MotoGP: Aletas e Quilhas ficam em 2020, mas sob regras mais rigorosas

Por a 9 Setembro 2019 16:00

Os spoilers do braço oscilante, apelidados de “colheres” ou “quilhas ”, que provocaram controvérsia entre fabricantes no Qatar logo no começo deste ano ainda serão legais, no entanto, os dispositivos – além de outras áreas da moto com ‘efeito aerodinâmico’ – estão agora sujeitos a regras que permitem apenas uma atualização de design por temporada.

Todas as carenagens atuais e acessórios de aletas integrados também permanecerão legais, mas com limites muito mais claros de tamanho e forma para atuar como um “teto” para desenvolvimento futuro.

“Acreditamos que uma vez que se tenha uma boa base com os regulamentos técnicos, a estabilidade compensa em termos de controle de custos e diminui a brecha técnica entre as equipas”, disse o diretor de tecnologia do MotoGP, Corrado Cecchinelli, ele próprio um ex-engenheiro da Ducati Corse.

Mas no caso da aerodinâmica, não havia escolha a não ser agir: “Só fizemos algo porque tínhamos um problema a resolver”.

O MotoGP proibiu o uso de asas ‘protuberantes’ normais por motivos de segurança no início de 2018, mas deu luz verde aos dispositivos de aletas ‘integrados’, ou seja, onde não há aletas contundentes que pudessem lesionar outro piloto.

Os regulamentos deliberadamente mínimos baseiam-se no facto de o diretor técnico Danny Aldridge ter a palavra final sobre o que é permitido, o que geralmente significa um processo de design alternativo entre Aldridge e um fabricante até que um acordo seja alcançado.

Ajudados por uma lista cada vez maior de diretrizes da Aldridge, além do uso de um gabarito de metal para verificar as principais medidas, a maioria dos fabricantes optou agora por variações semelhantes de aletas ocas ou acessórios de asas tipo caixa na lateral ou na frente das carenagens.

Mas desenvolvimentos inesperados na outra extremidade da moto causaram mais controvérsia, com quatro fabricantes (Honda, Suzuki, KTM e Aprilia) a protestar contra o uso da Ducati de um ‘refrigerador de pneu ‘ montado no braço oscilante à laia de spoiler invertido no Qatar. A Yamaha, que inspirou o design da Ducati ao criar um ‘defletor de chuva’ anterior na mesma área, não protestou.

O argumento do dispositivo de braço oscilante foi levado ao Tribunal de Apelação de MotoGP, que confirmou a sua legalidade, mas o caso sublinhou a necessidade de regulamentos aerodinâmicos mais detalhados para 2020.

“Basicamente, tivemos um problema de interpretação na área limítrofe do regulamento e, portanto, tivemos que agir para clarificar essa área cinzenta”, disse Cecchinelli.

“Espero poder falar pelos fabricantes quando digo que todos estão contentes com as medidas que tomámos, porque será mais claro para todos”.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png