MotoGP, 2020, Áustria: Spielberg ao ritmo da chuva

Por a 14 Agosto 2020 19:30

Ou porque o duelo esperado entre a Ducati e a KTM poderá nem chegar a ser um duelo

A chegada da chuva trouxe uma série de incógnitas adicionais ao Grande Prémio da Áustria e lançou o caos entre os apologistas de prognósticos de bancada.

À partida, o domínio Ducati era dado como quase garantido, com as motos de Bolonha a dominarem totalmente nas épocas recentes do campeonato, desde que o refeito Red Bull Ring regressou ao calendário…

Em 2016 foi Ianonne, em 2017, Dovizioso, em 2018 Lorenzo e o ano passado, Dovizioso de novo… e isto com a presença de um tal Marc Márquez, ausente este ano!

Porém, a Desmosedici de 2020 é um animal muito diferente e poucos dos dados de épocas transatas serão de alguma utilidade aqui, para lá de providenciar uma afinação base.

Depois, a chegada da chuva limitou severamente a aquisição de dados possível durante as sessões de treinos. Assim sendo, a vantagem recai pesadamente sobre a KTM, a única equipa de fábrica que tinha estado presente em Spielberg em fins de Maio com Pedrosa e Espargaró, e depois em Junho a treinar com Binder e Oliveira, embora com Moto2. Aqui, um aparte à contribuição de Pedrosa para a metamorfose da KTM RC16 de patinho feio dos confins da grelha para líder de sessões de treinos e agora vencedora de uma corrida. Pedrosa foi material em mudar a RC16, não por trazer com ele grandes segredos do HRC, que dificilmente encontrariam aplicação direta na moto austríaca tão diferente, mas por saber transmitir ao pessoal de Mattighofen a lição que tinha aprendido de cor na Honda: mais vale uma moto menos potente guiável,que um míssil que ninguém consegue controlar, quanto mais sentir-se confortável a pilotar, ao longo de 20 voltas num Grande Prémio!

Em vista de a KTM ter escutado e da consequente forma recente de marca, com Miguel Oliveira a ficar na segunda fila em Jerez e a igualar o seu melhor resultado de 2019, e Binder a vencer agora em Brno, além do facto de que Pol Espargaró andava no ritmo dos vencedores até cair, sempre se pensou que a KTM seria uma das marcas em evidência no traçado do Red Bull Ring.

Por outro lado, para lhes facilitar as coisas, a marca que tem dominado a fase inicial do campeonato, a Yamaha, não é considerada tão competitiva em Spielberg por não poder utilizar em pleno as suas qualidades de inserção em curva num traçado que todo ele flui a alta velocidade. Nem Quartararo poderá exercitar os seus dotes de pilotagem em pleno, nem Viñales, que ataca sempre na fase final das corridas, capitalizará facilmente nessa capacidade neste caso…

Aonde é que isso nos deixa então? O tão esperado duelo Ducati versus KTM poderá ser agora só KTM, com a possível exceção de interferência por parte de Johann Zarco na Ducati Esponsorama – a tal que tem um ano de idade e, por isso, funciona onde as de fábrica ficam aquém! – ou de Valentino Rossi, com cuja vasta experiência a fazer o impossível, apesar das dificuldades com o material, há que contar sempre.

Acresce ainda que o outro piloto que vinha fazendo grande progresso na Ducati, Francesco Bagnaia, está fora, substituído pelo piloto de testes Michele Pirro, que pouco mais será que um laboratório ambulante em tempo real, como claro, está também de fora Marc Márquez, deixando a Honda entregue aos esforços de Nakagami, visto que também Crutchlow está ainda a recuperar de lesão e Alex, simplesmente, não tem ainda a experiência para fazer a diferença…

Há ainda outra marca que não se pode eliminar da equação, que é a Suzuki, cujos dois pilotos Rins e Mir foram aparecendo perto do topo das tabelas ao longo do primeiro dia de treinos.

Simplesmente, também já vimos que a mistura de alta velocidade em curva da Suzuki, descrevendo um arco suave sob inclinação máxima a alta velocidade – observem fotos da Suzuki em prova e a conclusão é que os seus pilotos devem ser quem mais gasta cotoveleiras! – dificilmente é compatível com as motorizações V4 das KTM e Ducati, cuja forma de curvar tem tudo a ver com triangular a curva ao máximo para acelerar o mais cedo possível. As duas filosofias não se misturam em pista, por isso assistimos a duelos Honda /Ducati ou Yamaha/Honda, mas quase nunca Ducati /Suzuki…

Tudo vai depender do tempo que fizer nos treinos de amanhã, especialmente no todo-importante TL3, que decidirá que vai, finalmente, passar à Q2 automaticamente, ou quem tem de passar ainda pela Q1 – que, no caso de necessidade de aquisição de dados adicionais, pode ser uma bênção disfarçada! Com 7º e 3º nos livres de hoje, Oliveira estará à partida qualificado, a menos que algo muito dramático se passe amanhã… e em caso nenhum essa qualificação estará em dúvida se estiver mau tempo!

Domingo, tanto poderemos estar prestes a assistir a mais uma vitória Ducati, mas não das Ducati que seria de esperar, ou à continuação da ascensão da KTM, ou… a outra coisa completamente diferente e inesperada, na mais imprevisível época de MotoGP de sempre!

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x