MotoGP, Austrália: Honda a Zarco: “Não há ilusões sobre o futuro – corra e divirta-se”

Por a 28 Outubro 2019 17:00

Johann Zarco revela que as instruções dos chefes da Honda antes do Grande Prémio da Austrália eram para “correr e se divertir”mas descreve 26 segundos de diferença para o vencedor da corrida Marc Márquez como “demais”.

O francês fez uma boa exibição em Phillip Island no Domingo, terminando em 13º, 26 segundos atrás do vencedor da corrida, que segundo ele foi “ótima”, mas a diferença para o colega da Honda Marc Márquez “demais”.

Tanto que Zarco disse que mais tarde pediu desculpas ao chefe de equipa da Honda Repsol, Alberto Puig, por ficar tão atrasado. Mas, de acordo com o francês, Puig assegurou-lhe que estava “bastante satisfeito” com o seu desempenho.

“Estou agradecido por esta oportunidade antes de tudo”, disse Zarco. “A Honda disse-me para não ter ilusões sobre o futuro, fazer a corrida e aproveitar. Eu estou a ver opções para o meu futuro com outras equipas na Moto2. Porque não?”

“Mas eu disse ao Alberto que lamento que os dois primeiros sejam Honda e eu estou numa Honda, mas fiquei na parte de trás da classificação. Então pedi desculpa. Mas ele disse que não, não se preocupe, a Malásia será diferente.”

“E como eu disse, é verdade que aqui eu tive que reaprender tantas coisas que seria fácil demais se eu pudesse lutar com o Cal [Crutchlow] na primeira corrida. Então, obrigado a ele, porque por mim sinto que não é super bom, e se eles estão bastante satisfeitos com o trabalho, é positivo para mim.”

Inevitavelmente, Zarco foi questionado sobre Jorge Lorenzo e se terminar 39 segundos à frente do maiorquino lhe dava satisfação. “Não, você precisa ter algum ego [para sentir isso]”, disse ele.

Embora não fosse o último Honda na classificação “importante” para ele, ele estava mais concentrado na diferença para Márquez e Crutchlow à frente.

“Sim, é importante estar na frente do Jorge, mas para mim, o mais importante é ter menos atraso para o Marc. E se eu apenas verificar Marc, OK, ele deu 11 segundos no segundo, mas comparado com o Cal, eu já tenho um pouco menos de atraso.”

“Mas para mim, 26 segundos no final da corrida são demais. E acho que ficaria mais satisfeito se tivesse 16 segundos com esse grupo do quinto ao décimo. Mas também entendemos por que não pude alcançar esse grupo.”

“Não sou a pior Honda, mas como sinto, com todas as decisões que tomei no verão, não é para ter uma moto melhor e permanecer na mesma posição. É para dar um passo em frente. É verdade que eu nunca andei com o Pol [Espargaró] o ano todo, por isso hoje foi melhor, porque fiz a corrida, tinha sido possível batê-lo, mas ele fez um ótimo trabalho. Então as coisas estão a chegar”

Sobre a corrida, que viu Zarco lutar na décima segunda posição nas voltas finais com, ironicamente, a KTM de Espargaró, continuou: “A equipa também está muito feliz. Eu pude ter um bom espírito de luta e tentar o melhor, e a coisa boa é que estava com uma boa sensação na moto.”

“Não tive más sensações, a sensação permaneceu muito constante desde o início até o fim da corrida, mas em aceleração foi difícil controlar a direção. Talvez eu tenha gasto muito o pneu ou não, porque o Marc ganhou com um macio, o que significa que o macio era um bom pneu.”

“Foi irónico lutar com o Pol, a única KTM restante, na minha primeira corrida com a Honda, e foi com o Pol que eu lutei. Mas rimo-nos no final da corrida, porque eu achei que tinha a possibilidade de ir mais rápido, mas ele disse: ‘não, não, fica para trás, pelo menos por uma corrida!’

“[Esta é uma] pista enorme, tão rápida. Como Marc disse na entrevista coletiva na quinta-feira, é preciso ter confiança e se não se tiver, é melhor não tentar.”

“E eu tive que reaprender tudo a 185 km/h, lutar com os outros, manter o ritmo, fazer as 27 voltas e ter confiança nas curvas. Fiz um bom trabalho, é normal estar descontente, mas pensando de onde venho, posso apreciar o resultado hoje.”

Sobre a confiança para levar a RC213V de 2018 ao limite: “Certamente estava no meu limite para a corrida, mas talvez não no limite certo da moto”.

“E o que eu melhorei de sexta até agora foi a fazer voltas. Porque na sexta-feira eu entendi que podia melhorar em curva, que estava a fazer três ou quatro voltas, e descansar uma volta, puxar novamente uma volta, descansar uma volta.”

“E agora fiz 27 voltas focadas, lutando sempre, porque com o Pol tivemos que lutar. E é verdade que com o Pol no começo o ritmo estava bom e estávamos rápidos.”

“Era possível ir ainda mais rápido e ficar com o [Francesco] Bagnaia, [Franco] Morbidelli e [Joan] Mir. Como estávamos em luta, perdemos tempo, mas o foco estava lá e eu fiz todas as voltas corretamente, e não tive aquela sensação de estar exausto e de ter que desistir.”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x