com estas escapadelas e fez muita diferença. Comprou a Morbidelli 125 para o Toni, com quem ele teve os seus primeiros sucessos em GP e venceu a corrida de 125 dos campeonatos mundiais no Nürburgring em 1976, ainda que devido a circunstâncias especiais. Mas em condições tão adversas, tinha de chegar a primeiro…”

Nessa altura, Toni Mang dirigia o seu próprio estábulo de corridas, a que chamou “Immerfeicht Racing Team”.

O seu mentor Dieter Braun não se incomodou particularmente com este politicamente incorreto nome de equipa, pois desconhecia que “feicht” quer dizer “molhado” em dialecto bávaro, ou seja, o nome da equipa queria dizer “sempre bêbados”!

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x