MotoGP, 2020, Estíria: Oliveira entre os favoritos das outras marcas

Por a 19 Agosto 2020 14:00

Após cinco seguidas da Ducati no Red Bull Ring, as outras marcas não quererão ficar paradas…

A Ducati ganhou no Domingo passado, no entanto, as verdadeiras surpresas no foram a Suzuki e a KTM. Joan Mir da Suzuki Ecstar subiu ao seu primeiro pódio de classe rainha, e logo em segundo, com a fábrica de Hamamatsu, que não tem sido tradicionalmente uma ameaça no Red Bull Ring, a surgir como uma séria candidata.

Depois de algumas corridas mais difíceis para Mir, foi um regresso bem-vindo à frente, e nada poderia ser melhor do que voltar ao recinto para tentar novamente. Alex Rins (Suzuki Ecstar) também mostrou alguma velocidade, apesar de ainda estar a recuperar da lesão no ombro, e até assumiu a liderança antes de deslizar para fora da corrida, mas as Suzuki serão motivo de preocupação para muitos que esperam chegar ao pódio…

Assim como a KTM, apesar de domingo não ter ido de acordo com o plano. Pol Espargaró (KTM Red Bull Factory Racing) parecia o favorito apenas no ritmo no TL4, e liderou no primeiro arranque antes da bandeira vermelha sair.

Depois disso, foi uma perspetiva mais difícil e acabou por terminar em desastre, com o espanhol e o colega da KTM Miguel Oliveira da Tech 3 a colidirem num incidente que ainda vai ser revisto pelo painel de Comissários da FIM na quinta-feira. Mas ambos foram rápidos, e desta vez, com a afinação conhecida e melhores estratégias de alocação de pneus, esperam voltar a ser favoritos.

O papel de ponta de lança para a fábrica austríaca foi deixado, após o incidente, a Brad Binder (KTM Red Bull Factory Racing). 17º na grelha para a primeira partida, tinha sido um fim de semana mais difícil para o estreante depois da sua impressionante viagem para a vitória na Checa.

Mas Binder estava inabalável, subiu perante a Bandeira Vermelha, aproveitou uma melhor posição inicial no segundo arranque e voltou para casa num incrível quarto lugar, com uma experiência de toda a prova numa máquina de MotoGP que agora vai querer por a bom uso uma semana depois.

Iker Lecuona (KTM Red Bull Tech 3) vai querer fazer o mesmo em termos do que aprendeu também com a pista, tendo feito o seu melhor resultado de sempre no GP da Áustria ao terminar 9º.

Para a Yamaha, ainda é um pouco difícil dizer o que os espera este fim de semana. Maverick Viñales (Yamaha Monster Energy MotoGP) e o líder do Campeonato Fabio Quartararo (Yamaha Petronas SRT) qualificaram-se na primeira fila e depois, mesmo para além do choque da grande queda na Curva 3 que dominou as manchetes, também sofreram um problema mecânico logo no recomeço e uma fuga na corrida inicial, respetivamente, dando-lhes mais uma luta a subir de lugares assim que as luzes se apagaram pela segunda vez.

Ambos impressionaram a dar o seu melhor, com Quartararo a carregar constantemente para a frente e Viñales inicialmente forçado a recuar pelo seu problema antes de cortar através de metade do campo até à bandeira assim que conseguiu recuperar.

Impressionante é também a palavra para Valentino Rossi (Yamaha Monster Energy), que está um pouco atrasado na luta pelo título depois do seu abandono na primeira corrida em Jerez, mas cuja consistência desde então está a começar a dar frutos. Ficou em quinto lugar e foi a melhor Yamaha, por isso, mesmo enquanto aguardamos ansiosamente o que podem fazer na corrida contra os restantes, também vai ser interessante ver quem sai por cima para a marca de Iwata.

Franco Morbidelli (Yamaha Petronas SRT), um dos pilotos envolvidos no acidente que provocou a Bandeira Vermelha, também ainda estava na batalha perto do topo na altura, por isso o que pode ele fazer pela segunda vez no Red Bull Ring?

A Honda vai fazer a mesma pergunta, com a segunda corrida no mesmo local provavelmente um ponto positivo para eles. Takaaki Nakagami (Honda LCR Idemitsu) foi novamente o líder das Honda, ocupando o sexto lugar para mais uma boa prestação e a experiência é ainda mais valiosa para o estreante Alex Márquez (Honda Repsol Team) e para o substituto do campeão em título, Stefan Bradl (Honda Repsol Team). Cal Crutchlow (Honda LCR Castrol) também vai querer mais à medida que recupera de um escafoide partido, e isso é algo que também vai afetar Johann Zarco (Ducati Esponsorama) agora.

Finalmente, a Aprilia poderá seguir em frente? Tanto Aleix Espargaró como o colega de equipa Bradley Smith marcaram pontos no GP da Áustria, o que foi um positivo fundamental, mas no papel a pista deve ser uma melhor perspetiva para eles.

Será que vamos vê-los dar um passo em frente no Grand Prix BMW M da Estíria? Estamos prestes a descobrir.

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x