MotoGP 2020: Ducati comenta as melhorias em Sepang

Por a 15 Fevereiro 2020 15:00

No ano passado, a Ducati foi rei dos testes em Sepang. Em 2020, porém, foi o número 20  Fabio Quartararo (Yamaha Petronas SRT) que deixou o Circuito Internacional de Sepang no topo das folhas de tempo, com Francesco Bagnaia (Pramac Racing) a Desmosedici GP20 mais rápida em quarto, Danilo Petrucci (Ducati Team) em sexto, Jack Miller (Pramac Racing) em oitavo e Andrea Dovizioso (Ducati Team) em 14º.

O que começou como um desempenho mais discreto do que o de algumas fábricas teve uma reviravolta definitiva no dia 3, no entanto, uma vez que os comentários de Domingo permaneceram cautelosos, mas soaram muito mais positivos.

Para o diretor-geral da Ducati Corse, Luigi Dall’Igna, essa positividade foi pragmática, mas real: “Estou muito feliz, com certeza a moto melhorou em comparação com a do ano passado”, foi a sua primeira declaração na entrevista de domingo à noite. Entrando em mais detalhes, citou as melhorias que viu e as que espera no Qatar.

Deixámos algumas atualizações de motores para o teste do Qatar, não há muitas melhorias, mas espero algo mais, a moto é um pouco melhor a virar, testámos o novo chassis em Jerez e Valencia e isso é o resultado desse teste. Aqui (Sepang) só temos a nova especificação do chassis pelo que não podemos fazer uma comparação adequada, mas pelos comentários dos pilotos e dos dados que recolhemos no final do ano passado, acho que melhorámos um pouco.”

O maior desafio para a Ducati, ao que parece, reside nos pneus. “Ainda há algum trabalho a fazer por causa dos pneus novos, eles precisam de uma configuração diferente com o chassis e também do ponto de vista eletrónico temos que configurar alguns parâmetros”, explicou Dall’Igna. “Recolhemos muitos dados neste teste, por isso temos de analisá-los e depois voltar a avaliar tudo no teste do Qatar.”

Os pneus também foram um ponto chave para os pilotos. Dovizioso foi bastante detalhado no briefing do último Domingo, explicando em que estavam a trabalhar e algumas melhorias importantes que ele e o seu colega Petrucci tinham conseguido fazer.

O colega de equipa Danilo Petrucci ecoou isso, citando o tempo de pista que conseguiram como parte vital da prova.

“Trabalhámos com o Dovi durante o dia, foi assim que o fizemos no ano passado e especialmente nos testes. Entendemos muito mais agora porque andar juntos ao ritmo de corrida é bom. Fizemos apenas 10 voltas, mas foi o suficiente para entender algo, especialmente sobre o estilo de pilotagem; dois pilotos ao mesmo tempo, com os mesmos pneus, é uma coisa boa.”

“Trabalhámos muito. De certeza que não estamos totalmente satisfeitos e há algumas coisas ainda para entender, mas pelo menos fomos rápidos numa volta pontual. Ainda há trabalho a fazer e há muitos pilotos mais rápidos, mas entendemos muitas coisas e isso é bom. O Qatar é um tipo diferente de pista, talvez seja melhor. Mas estou feliz com as coisas que tentei, embora não esteja totalmente satisfeito, porque ainda precisamos de entender os pneus.”

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png