MotoGP, Aragón: Beirer da KTM: “O Johann exaltava-se…”

Por a 21 Setembro 2019 11:45

Pit Beirer, diretor da KTM Motorsport, abriu-se sobre as razões por trás da mudança fracassada de Johann Zarco para a KTM, afirmando que o temperamento do francês era um fator e que o bicampeão mundial de Moto2 “não conseguiu controlar as suas emoções”.

Dias após a revelação chocante de que a KTM tinha dispensando os serviços de Zarco com efeito imediato, Beirer falou aos meios de comunicação no Grande Prémio de Aragão da experiência dos últimos dez meses.

A certa altura, o alemão confirmou que os comentários de Zarco após o Grande Prémio de Misano – um fim de semana em que ele conseguiu o seu melhor resultado na qualificação em tempo seco – selaram o seu destino.

Mas, acima de tudo, foi o temperamento do francês que foi um problema, e que acabou inibindo a sua capacidade de fornecer uma direção de desenvolvimento adequada. “Emocionalmente, ele exaltava-se demais para dar uma direção clara, se necessário”, disse Beirer.

“E não estou a falar do que ele criticou na moto [em Jerez, dando uma avaliação explícita das deficiências do RC16 em direto]. Aí tudo bem, mas ele enervava-se muito quando as coisas não estavam fáceis.”

“Era isso que ele estava sempre procurando, a maneira de andar fácil, que não estava lá. Ele foi agressivo. Para ter sucesso a este nível, é claro que é preciso ser emocional e forte no momento, mas também é precisa acalmar e analisar a situação. Nisso ele era muito exaltado.”

“Quando se estava fora da boxe com ele à conversa, tudo estava calmo e [ele dizia]: ‘Eu entendo, tens razão, estamos a fazer isto e aquilo’ Mas depois ia para a moto e…”

“Mesmo no último sábado em Misano, quando as coisas correram bem, ele não conseguiu ver o lado positivo. Ainda estava a reclamar das mesmas coisas. Emocionalmente, ficava exaltado demais para dar uma direção clara à equipa, se necessário. Para ele, talvez seja melhor fazer isto numa moto pronta a andar. ”

Então os comentários de Misano foram a gota de água? “Para ser sincero, sim“, disse Beirer. “Estamos realmente contentes e orgulhosos dos passos que pudemos dar nas últimas semanas. Pudemos ver que isso também o ajudou. Aquele sábado em Misano para mim foi excelente.”

“Então, o que ele fez no Q2, nem tinha pneus novos, foi com pneus usados, de modo que, durante a volta da Q1 para passar à Q2, vimos o lado incrível do Johann e o que ele pode fazer numa moto.”

“Mesmo assim, tivemos um fim de semana de corridas incrível e ficamos a saber na segunda-feira de que estamos de volta ao ponto de partida. Foi quando eu definitivamente perdi a esperança de que poderíamos mudar isso.”

“Mas depois, em vez de usar isso como um sinal positivo, como ponto de partida para construir tudo novamente, estávamos a desistir outra vez na segunda-feira”.

Questionado se substituir Zarco pela piloto de testes Mika Kallio visava resgatar o moral do lado do francês na garagem, Beirer foi claro.

“Absolutamente. Sou responsável por todo o projeto. Perceber que as coisas estão a começar a dar certo, mas 50% do projeto era deprimente, porque todos se esforçavam bastante e terminavam sempre no mesmo ponto. Há um momento em que precisamos de decidir olhar em frente, ou estamos sempre a olhar para trás?”

“Era um sinal necessário para a equipa permanecer positiva e continuar a trabalhar. Não estamos com o Mika agora para obter resultados muito melhores, mas apenas para trabalhar de novo de uma maneira mais positiva e usar os resultados de hoje para melhorar para amanhã.”

Ainda assim, Beirer estava arrependido de que a mudança não tivesse dado certo. “Quero sublinhar que para nós é um momento triste, desistir de um projeto quando, com o Johann, que foi bem-sucedido no MotoGP, o podíamos ter elevado a outro nível, com o Pol [Espargaró].”

“Pensámos que eles se pudessem pressionar mutuamente. Mas é claro que não é segredo que ele lutou com dificuldades desde o primeiro dia, quando passou a perna sobre a moto em Valência. Foi uma surpresa que foi imediatamente difícil para ele, não estar ao nível do Pol.”

“Ele teve que começar por baixo e, desde o primeiro momento, tivemos acidentes quando o Johann começou a forçar. Em geral, acabou por ser um alívio sair desta maneira. Não posso salientar demais que Johann como pessoa é espetacular, é um rapaz forte, um personagem especial. É triste não conseguirmos ter sucesso. Esse era o nosso alvo.”

“Definitivamente, não estou feliz por nunca termos podido dar-lhe a moto que ele queria para andar bem. Mas ele também não pôde dar o passo para ajudar a moto num momento em que ela ainda não está no topo. Conhecemos a realidade. Vamos esperar que possamos levar o nosso projeto adiante. Toda a nossa empresa deseja que Johann tenha um grande futuro neste Campeonato.”

“Espero sinceramente que ele encontre um lugar, uma equipa para voltar. Também foi bom que ele, quando tivemos essa conversa no início da semana, veio aqui para acabar com a equipa de uma maneira realmente humana, fantástica, passou e disse adeus a todos. Hoje podíamos apertar as mãos. É uma história com um final triste para nós.”

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png