MotoGP, 2020: Cal Crutchlow contempla reforma

Por a 26 Dezembro 2019 15:00

“A algum momento, quero viver uma vida normal e poder ir fazer jogging novamente. Não posso fazer isso agora ”, diz Cal Crutchlow.

Cal Crutchlow completou 34 anos a 29 de Outubro. A seguir a Valentino Rossi, ele é o piloto mais velho do Mundial de MotoGP. O homem de Coventry já venceu três corridas de MotoGP na equipa LCR e tnum contrato com a HRC até o final da temporada de 2020.

O pai de família tornou-se rico e tem residências na Ilha de Man (onde só se paga 10% de IRS), na Toscania e na Califórnia. No entanto, ele é questionado repetidamente sobre por quanto tempo ainda fará o Campeonato do Mundo de MotoGP e permanecerá no ativo.

“Eu já mencionei em Agosto de 2018 que ainda tenho um contrato de fábrica da Honda até o final de 2020”, disse Cal. “Sempre presumi que este será o meu último contrato de MotoGP, mas ainda não me quero comprometer. Claro que não sou tão rápido como costumava ser. Ainda sou rápido numa distância de corrida, mas não tão rápido numa única volta.”

“Não posso definir uma causa, não sou um mau piloto mas talvez em 2019 tenha sido uma combinação de mim e da motocicleta e assim por diante”, Cal medita. “Ainda consigo bons resultados como antes, ainda posso vencer corridas no Mundial. Não estou preocupado em desacelerar… Tem a ver com as minhas muitas lesões. O meu corpo dói todo, e não apenas por causa da queda da Austrália em 2018. É assim no geral. Eu não sou um fraco e sempre darei os meus 100% enquanto tiver contrato. Mas não sei quanto tempo quero ainda levar isto por diante, ano após ano.

Podia parar depois de 2020 e levar uma vida normal. Pode haver colegas da minha idade que não sentem dores quando se sentam na moto. O Valentino não parece ter esses problemas. Ele tem 40 anos e aparentemente não tem queixas. É diferente comigo.”

“Sempre dei tudo por esse desporto, 100%. Se isso não for suficiente para ganhar o Campeonato do Mundo de MotoGP, posso aceitar isso”, reconhece o britânico.

“Posso dizer com confiança que dei 100 por cento em todas as voltas em todas as corridas. Eu diverti-me muito na minha carreira, apesar dos altos e baixos e não quero mudar nada. Claro, perdi alguns pódios aqui e ali. E não estou a dizer que definitivamente vou parar depois da temporada 2020. Pode ser que em 2020 nada me doa. No entanto, não preciso mais de correr, apesar de adorar correr. Lutei para recuperar depois de todas as lesões porque tenho uma paixão pela corridas.”

Crutchlow: “Quero fazer coisas normais no futuro. Eu quero levar a minha filha Willow para a escola. Eu quero brincar com ela. Quero ser capaz de seguir em frente com a vida. Eu não posso no momento. Eu também não posso ir correr ou fazer exercício normal, e quero viver uma vida normal. Ainda consigo andar de moto muito rápido. Também não tem nada a ver com a minha paternidade. Quando me tornei pai, fiquei mais rápido. Em 2013, na Tech3, a minha moto era fácil de pilotar, e obtive ótimos resultados. Hoje eu sou melhor e mais rápido como piloto do que era na época. Mas eu tenho uma moto difícil de pilotar. E a competição tornou-se mais forte e melhor.”

 

Deixe um comentário

Please Login to comment
últimas MotoGP
últimas Motosport
AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/logo.png