MotoGP, 2020: Lorenzo mais perto do papel de piloto de teste da Yamaha?

Por a 28 Dezembro 2019 15:30

Depois de Jorge Lorenzo ter anunciado que “estará no paddock novamente”, surgiram relatos de um possível contrato como piloto de testes da Yamaha.

No início desta semana, Lorenzo confirmou que “definitivamente estará por aí novamente“, falando à TV da Red Bull, com mais detalhes à espera do início de 2020, quando ele estiver oficialmente livre do seu contrato com a HRC em 31 de Dezembro.

As opções imediatas disponíveis para o tricampeão mundial seriam para testes de pilotagem, comentador de TV ou gestão de pilotos – ou uma combinação dessas opções – com relatórios ligando também Lorenzo a um papel de piloto de testes da Yamaha, de acordo com La Gazzetta dello Sport.

Dado o recorde de Lorenzo com a Yamaha, três títulos mundiais da classe rainha e 44 vitórias em Grande Prémio em nove anos, o espanhol encaixa-se perfeitamente  no projeto e falado à imprensa em Valencia, o Diretor da Yamaha MotoGP, Lin Jarvis, não descartou a hipótese de um “ piloto de testes não japonês ”depois de alterar os seus planos do grupo de testes para 2020.

A parceria com Jonas Folger encerrada, a Yamaha demonstrou interesse em contratar Johann Zarco como piloto de testes para 2020, mas o bicampeão mundial de Moto2 deu preferência a continuar a correr e assinou pela Ducati Avintia.

Atualmente, os pilotos de testes da Yamaha Katsuyuki Nakasuga e Kohta Nozane estão programados para testar no Japão e nas pistas da Europa. Mas com Lorenzo disponível a partir de 2020, pareceria um candidato óbvio a piloto de testes.

“…decidimos por nossas próprias razões que não contaríamos com Jonas Folger no próximo ano porque não tínhamos consenso de que fosse a situação certa para nós”, disse Jarvis em Valencia.

“Não quer dizer que não tenhamos um piloto de testes não japonês. Eu diria apenas esperem, vamos olhar em redor e veremos. Precisamos de um piloto rápido. Precisamos de alguém que possa dar-nos um feedback preciso, que possa preencher a lacuna entre o grupo de testes japonês e o nível seguinte.”

“Não finalizámos o plano, o único plano consertado é o nosso programa de testes. Sabemos que vamos usar as motos e a equipa, que se moverão ao redor do mundo para fazer os testes. Espero que tenhamos um piloto ainda mais rápido em breve.

“O ano que vem é um ano muito importante para o desenvolvimento de certas tecnologias, especialmente no motor”, explicou Jarvis, com a Yamaha à procura de ganhos vitais em velocidade máxima e tração.

“Um dos problemas que encontrámos no ano passado foi o modo como fizemos os nossos testes na Europa diferentes do que eles fizeram no Japão.”

“Portanto, foi difícil comparar a informação, o feedback e interpretação, porque havia maneiras diferentes de trabalhar e maneiras diferentes de abordar a informação.”

“Decidimos usar a mesma equipa de teste, a japonesa, eles também farão os testes europeus. É uma equipa de testes que viajará para circuitos europeus e também trabalhará em circuitos no Japão.”

“Vamos decidir em Sepang, após o nosso planeamento final, o que devemos fazer para o outro piloto de testes, o piloto de testes não japonês”.

Após o anúncio de que Lorenzo se afastaria das corridas, Jarvis prestou homenagem ao seu ex-piloto e falou de boas lembranças com o espanhol, garantindo os mais recentes títulos mundiais de MotoGP da Yamaha (2010, 2012 e 2015).

“Obviamente, temos um relacionamento mesmo especial com o Jorge, porque estivemos juntos nove anos, o que foi extraordinário. Acho muito incomum que uma marca tenha nove anos de contrato ininterrupto com um piloto“, disse ele.

“Ele juntou-se a nós quando era muito, muito jovem, mostrando o seu talento e a sua promessa [nas 250cc]. Depois, chegou [ao MotoGP] com um estrondo, conseguiu três poles e venceu a sua terceira corrida connosco e três campeonatos mundiais.

Se Lorenzo regressar à Yamaha numa capacidade de piloto de testes, marcaria o segundo ano consecutivo em que a HRC viu um piloto sair e tornar-se piloto de teste de um fabricante rival no MotoGP após a mudança de Dani Pedrosa para a KTM no inverno passado.

Outros relatórios também ligam Lorenzo a trabalho de TV no MotoGP, o que o tornaria o primeiro ex-campeão mundial da categoria rainha a ser um especialista regular na TV desde Alex Crivillé.

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png