MotoGP de volta à ação em Brno

Por a 29 Julho 2019 15:00

Marc Márquez (Honda Repsol) tem 58 pontos da vantagem, venceu mais de metade das corridas até agora e não dá sinais de fraquejar desde que caiu a liderar no Circuito das Américas. Mas isto é o MotoGP e o rumo das corridas raramente corre de acordo com o plano, com Brno a seguir – o circuito que terminou a sua corrida omnipotente para o título em 2014 – e ainda há um máximo de 250 pontos em jogo nas restantes dez corridas. Poderão os rivais redefinir, recuperar e começar a dar luta ao número 93?

O adversário mais próximo continua a ser Andrea Dovizioso (Ducati Team), apesar de algumas corridas mais difíceis para o italiano, e a boa notícia é que ele venceu na República Checa no ano passado, uma vitória em grande estilo.

Por isso, esta é uma boa pista para começar o seu ataque à segunda metade da temporada, com confiança e boas memórias, não deixando nada ao acaso quando a glória ou a derrota podem estar a milésimos de distância.

Mas o companheiro de equipa de Dovizioso, Danilo Petrucci, está agora a apenas seis pontos de diferença, e poderá complicar-lhe a vida. E “Petrux” sabe que a moto em que ele está agora fez um 1-2 em Brno no ano passado.

Será que irá repetir a façanha em 2019? E se sim, em que ordem?

Alex Rins (Suzuki Ecstar), por sua vez, é o homem que procura um pouco mais, depois de duas quedas seguidas, ambas de perto da frente.

O homem da Suzuki entrou no verão de pé de atrás apesar de mostrar velocidade séria em ambas as provas. Ele está agora a 84 pontos de Marquez e em 4º no Campeonato, mas corre com muito menos pressão. Ele simplesmente quer ganhar corridas e pontuar o máximo possível nas dez corridas restantes e, como já ganhou em MotoGP, porque não de novo?

Isso também é verdade para Maverick Viñales (Yamaha Monster Energy) e para o nove vezes campeão do mundo, Valentino Rossi, embora eles cheguem ao segundo semestre de 2019 com resultados recentes muito diferentes. Viñales abriu o rol de vitórias em Assen e seguiu-o com um pódio, indo para o intervalo de verão como uma séria ameaça.

Para Rossi, é o oposto – com três quedas a preceder um modesto oitavo lugar na Alemanha, o “Doctor” precisa de recuperar e dar a volta por cima.

Mas o seu currículo em Brno é bom, com vitória em todas as categorias – incluindo cinco na categoria rainha.

Depois, há a luta pelo melhor piloto independente. Jack Miller (Ducati Pramac) lidera atualmente em virtude da sua consistência e do impressionante pódio no início do ano, mas está apenas três pontos à frente do rookie sensação Fabio Quartararo (Yamaha SRT Petronas).

O francês é outro à procura de recuperar em Brno, mas apenas por um erro na Alemanha – incrivelmente, a sua primeira queda em MotoGP – e volta mais recuperado da cirurgia ao braço que, no entanto, não o impediu de subir ao pódio.

Em plena pujança, Quartararo irá, sem dúvida, incomodar o pelotão por mais do que o lugar de melhor piloto independente ou de Rookie of the Year em Brno.

A luta ao longo dos dez primeiros tem sido apertada este ano e pilotos como Pol Espargaró (KTM Red Bull), Takaaki Nakagami (Honda LCR Idemitsu), Franco Morbidelli (Yamaha SRT Petronas), Peco Bagnaia (Ducati Pramac), Joan Mir (Suzuki Ecstar) ou Miguel Oliveira (KTM Tech3) tentarão todos ser presenças-chave na batalha.

E o que dizer das melhorias de Aleix Espargaró (Aprilia Gresini) e do companheiro de equipa Andrea Iannone? Depois, há Stefan Bradl, piloto de testes da Honda, que substitui Jorge Lorenzo na Repsol. O alemão vem cheio de ritmo das 8H de Suzuka e poderá lutar por bons pontos.

Quando entramos em Brno pela 50ª vez, há muita gente na grelha em busca da glória … com tudo longe de estar decidido.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png