MotoGP, 2020: Poncharal confiante

Por a 7 Maio 2020 15:00

O Presidente da IRTA e Team Manager da Tech 3 debruça-se sobre a actual situação da MotoGP no meio da Covid-19, e possibilidades futuras.

O Team Manager da Red Bull KTM Tech 3 e presidente da IRTA, Herve Poncharal, falou em detalhe sobre como o surto de Covid-19 afetou o seu trabalho como chefe de equipa e presidente da IRTA, bem como os seus pensamentos sobre o regresso das corridas de MotoGP.

Como é que passou por esta situação até agora?

“É uma situação excecional. Ninguém estava preparado para este tipo de coisas. Especialmente desde que caiu sobre nós completamente inesperadamente. No Qatar, estávamos na companhia de Carmelo Ezpeleta (CEO da Dorna Sports) e Jorge Viegas (Presidente da FIM), a ver o que se estava a passar. Todos pensavam que duraria algumas semanas… E quando voltámos do Qatar, tudo acelerou. O que vimos na China aconteceu-nos numa questão de semanas. Foi difícil para todos, porque a essência da nossa atividade é viajar: voltamos de uma corrida, desfazemos as malas, fazemos algumas coisas e depois começamos outro teste. Até o inverno está ocupado, entre patrocinadores, negociações, pilotos e até a preparação para a próxima temporada. Nunca paramos!

“Sendo assim, entre quatro paredes, sem qualquer ponto de partida, é difícil. Sabemos que não será fácil encontrar uma vida “normal”, devido à nossa atividade muito específica baseada nas viagens, especialmente de avião, com todas as nacionalidades dentro do paddock e a multiplicidade de fronteiras a atravessar. O que quer que se possa imaginar para encontrar soluções, hoje não temos todas as cartas na mão. O nosso motor está bem ajustado, diria mesmo que funciona perfeitamente, mas a corrente está partida e não estamos a avançar. O que quer que façamos, dependemos da evolução da epidemia e das decisões tomadas pelas autoridades.”

Parece que reina um clima de otimismo sobre o recomeço do Campeonato do Mundo?

“Há cerca de 10 dias, se me tivessem perguntado se podíamos correr em Julho, teria respondido que eras um sonho. Hoje, é algo que já não é impossível. Estudámos diferentes cenários, mesmo um de uma temporada em branco, que sempre tínhamos visto como algo inimaginável. No auge da epidemia, certamente pensámos nisso… E depois, como muitas vezes, quando se bate no fundo, voltamos a subir. Longe de mim exagerar o otimismo, mas hoje vemos que a contenção valeu a pena, embora a situação ainda esteja longe de ser clara.

“Vemos que as pessoas estão mais construtivas, mais serenas e prestam muito mais atenção. Já tínhamos implementado barreiras no Qatar, com gel alcoólico nas boxes. Agora as pessoas observarão as distâncias de segurança e o uso da máscara, mesmo que não seja obrigatório, será cada vez mais espontâneo. Se todos os países conseguirem sair deste confinamento gradualmente e de uma forma bastante inteligente, pensamos que seremos capazes de organizar corridas muito em breve.”

Qual é o cenário previsto até à data relativo ao calendário?

“O objetivo de Julho ou Agosto parece cada vez mais concebível, mesmo que até à data, nada tenha sido assinado. A Dorna Sports, a FIM, o MSMA e a IRTA, da qual sou o Presidente, formam um grupo unido, que é precisamente a força do nosso desporto. Estamos constantemente a trocar impressões. O Carmelo Ezpeleta toma as decisões, mas sempre nos consulta e nos ouve. Se há ideias, ele leva-as em conta. Perante esta situação sanitária, rapidamente percebemos que seria muito complicado ter corridas com espetadores em 2020. Fazer corridas à porta fechada rapidamente se tornou uma condição necessária para falar com países e organizadores, e faz sentido.

“Claro que não gostamos. Os adeptos, o público, são a base do nosso desporto. Mas entre nenhuma corrida e corridas sem espectadores… É melhor tomar a segunda opção. É o nosso trabalho, a nossa paixão. Tudo tem de ser feito para que haja corridas, para adeptos, equipas, pilotos e TV. Se for possível com pessoal reduzido, então faremos questão de respeitar essa condição. Além disso, quando possível, tentaremos competir em dois Grandes Prémios no mesmo circuito. Poderíamos muito bem ficar num circuito por dois fins de semana.

Então o paddock será diferente daquele que conhecemos?

“Acredito que um paddock na Europa incluia entre 2.500 a 3.000 pessoas normalmente. Para provas à porta fechada, seriam cerca de 1.100 a 1.300 pessoas. Estamos todos a trabalhar em conjunto: a Dorna reduzirá o seu pessoal presente nos circuitos, assim como as equipas e os parceiros técnicos (capacetes, fatos, pneus, combustível, etc.). Do mesmo modo, se houver hospitalidades, todos devem ser alimentados respeitando as medidas de distanciamento. Por isso, pensámos num protocolo que está quase completo e acordado por todas as partes.”

Concretamente, como prevenir a propagação do vírus?

“A ideia será testar toda a gente antes de partir e criar algum tipo de confinamento no circuito. Uma vez que o paddock terá menos gente, daremos aos pilotos, não apenas os da MotoGP, a oportunidade de dormir no local com autocaravanas. Tentaremos também encontrar soluções para que os hotéis mais próximos possam ser reservados aos funcionários do paddock. Isto será para evitar o contacto com a população local e qualquer contaminação. Tentaremos canalizar as entradas e saídas o máximo possível e limitar o raio de movimento dentro do paddock o máximo possível. Em todos os casos, a Dorna, como todos os outros promotores desportivos, deseja seguir rigorosamente todas as medidas de saúde para prevenir a propagação deste vírus.”

Uma mão de obra reduzida no paddock significa que não haverá meios de comunicação?

“É preciso ter em mente que o nosso desporto só existe por causa de certas regras muito simples. Precisamos de uma moto com uma equipa técnica e o piloto mais rápido possível. Para conseguir tudo, precisamos de parceiros. Se os patrocinadores estão a investir, é porque sabem que haverá cobertura mediática por trás. Estamos todos ligados: precisamos dos meios de comunicação social, tal como os meios de comunicação social precisam de nós. É óbvio. Mas hoje estamos numa situação excecional, e se queremos que haja corridas, um dos aspetos que nos faz dizer “sim”” ou “não”” é o número de pessoas presentes. Quase que tem que se dividir por três. Já pedimos às equipas que reduzam ao máximo o seu pessoal. Infelizmente, tens de fazer escolhas e chega-se muito rapidamente a mais de 1.000 pessoas.

“Da mesma forma, se permitirmos alguns jornalistas, quem decidirá? Pode haver pessoas insatisfeitas por não terem sido escolhidas… No entanto, espero que as equipas possam manter o seu assessor de imprensa à disposição dos meios de comunicação. Não me compete a mim tomar esta decisão, mas se os jornalistas não puderem vir, o nosso trabalho será fornecer-lhes o máximo de conteúdo possível. Da mesma forma, entre duas corridas na mesma pista, poderíamos imaginar oferecer-lhes conteúdos sobre engenheiros, pilotos ou novas do paddock. Esta é uma situação que me perturbaria muito, mas deve dizer-se que é temporário.”

Qual é o papel da IRTA durante esta crise?

“O papel da IRTA é trabalhar em conjunto com a Dorna e gerir o paddock. Estamos muito perto. O orçamento da IRTA, no entanto, reside nas assinaturas de equipas. Desde a sua criação, em 1986, a IRTA tem mantido um capital que dividimos pelo número de equipas para redistribuir esse dinheiro, porque, mais uma vez, uma situação excecional requer medidas excecionais. Infelizmente, só podemos fazer isto uma vez… Carmelo Ezpeleta faz tudo para ajudar as equipas e não hesita em ir para a frente. Todos juntos, estamos a tentar garantir que todos possam estar presentes quando a temporada recomeçar.

“Será necessário trabalhar bem este ano e na época seguinte para preparar um novo acordo desportivo e económico. Congelámos o desenvolvimento em cada categoria. Temos de pensar cuidadosamente sobre o que fazer a seguir, ver o que os fabricantes estão prontos a investir. Mas hoje, temos de trabalhar para manter este espetáculo, a nossa proximidade com o público e permanecermos disponíveis, enquanto gerimos bem os custos.”

Como vê o futuro do MotoGP?

“Desde que a humanidade existe, passou por muitas tribulações. E ouvimos muitas vezes no passado “depois de uma crise como esta, nada será o mesmo”. Hoje, a oferta e a procura governam a economia. O MotoGP faz parte da sociedade e penso, sem entrar em considerações filosóficas, que no final desta crise, a mobilidade será um tema atual. Para mim, o sector das duas rodas vai sair reforçado. Espero que muitas pessoas redescubram este veículo e, se pudermos ser embaixadores desta indústria, teremos todo o gosto em fazê-lo. Também discuti isto recentemente com Pit Beirer.

“Ele disse-me que tinham ficado espantados com as vendas feitas na sequência do desconfinamento. Há muitas pessoas que vêem a mota como uma solução que lhes permitiria respeitar as medidas de barreira, ao mesmo tempo que têm a oportunidade de se deslocar. Além disso, é sempre um grande prazer andar em duas rodas!”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x