MOTOGP, ANDALUZIA: A Ducati de Bagnaia anda mais que a de Dovizioso?

Por a 28 Julho 2020 14:30

Enquanto os pilotos de fábrica da Ducati, Andrea Dovizioso e Danilo Petrucci, lutaram com imensas dificuldades no GP da Andaluzia, o piloto da Pramac, Pecco Bagnaia, mostrou o seu melhor desempenho no MotoGP até à data, e quase foi recompensado com o segundo lugar.

Francesco “Pecco” Bagnaia partiu da primeira linha da grelha pela primeira vez na sua carreira de MotoGP no domingo e também impressionou na corrida antes de ser derrotado pelo motor da sua Ducati Pramac a caminho do segundo lugar, seis voltas antes do final.

Em comparação, o piloto de fábrica Andrea Dovizioso era 14º na grelha, depois de dez das 25 voltas subiu ao nono lugar e acabou por cruzar a meta em sexto, depois das falhas de Miller, Morbidelli e Bagnaia. Danilo Petrucci terminou a prova na gravilha após 11 voltas.

Bagnaia conduziu a um ritmo muito bom, o melhor mesmo dos pilotos da Ducati, admitiu Dovi após o GP da Andaluzia.

“Há uma razão para isso. Vamos verificar os dados, como todos fazem, porque no MotoGP de hoje todos podem ver e estudar os dados de todos os seus colegas de marca.

“O Pecco conduz de uma forma melhor, porque usa o travão traseiro de forma diferente e derrapa de forma diferente. Vamos certamente analisar isso, como já fizemos”, disse o piloto de 34 anos.

Sobre o segundo piloto do Pramac, que também estava à frente dos pilotos da fábrica da Ducati até cair, o italiano acrescentou: “O Jack também estava lá, mas acho que estava mesmo no limite, o que pode ter sido a razão porque caiu. Mas, claro, há certamente muitas coisas interessantes para analisar até Brno”, disse o vice-campeão de MotoGP dos últimos três anos.

“Bagnaia era muito mais rápido do que nós”, confirmou o seu companheiro de equipa Petrucci. “Temos de lutar pelo pódio, como ele fez”, disse o vencedor de 2019 como um alvo para o resto da temporada. Mas o que terá Pecco feito melhor para ser mais rápido do que os pilotos de fábrica na GP20?

“Ele anda muito solto. Isto é algo que nem eu nem Andrea conseguimos”, explicou “Petrux”.

O que tem Pecco a dizer sobre isto? “O ano passado, um dos meus problemas foi a fase de travagem. Trabalhei muito para ser forte nos travões. Na primeira corrida fui forte, mas derrapava demasiado. Este fim de semana trabalhámos bem e consegui parar bem a moto na primeira parte da fase de travagem. Além disso, tento evitar derrapar com a roda traseira em aceleração”, explicou o campeão do mundo de Moto2 de 2018.

O discípulo de Rossi de 23 anos estava surpreendido por ser a Ducati mais forte da corrida?

“Não sei”, disse o homem da Pramac. “Tudo foi mais fácil para mim este fim de semana do que há uma semana, porque estamos a trabalhar mais no ritmo. Vi que os outros pilotos da Ducati estavam em dificuldades, por isso não me surpreendeu ser mais forte na corrida. Mas este fim de semana certamente ajudará os outros condutores da Ducati também. Acredito que Dovi, Petrux e Jack também podem ser rápidos em Brno.”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x