MotoGP, 2020: KTM perde concessões graças à vitória de Oliveira, mas tudo bem

Por a 1 Setembro 2020 14:00

Pit Beirer da KTM não verte lágrimas depois da perda das concessões, antes está exultante por a marca se ter juntado ao rol de vencedores já por duas vezes.

Depois dos últimos três lugares do pódio, a vitória de Brad Binder, a vitória de Miguel Oliveira e o terceiro de Pol Espargaró, a KTM perde as vantagens das concessões para equipas recém-chegadas. Um terceiro vale um ponto, um segundo dois pontos e uma vitória, 3, logo, com o limite para as concessões nos 6 pontos, só com as duas vitórias, a marca estava no limite.

Mas o diretor de corridas Pit Beirer já estava preparado há muito tempo para esta situação.

A KTM Red Bull venceu dois dos últimos três Grandes Prémios com Brad Binder (em Brno) e Miguel Oliveira (em Spielberg-2). E sem a eliminação mútua das KTM de Espargaró e Oliveira na primeira corrida no GP da Áustria, poderia até ter sido um hat-trick puro, porque Pol Espargaró há muito que avançava para o primeiro lugar desde o arranque de quinto e Oliveira estava a pressioná-lo.

Depois de três lugares no pódio, com duas vitórias e um terceiro lugar, a KTM já conquistou oito pontos de concessão esta temporada e perde, assim, pela primeira vez os privilégios de estreantes para 2021.

Estes privilégios são mais dois motores do que o permitido às outras equipas de topo, 7 em vez de 5, dias de teste ilimitados também para os pilotos regulares, e cinco em vez de três entradas de pilotos wildcard por temporada.

A KTM perde uma concessão como estreante, sendo que nunca alcançou seis “pontos de concessão” nos primeiros três anos, mas agora é com efeito imediato: os quatro pilotos regulares deixarão de poder participar em testes privados em 2020. Mas a moto de 2021 está a ser desenvolvida por Dani Pedrosa de qualquer forma…

A KTM também perde outra vantagem: o desenvolvimento do motor está congelado até ao final de 2021 devido à pandemia de Coronavírus no MotoGP.

A homologação da especificação do motor permanece, portanto, inalterada pela primeira vez por duas temporadas, por razões de custo.

Mas as “equipas de concessão” (que podem incluir em 2021 lado a lado a Aprilia e Honda, porque até agora os campeões mundiais não ganharam um único lugar no pódio) estão autorizadas a trazer atualizações de motores em 2021 após o GP do Qatar. Isto não será feito no segundo Grande Prémio, porque os tempos de funcionamento dos motores têm de ser tidos em conta, mas talvez na quarta ou quinta revisão de potência.

A KTM perdeu esta vantagem, mas não se mostra nem um pouco arrependida.

“Estamos mesmo ansiosos por perder as ‘concessões’ porque todos acreditam que estamos a tirar benefícios loucos delas”, explicou Pit Beirer, diretor de desportos motorizados da KTM. “Já tivemos de passar completamente sem desenvolvimento de motores durante a época deste ano por causa do acordo Covid-19. Portanto, a única vantagem que restava em 2020 é que podíamos usar sete em vez de cinco motores por piloto. Mas já não precisamos desta vantagem, porque há muito tempo que nos preparamos para que os nossos motores de MotoGP cumpram os quilómetros necessários. No final, é mesmo uma questão de custos. Se pouparmos dois motores por piloto, são oito motores que não usamos. Este ano, portanto, temos o objetivo de passar a época com o mesmo número de motores que a concorrência.”

“O facto de já não podermos testar em privado com os quatro pilotos regulares também não nos atinge particularmente, porque nem sempre se pode usá-los no calendário apertado devido ao Covid de qualquer maneira”, diz Beirer.

“Uma equipa de testes de MotoGP em funcionamento é muito mais importante do que os dias de teste adicionais para os quatro pilotos. O nosso motor V4 foi um fator forte em todo o projeto desde o início, e raramente avariou. Assim, também completamos um número extremamente elevado de quilómetros de ensaio. Como resultado, tivemos pouco tempo de paragem nos testes desde o início. Isto é importante. Se nos dirigíssemos com 30 pessoas a alguma pista no sul alugando uma pista de corrida para testar, tal projeto começaria a tremer muito rapidamente se fossemos constantemente confrontados com danos nos motores. Nesta importante área, Kurt Trieb e a sua equipa de fabrico de motores mantiveram-nos livres de problemas desde o início. Temos de ser muito claros sobre isso.”

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x