MotoGP história: Alex Crivillé, o primeiro Espanhol

Por a 13 Abril 2020 16:00

Voltando à máxima de que cada piloto tem qualquer coisa de único que o distingue, a de Àlex Crivillé Tapias, nascido a 4 Março de 1970 em Barcelona é, sem dúvida, ter sido o primeiro espanhol Campeão do Mundo de 500.

Os espanhóis sempre foram um grande país fabricante de duas rodas e apaixonados pela competição. Porém, tal como em Portugal, eram também um país pobre e a maioria das corridas eram disputadas nas ruas com micro-cilindradas, 50 ou 125cc. Assim, toda a primeira geração de Campeões, a começar por Angel Nieto, eram especialistas das classes mais pequenas.

Ferozmente facciosos, quer a imprensa, quer os fans, prestavam pouca atenção à “classe rainha”, sendo vulgar depois de um Grande Prémio, a imprensa correr extensas reportagens com o relato curva a curva da corrida de Nieto nas 50 e rematar depois no fim “houve também uma corrida de 500, ganhou Barry Sheene”.

Assim, quando os primeiros espanhóis se aventuraram na classe rainha, nomes como Sito Pons ou Alberto Puig, era tudo muito caro, muito difícil e fora do âmbito da sua experiência… até Crivillé estar na equipa certa, no lugar certo!

Crivillé iniciou a sua carreira internacional em 1987 na agora extinta classe de 80cc com a equipa Dérbi. Na sua corrida de estreia na classe, em Espanha, impressionou de imediato ao qualificar em terceiro lugar no sábado e obter o segundo lugar, bem como a volta mais rápida, no domingo. Participou então em mais duas provas, as rondas holandesas e portuguesas, onde se qualificou em quinto e segundo, mas retirou-se de ambas.

 

Crivillé terminou no 11.º lugar do campeonato, com 12 pontos, 117 pontos, atrás do campeão Jorge Martínez e a 74 pontos do segundo classificado, Manuel Herreros.

Em 1988, Crivillé continuou a impressionar. No grande prémio de Espanha, terminou em terceiro duas vezes consecutivas, tendo a volta mais rápida da primeira corrida. Na ronda das Nações, terminou mesmo fora do pódio, em quarto, mas conseguiu o segundo lugar na Alemanha. Na Holanda, retirou-se, mas terminou em alta, ao ocupar mais dois pódios na Jugoslávia e na Checoslováquia.

Assim, Crivillé terminou em segundo no campeonato com 90 pontos, 47 pontos atrás do campeão Jorge Martínez.

Além das 80cc, Crivillé também correu na classe de 125cc, predominantemente em corridas onde não correram as 80cc. No GP da Bélgica, retirou-se. Na ronda britânica, somou os primeiros pontos ao terminar no nono lugar, mas não conseguiu marcar mais pontos quando se retirou da corrida sueca e só terminou em 17.º no Grande Prémio da Checoslováquia.

Para a temporada de 1989, Crivillé mudou-se para a equipa JJ Cobas do engenheiro e construtor de Grande Prémio Antonio Cobas.

Estreia no Mundial na Derbi 80

A equipa optou por saltar a ronda inaugural no Japão, mas Crivillé conseguiu vitórias consecutivas na Austrália e Espanha, marcando o seu primeiro pódio na segunda. Retirou-se no GP das Nações, mas fez a volta mais rápida.

Seguiu-se mais uma vitória na quinta ronda, na Alemanha, com um terceiro lugar (e a volta mais rápida) na Áustria e um segundo lugar na Holanda.

Seguiu-se mais um abandono no GP da Bélgica, mas Crivillé respondeu com dois segundos lugares consecutivos em França e Grã-Bretanha e duas poles nas duas últimas corridas na Suécia e na Checoslováquia, que acabou por vencer.

Nesse ano de 1989, Crivillé conquistou o seu primeiro e único título de 125 com Spaan segundo e Ezio Gianola terceiro.

Em 1990, subiu à classe de 250 cc para correr pela equipa de Giacomo Agostini, mas faltou à ronda inaugural no Japão pelo segundo ano consecutivo e iniciou o seu ano com uma desistência nos Estados Unidos. Na ronda seguinte, em Espanha, terminou em sétimo lugar, antes de registar mais um abandono na corrida das Nações. Terminou em 11º lugar na Alemanha, mas não acabou na Áustria.

Terminou na sétima posição na Jugoslávia, mas não pontuou nas rondas holandesas e belgas. Mesmo assim, Crivillé terminou a temporada em alta, ao marcar uma onda de pontos nas rondas finais – oitavo em França e Grã-Bretanha, nono na Suécia, sétimo na Checoslováquia, o seu melhor resultado da temporada em quinto lugar na Hungria e sexto na Austrália e terminou no 11.º lugar do campeonato, com 76 pontos.

Depois de uma temporada sem brilho na Yamaha em 1990, Crivillé voltou à equipa de JJ Cobas em 1991.

A JJ Cobas em que Crivillé conquistou o seu primeiro campeonato mundial na classe 125cc em 1989.

Não começou bem a temporada, retirando-se duas vezes no Japão e na Austrália. Só na terceira ronda, nos Estados Unidos, é que Crivillé conseguiu os seus primeiros pontos com um oitavo lugar. Seguiram-se mais dois abandonos em Espanha e Itália, mas sétimo e nono lugares na Alemanha e na Áustria.

As retiradas consecutivas seguiram-se mais uma vez nas rondas europeias e holandesa. Em França, Crivillé terminou em sétimo, mais duas retiradas marcaram mais uma vez a Grã-Bretanha e São Marino. Obteve o seu melhor resultado da temporada no Grande Prémio da Checoslováquia, retirou-se novamente na ronda de Le Mans – a sua nona desistência do ano – e terminou em sexto na última ronda na Malásia.

Com isto, Crivillé terminou em 13º lugar no campeonato e nunca conseguiu terminar uma corrida no pódio ou vencer nos seus dois anos na classe de 250cc.

Crivillé subiu à classe 500cc depois de duas temporadas nas 250cc em que lutou com dificuldades, juntando-se à recém-formada equipa Pons Racing para a temporada de 1992.

Aqui, tudo começou a correr melhor… Inicialmente retirou-se na ronda inaugural no Japão, mas conseguiu os primeiros pontos na segunda corrida na Austrália com um sétimo lugar. Apenas na sua terceira corrida na classe, conquistou o seu primeiro pódio no Grande Prémio da Malásia, atrás de Mick Doohan e Wayne Rainey.

Na Honda Campsa em Assen à frente de Kocinsky e Gardner

Na corrida seguinte, em Espanha, registou a sua primeira desistência, mas somou mais pontos ao terminar em oitavo lugar em Itália. Seguiu-se outra desistência na Europa, mas Crivillé terminou fora do pódio, em quarto, depois de ter lutado com Wayne Gardner para o terceiro lugar da ronda alemã.

No GP da Holanda, Crivillé fez história ao vencer a corrida, tornando-se o primeiro espanhol a vencer uma corrida na classe 500cc. Depois de uma batalha com John Kocinski e Alex Barros nas últimas voltas, Crivillé conseguiu manter-se na frente e cruzar a linha 0,762 segundos à frente de John Kocinski.

Depois da vitória em Assen, o seu ponto baixo chegou na ronda seguinte, na Hungria. Crivillé foi desclassificado porque parou para trocar de moto numa pista a secar, algo que não era permitido na altura. Seguiram-se mais duas eliminações nas rondas francesa e britânica, com um sexto e sétimo lugares no Brasil e na África do Sul, respetivamente.

Crivillé terminou em oitavo lugar no campeonato, com 59 pontos, 81 pontos atrás do campeão Wayne Rainey e 77 pontos atrás do segundo classificado Mick Doohan.

Em 1993, Crivillé ficou com a equipa Honda Pons e nas três primeiras corridas da temporada – as rondas australianas, malaias e japonesas – terminou em sexto e quinto. Na quarta ronda em Espanha, subiu ao primeiro pódio da temporada, com um terceiro lugar.

A sua primeira desistência da temporada foi na Áustria, seguida de um quarto lugar na Alemanha e de um segundo lugar no pódio na Holanda, o mesmo local onde vencera a sua primeira corrida um ano antes.

Seguiram-se três retiradas consecutivas após o terceiro lugar em Assen, nas rondas Europeias, São Marino e Britânica. As últimas provas foram mais positivas, com Crivillé a terminar em oitavo lugar na Checa, em sexto em Itália, em sétimo nos Estados Unidos e em quarto na última corrida da temporada, a ronda da FIM em Jarama.

Crivillé terminou em oitavo lugar no campeonato, com 117 pontos, 131 pontos atrás do campeão Kevin Schwantz e 97 pontos atrás do segundo classificado, Wayne Rainey.

Para a temporada de 1994, Crivillé mudou-se para a equipa oficial da Honda, pilotando ao lado de Mick Doohan e Shinichi Itoh. Com isso, tornou-se no primeiro piloto espanhol a andar para a equipa de fábrica da Honda e começou bem a temporada com uma série de pontos nas rondas iniciais – sexto na Austrália, oitavo na Malásia, sétimo no Japão e quinto em Espanha. No entanto, ficou na sombra de Doohan, que já tinha vencido duas corridas e mais um segundo lugar.

Na quinta ronda da temporada na Áustria, Crivillé conseguiu o seu primeiro pódio da temporada na forma de um terceiro lugar. Na ronda alemã, terminou em quarto lugar, mas subiu ao terceiro lugar do pódio de novo na Holanda.

A sua primeira desistência chegou na Itália, mas conquistou o seu terceiro e último pódio do ano no GP de França. Outros pontos surgiram nas duas rondas seguintes na Grã-Bretanha e na República Checa, sob a forma de sexto e quarto lugar. Não insistiu no Grande Prémio dos Estados Unidos devido a uma lesão na mão que sofreu durante os treinos. Nas duas últimas rondas – as rondas argentinas e europeias – terminou em sétimo e quarto.

Crivillé terminou em sexto lugar no campeonato, com 144 pontos, 173 pontos atrás do campeão e companheiro de equipa Mick Doohan e 30 pontos atrás do segundo classificado Luca Cadalora.

(continua)

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x