MotoGP, Austrália: O pódio comenta

Por a 27 Outubro 2019 11:48

Marc Márquez, Honda Repsol, Vencedor

“A diferença no ritmo antes da corrida era maior, mas é um circuito em que o cone de ar é mais fácil de preencher e ajuda mais. Portanto com a aerodinâmica eu tive uma ajuda maior ”

“Eu usei o  cone de ar dele porque era minha única hipótese, porque ele era mais rápido que eu, mas às vezes o mais rápido não vence a corrida e foi o caso.”

“Às vezes é a única chance na última batalha. Hoje, o mais rápido em pista era o Maverick, mas eu sabia antes da corrida que era crucial estar lá nas primeiras cinco ou seis voltas, quando ele se esforçou muito, ele fez 1:29s baixos e esse foi o meu tempo de treino de qualificação, mas eu consegui acompanhá-lo no meu limite.”

“Continuei, continuei a puxar e comecei a imaginar lentamente a vitória analisando, verificando como estavam os pneus e, mesmo assim, não havia 100% de certeza, pois ele estava muito, muito rápido.”

“Na última volta, o meu plano era ultrapassá-lo na reta principal e tentar fechar todas as portas”, explicou. “Eu estava tentando travar a fundo e deslizava muito de traseira porque o pneu estava acabado.

“Na curva 10, ele já me tinha ultrapassado duas vezes, e eu sabia que ele viria, então eu fui a fundo com uma travagem bastante forte.

“Eu não sabia que ele tinha caído, mas teria uma segunda chance, acho que antes da linha de chegada eu seria capaz de ultrapassá-lo também”.

“Hoje eu sabia que a diferença era muito grande para Viñales antes da corrida”, “Emilio [Alzamora, manager de Márquez] disse para ter cuidado nesta pista de corrida, pois é bastante rápida e é fácil cair.

“Mas então o Alberto [Puig, gestor da Repsol Honda] veio e disse que precisas de tentar, precisas de tentar! Eu disse que tudo bem, nós encontramos o equilíbrio. Emilio ou Alberto!

“Com Santi, escolhemos a opção traseira Macio para seguir o Maverick, não sabíamos a opção dele, mas eu queria a opção Macio para poder segui-lo e depois sobreviver no final da corrida.”

“Se eu não o seguisse nessas voltas, teria ficado com Cal [Crutchlow] e os outros.”

Cal Crutchlow, Honda LCR Castrol, segundo a 11,413s:

“Ia celebrar, mas como não bebo, com um golo fico logo pedrado…é ótimo estar de volta ao pódio depois do que aconteceu aqui o ano passado…

Conseguir liderar a corrida, quando eu sabia que o meu ritmo não era fantástico porque escolhi um traseiro duro que foi provavelmente uma má decisão porque passei a corrida a tentar poupá-lo e estava à mesma estraçanado no final…”

“Por isso o Maverick e o Alex tinham melhor andamento, conseguiram afastar-se e eu deixei-os ir, e fiquei a controlar o Miller atrás de mim…”

“Sabia que podia gerir até ao fim da corrida e estava contente com o último degrau do pódio…”

Precisamos de encontrar um bocadinho mas para estar lá a lutar na frente mas nunca tive uma afinação ideal este fim-de-semana, embora a equipa tenha feito um grande trabalho, nunca me senti mesmo, mesmo, confortável na moto…”

“Foi azar no fim a queda do Maverick, tive pena de o ver cair, porque ele fez uma corrida fantástica, podia ver que ele estava à frente a maior parte da corrida e estava a gozar a corrida da minha posição um bocadinho atrás…”

“É ótimo estar no pódio com o Marc e o meu grande amigo Jack não deve estar na Malásia a seguir, porque com a festa de arromba com os amigos dele esta noite, nem lá vai chegar…!”  

 

É bom ainda estar aqui, como disse, depois do acidente do ano passado, que me assombra há um ano ”,

 “Hoje esteve aqui o cirurgião que fez a operação, foi ótimo vê-lo e agradecer-lhe mais uma vez, porque ele salvou a minha carreira.

Toda a equipa da LCR Castrol Honda merece este pódio hoje., mas posso esperar pela Malásia porque estou fora há 3 semanas e quero ver a Lucy e a Willow, (mulher e filha) ainda faltam 10 dias…”

Jack Miller, Ducati Pramac, terceiro a 14,499s:

“Quando cheguei à curva 9, e vi poeira o meu ritmo cardíaco provavelmente aumentou algumas 50 batidas por segundo!

“Eu estava a pensar, tipo, ah, agora estou em terceiro , boa, um pódio em casa…”,

“Por dentro, por dentro, por dentro e enquanto eu entrei nas duas últimas curvas, estava a dar o máximo para garantir que ninguém ia passar por mim na reta da frente.

“Nunca se quer ver alguém cair, especialmente assim, a umas curva do final, mas é o que é…”

“Sentei-me na moto mentalizado para ir subindo passo a passo”

“O Valentino deu um salto no começo e teve um grande avanço e pensei que ele estava muito motivado, mas depois comecei a apanhá-lo, as Aprilias e o Rins voltaram à carga e passaram-me na curva 2, avançaram por cerca de 10 voltas e depois começaram a diminuir o ritmo.”

“Eu tinha o Dovi à minha frente e pensei que seria possível navegar até ao final, mas a 10 voltas do fim, o Pecco (Bagnaia) passou e estava em fogo.”

“Foi, digamos, uma motivação extra para mim, porque como meu companheiro de equipa, o jovem rookie companheiro de equipa, aqui em Phillip Island, pensei que ele se iria esgotar em cerca de três voltas, mas ficou na frente e começou a aumentar o ritmo, mas finalmente fui capaz de passar por ele e pelo Dovi… ”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x