Moto2: Hafizh Syahrin fala com ‘duas ou três’ equipas para 2020

Por a 2 Agosto 2019 15:30

Após o anúncio oficial de que Brad Binder vai assumir o seu lugar na KTM Tech3 na próxima temporada, Hafizh Syahrin está a planear regressar à Moto2 em 2020. Syahrin ascendeu da categoria intermédia no início de 2018, tornando-se no primeiro piloto da Malásia na classe rainha quando recebeu uma chamada de última hora para substituir Jonas Folger na Tech3 Yamaha.

Um trabalho sólido na M1 viu Syahrin reconfirmado pela Tech3 para a sua nova era com as KTM, mas ele nunca se adaptou à mais agressiva RC16, marcando apenas três pontos em comparação com os 15 do rookie companheiro de equipa Miguel Oliveira. “É claro que não temos espaço no MotoGP”, disse Syahrin em Brno na quinta-feira. “A equipa confirmou o Brad Binder. Eu respeito a decisão deles e quero continuar a segunda metade da temporada com um bom resultado antes de sair.”

“Conheço esta equipa desde o começo do ano passado, não muito tempo, mas quando se entra nesse equipa são como uma família. Vou sentir falta deles, mas isso faz parte das corridas, e ainda nos podemos encontrar no paddock.”

“Neste momento estamos a falar com duas ou três equipas na Moto2. Gostaria de ficar neste campeonato e também quero estar com uma boa equipa e tentar mostrar o meu potencial na Moto2. “

“Em 2017 não fui assim tão mal, mas queremos fazer melhor do que isso se voltarmos à Moto2.

Syahrin, que afirmou que uma mudança para as SBK não era uma hipótese e neste momento, fez a sua estreia na Moto2 com um wild card em 2011, e conquistou o seu primeiro pódio no ano seguinte, tornando-se um piloto de Moto2 a tempo inteiro em 2014.

Apesar de ter obtido dois dos seus três pódios de Moto2 em 2017, o seu melhor resultado de 9º no campeonato aconteceu um ano antes. Syahrin confirmou que pode ainda permanecer na Tech3, ao juntar-se à sua equipa da KTM Moto2, enquanto uma mudança para a equipa da Petronas Moto2, de Sepang, é outra possibilidade.

“Eu falei com Hervé [sobre a Moto2]. Também tenho falado com Razlan [Razali, CEO de Sepang e gestor da equipa Petronas]”, disse Syahrin.  “Neste momento é difícil dizer a 100%. Preciso de esperar por esta corrida e pela próxima e depois vou saber se vou com Razlan, ou com a Tech3 na Moto2, ou com outra equipa na Moto2.”

“Para mim, se for a KTM ou a Kalex na Moto2, será bom porque estes dois chassis já são fortes”, afirmou Syahrin.

Apesar de ter perdido o lugar, o piloto de 25 anos acredita na KTM para sucesso no MotoGP.

“Eles estão trabalhando muito para levar a KTM ao topo. Não é fácil lutar com os outros fabricantes no MotoGP, mas eles estão-se esforçando muito e, mais cedo ou mais tarde, ficarão fortes.”

“Gostaria de desejar-lhes tudo de bom e era bom ver outro fabricante na frente porque seria interessante para os fãs e para o MotoGP.”

Pouco depois da sua última aparição no MotoGP (pelo menos num futuro próximo) em Novembro em Valência, Syahrin enfrentará um desafio único sob a forma de um desafio duplo de carro e moto no fim-de-semana da Taça do Mundo de Carros de Turismo / 8 Horas de Sepang em meados de Dezembro.

“Será completamente novo para mim pilotar um carro do WTCR. Não será fácil. É como uma categoria de Moto2, onde do 1º piloto até o 20º é menos de um segundo, por isso não tenho certeza de onde posso terminar, mas é algo novo para tentar, como Dovi tentou no DTM e Rossi faz o Rally de Monza “, disse Syahrin.

Será bom experimentar coisas novas, não estou a dizer que quero mudar a minha carreira, eu gosto de motos! É mais interessante e um desafio correr em duas rodas. Se cairmos, batemos no chão, enquanto no carro só fazemos uns piões!

“Não será fácil correr duas categorias no mesmo fim de semana, será difícil para mim adaptar-me e vou usar muita energia na moto. Mas os carros serão corridas de sprint, 1-2- 3.”

“Vamos testar em Novembro, em Sepang. Como piloto wild-card, podemos testar. Será bom para mim para me familiarizar com o carro. Vou dirigir um Volkswagen. Não será fácil, mas vou tentar adaptar-me o mais rápido possível, tentar pelo menos estar pronto para a corrida.”

Syahrin disse que ainda não conhece a identidade de sua equipa das 8 horas: “Eu não posso dizer agora porque o meu empresário ainda está a falar de um lugar nas 8 Horas com uma boa equipa.”

Entretanto, Hervé Poncharal confirmou que a porta está aberta para Syahrin na equipa de Moto2 e é com o piloto decidir.

 

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x