MotoGP 2020: O que podemos esperar da Yamaha este ano?

Por a 18 Janeiro 2020 14:30

Nesta série, que começou pela Honda, debruçamo-nos sobre o que cada fábrica procura alcançar em 2020. Se há um momento crucial no caminho da Yamaha para 2020, é Sábado, 11 de Agosto de 2018. Maverick Viñales tinha-se classificado na décima primeira posição, mais de um segundo atrás da pole de Marc Márquez.

Valentino Rossi nem chegara ao Q2 e começaria de décimo sexto. Na tarde de Sábado, antes de Valentino Rossi e Maverick Viñales fazerem declarações à imprensa, o líder do projeto de MotoGP da Yamaha, Kouji Tsuya, fez um pedido de desculpas público aos pilotos da Yamaha e aos media. A M1 não foi suficientemente boa e Rossi e Viñales merecem melhor, disse ele.

“A Áustria foi o ponto mais baixo, digamos, onde enfrentamos a realidade brutal de onde estávamos”, disse o diretor da Yamaha Motor Racing, Lin Jarvis, em Valencia no ano passado. “Mas não acho que a Áustria tenha sido o gatilho para a melhoria, foi o resultado coletivo daquela temporada que foi o ponto de gatilho. O que realmente aconteceu foi que tínhamos conversado muito antes da Áustria e depois da Áustria sobre a necessidade de mudar alguma coisa. O que estávamos a fazer não estava funcionando. Precisávamos de encontrar uma nova solução. “

O inverno de 2018/2019 viu muitas mudanças, especialmente nos bastidores. O líder do projeto Tsuya abriu caminho para Takahiro Sumi, e mais engenheiros vieram do Japão. Novos rostos apareceram na garagem da Yamaha Monster Energy durante toda a temporada de 2019.

Nos testes, mal se podiam mexer na boxe pelo número de pessoas de blusão Yamaha azul-marinho a acotovelarem-se. A Yamaha testou um novo motor em Brno e uma atualização no teste em Misano, depois outra atualização nos testes de Valencia e Jerez em Novembro.

O progresso também foi visível nos resultados. Após a corrida no Circuito da Catalunha, em Montmeló, o melhor colocado na Yamaha foi Valentino Rossi, em quinto.

O companheiro de equipa Maverick Viñales desceu para décimo primeiro, 100 pontos atrás do líder Marc Márquez.

Os pilotos Yamaha acumularam um total de apenas quatro pódios em sete corridas. Até o final do ano, já havia três Yamaha entre os sete primeiros do campeonato, mais do que qualquer outro fabricante.

Maverick Viñales foi terceiro no campeonato, com duas vitórias, e os pilotos da Yamaha conquistaram um total de dezasseis pódios, um a menos que a Ducati. O clima mudou completamente.

Muitos fatores ajudaram a fazer essa mudança. A mudança de chefe de equipa para Maverick Viñales ajudou o espanhol a trabalhar melhor e, na segunda metade da temporada, Viñales parou de brincar muito com a moto e deixou-a sem alterações de corrida para corrida, concentrando-se em obter tudo o que podia do pacote base.

Foi uma estratégia bem-sucedida: ele venceu a corrida em Sepang, pressionou Márquez e quase venceu em Phillip Island, e teve pódios em Silverstone, Misano, Buriram.

Subjacente a essa melhoria, esteve também a estreia fenomenal de Fabio Quartararo. O jovem francês foi sensacional o ano todo, com uma Yamaha M1 de especificações mais baixas.

Ele estabeleceu a volta mais rápida da corrida em sua estreia no Qatar, conquistou a sua primeira pole em Jerez, na quarta ronda, terminando a temporada com seis poles no total. Conquistou o seu primeiro pódio em Barcelona, ​​mas teria um em Jerez, se o seu shifter não tivesse partido. Ele terminou o ano com sete pódios e levou Marc Márquez ao limite em Misano e na Tailândia.

O sucesso de Quartararo levou os outros pilotos da Yamaha a aplicarem-se. O piloto da Petronas Yamaha SRT mostrou do que a moto era capaz, apesar das suas fraquezas. Ele forçou os outros a encontrar maneiras de ir mais rápido, e trouxe esperança à Yamaha mais uma vez.

A Yamaha teve uma grande fraqueza em 2019, no entanto. Quando o jornal italiano La Gazzetta dello Sport entrevistou Valentino Rossi, havia uma coisa que ele pedia da M1: “Uma Yamaha que seja 10 quilómetros por hora mais rápida na reta, que seja tão rápida como a Honda e a Ducati. Eu sei que será difíci … “

A M1 era devastadora nas curvas, mas assim que saia para as retas, lutava por permanecer no cone de ar das motos mais rápidas. A velocidade máxima é uma prioridade absoluta a curto prazo, para um piloto da Yamaha.

Como foram eles abordar isso em 2020? Os resultados dos testes de Novembro parecem promissores. Maverick Viñales terminou os testes de Valencia e Jerez como o mais rápido, com três Yamahas no topo em Valencia.

A Yamaha tinha um novo quadro para ajudar na aderência e um novo motor mais agressivo e com mais potência. Eles ainda estavam à procura de mais velocidade máxima, mas a diferença era um pouco menor. Mas acima de tudo, todos os quatro pilotos da Yamaha foram positivos sobre o progresso feito.

Provavelmente, o maior problema enfrentado pela Yamaha em 2020 não é o que acontece em pista, mas em reuniões secretas entre gestores a portas fechadas.

A Yamaha está numa posição de luxo de ter, indiscutivelmente, a linha de pilotos mais forte do MotoGP. As credenciais de Valentino Rossi – e nove títulos mundiais – falam por si.

Maverick Viñales terminou entre os quatro primeiros nas últimas quatro temporadas e foi o único piloto a bater Marc Márquez por uma margem significativa em 2019.

Fabio Quartararo foi surpreendente na sua temporada de estreia. E o ex-campeão mundial de Moto2, Franco Morbidelli, estava entre os primeiros lugares no final da temporada, depois de seu chefe de equipa, Ramon Forcada, ter voltado ao cenário com o qual começou o ano.

continua

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png