História do MotoGP: Nicky Hayden, recordando o Kentucky Kid, Parte 3

Por a 20 Abril 2020 16:00

Depois de se sagrar Campeão Mundial de MotoGP em 2006, Hayden estava, finalmente, em alta. Em 22 de Setembro de 2006, assinou um acordo de dois anos com a Honda Racing Corporation (HRC) para as temporadas de MotoGP de 2007 e 2008. Continuava a utilizar a Honda RC212V de 800cc mas, como detentor do título, o seu número de corrida de MotoGP passou de 69 para o 1 para a temporada de 2007.

No entanto, a temporada de 2007 começou mal para Hayden, lutando com o desempenho da nova moto. No Qatar terminou em sétimo lugar, enquanto o seu companheiro de equipa Dani Pedrosa terminou no pódio, atrás de Valentino Rossi e Casey Stoner, que venceu na sua corrida de estreia pela Ducati. Nas duas corridas seguintes em Espanha e na Turquia, Hayden terminou em sétimo lugar duas vezes antes de terminar em 12º lugar na China.

Na ronda francesa, Hayden registou a sua primeira desistência da temporada. Enquanto ia em quarto lugar na corrida, sofreu uma violenta queda a quatro voltas do fim. Chris Vermeulen na Suzuki venceu a corrida à chuva. Nas rondas italiana e catalã, Hayden terminou em 10º e 11º lugar, antes de terminar fora dos pontos, na 17ª posição na Grã-Bretanha, depois de ter caído do sexto lugar logo no início.

As coisas melhorariam na ronda holandesa. Na quinta-feira, teve um bom ritmo nas duas sessões de treinos livres, terminando em terceiro em ambas. Na terceira sessão de treinos livres, no sábado, terminou em terceiro mais uma vez. No entanto, uma qualificação molhada fez com que Hayden perdesse muito do ímpeto que tinha no seco e se qualificasse no 13º lugar.

Durante o aquecimento no domingo, a pista estava seca e Hayden terminou a sessão em primeiro lugar, à frente do Suzuki de John Hopkins e da Yamaha de Valentino Rossi. Quando a corrida começou, passou do 13.º para o sexto lugar na primeira curva, e a seguir subiu ao terceiro lugar: o seu primeiro pódio da temporada e a sua posição mais alta desde o início da temporada.

A sua boa forma continuou na corrida seguinte na Alemanha. Começando apenas em 14º lugar da grelha depois de mais um mau desempenho na qualificação, a Honda de Hayden, bem como a Yamaha de Colin Edwards, a andar nos novos Michelin, foram muito melhores na pista de Sachsenring em comparação com a Ducati de Casey Stoner em Bridgestone, que ultrapassariam nas etapas finais da corrida. Hayden terminou em terceiro, fazendo deste o seu segundo pódio consecutivo do ano.

Depois de vencer o grande prémio em casa por dois anos consecutivos, Hayden retirar-se-ia pela segunda vez na ronda dos Estados Unidos. Depois da qualificação para o quarto lugar, no sábado, alargou quando se meteu ao lado de John Hopkins na curva dois e depois entrou em contacto com a Suzuki de Hopkins, enquanto ambos tentavam voltar à trajetória.

Hayden voltaria na 16ª posição, com a sua Honda danificada, lutando com os wildcards Chaz Davies e Miguel Duhamel. Na oitava volta, estava a rodar cerca de três segundos mais lento do que o resto e à frente apenas de Hopkins nos ecrãs de cronometragem, levando-o a retirar-se eventualmente.

Recuperou na corrida seguinte na República Checa, somando mais um terceiro pódio. No sábado, Hayden qualificou-se a 0,280 segundos de Casey Stoner no segundo lugar, mas caiu para o quarto lugar após uma má partida. Acabaria por passar pelo seu companheiro de equipa Pedrosa para se manter no terceiro lugar da segunda volta, posição que ocupou para o resto da corrida.

Na nova corrida em São Marino, Hayden terminou em 13º lugar depois de um mau arranque e uma queda envolvendo Randy de Puniet e Pedrosa que o obrigou a ir à gravilha. Na ronda portuguesa, Hayden conseguiu a sua primeira e única pole position da temporada, superando Casey Stoner por apenas 0,04 segundos. No entanto, teve dificuldades no dia da corrida, conseguindo terminar fora do pódio em quarto, depois de subir na ordem após uma queda precoce na corrida. No Japão a seguir, Hayden terminou no nono lugar.

Na Austrália, Hayden retirou-se pela terceira vez na temporada. Tinha começado bem, subindo de quarto para segundo na primeira volta e lutando com Stoner na primeira metade da corrida. No entanto, na volta 11, o seu motor começou a perder potência, o que permitiu a Rossi subir ao segundo lugar. Na 13ª volta, o motor perdeu completamente potência, obrigando-o a retirar-se. Nas duas últimas corridas da temporada – as rondas da Comunidade Malaia e Valenciana – Hayden terminou em nono e oitavo.

Com tais resultados, Hayden terminou em oitavo lugar no campeonato, com 127 pontos, 240 pontos atrás do campeão Casey Stoner e 115 pontos atrás do segundo classificado e companheiro de equipa da Honda Repsol, Dani Pedrosa.

Em 2008, Hayden voltou ao seu antigo número 69, pois Casey Stoner ganhou o direito de correr com a placa número 1 depois de ganhar o título de MotoGP na Ducati em 2007.

Logo de início, Hayden terminou em 10º lugar na corrida inaugural no Qatar e foi ultrapassado pelo seu companheiro de equipa Dani Pedrosa, que terminou no pódio no terceiro lugar. Na corrida seguinte, em Espanha, Hayden terminou fora do pódio na quarta posição, enquanto o seu companheiro de equipa conseguiu vencer a corrida. Durante a prova, esteve perto de ultrapassar Jorge Lorenzo, mas um erro a apenas seis voltas permitiu ao espanhol terminar em terceiro.

A seguir, Hayden registaria o seu primeiro e único abandono da temporada em Portugal. Tinha caido para o sétimo lugar na primeira volta, antes de voltar ao quinto lugar. Uma queda de Andrea Dovizioso permitiu-lhe subir à quarta posição e estava a tentar fechar uma diferença de dois segundos para o terceiro lugar, Valentino Rossi, mas perdeu a frente da sua moto na curva da orelha e deslizou para fora da luta.

Nas cinco rondas seguintes, Hayden não terminaria acima do sexto lugar. Terminou em sexto lugar na China, oitavo em França, e foi 13º em Itália, 8º na Catalunha e 7º na Grã-Bretanha. A corrida em Donington Park também marcou a estreia da corrida do motor de distribuição pneumática da Honda, que só Hayden estava a usar inicialmente.

Na nona ronda , em Assen, Hayden ficou em terceiro desde o início e estava pronto para terminar aí até ficar sem combustível na curva final, devido a um problema no sistema elétrico que impediu uma monitorização precisa do combustível. Colin Edwards conquistou o terceiro pódio sobre Hayden momentos antes de Hayden passar por cima da linha sem motor, para terminar no quarto lugar.

Nas duas rondas seguintes na Alemanha e na ronda em casa nos Estados Unidos, Hayden terminou em 13º e em 5º lugar. Uma lesão no calcanhar sofrida num acidente de motocross fez com que Hayden não participasse nas provas Checa e de San Marino. À medida que a época prosseguia, as relações dentro da equipa já se tinham deteriorado, e houve mais atrito quando Pedrosa trocou os fornecedores de pneus a meio da época (da Michelin em dificuldades para a Bridgestone dominante) sem que Hayden fosse consultado.

Hayden afirmou que nunca lhe colocaram a escolha. “Uma vez disseram-me que eu estaria a perder o meu tempo se só tivesse pensado em pedir pneus Bridgestone… Não me surpreende que lhos tenham dado. Além disso, em Misano nem tinha o mesmo garfo que a Dani tinha… Não acho que me deixariam experimentar os pneus novos”.

Este incidente deu peso aos rumores de que Hayden e a Honda iriam separar-se para a próxima temporada. O rumor foi confirmado no dia 12 de Setembro de 2008, quando Hayden afirmou durante uma conferência de imprensa da Dorna: “Não é segredo. Toda a gente sabe onde vai ser a minha próxima paragem… Mas, oficialmente, estamos à espera de o fazer da maneira certa, até às apresentações, porque há equipas e outras coisas a ter em conta”.

Apesar de todo o atrito e negatividade nos meios de comunicação entre Hayden e a equipa da Honda Repsol, ele continuaria para terminar a temporada com uma nota mais positiva do que no ano anterior. Na sua corrida de regresso a Indianápolis, viria a terminar em segundo lugar – o seu primeiro pódio da temporada.

Hayden começou em quarto, mas subiu no pelotão, ultrapassando Valentino Rossi, que tinha caído da pole para quarto no início, quando o seu futuro companheiro de equipa na Ducati, Casey Stoner, e o estreante Andrea Dovizioso, na segunda volta, assumiram a liderança. Depois de Rossi ter lutado até ao segundo lugar, ultrapassaria Hayden em condições molhadas e complicadas na reta principal na 14ª volta. Com a chuva a aumentar, Hayden começou a lutar com dificuldades e quase perdeu o segundo lugar para uma carga de Jorge Lorenzo, até que os comissários pararam a corrida a sete voltas do fim. A seguir, na corrida japonesa, Hayden terminaria na quinta posição.

O segundo e último pódio da temporada de Hayden, e da sua carreira na Honda, viria na corrida na Austrália. Nicky ficou em terceiro lugar na grelha, enquanto o herói da casa Stoner conquistou a pole position. Quando as luzes se apagaram, Stoner foi desafiado pelo ‘Kentucky Kid’ durante 10 voltas, antes do australiano começar a tirar uma vantagem de dois segundos a meio da corrida e chegar a uma vantagem de 6,5 segundos na bandeira axadrezada.

Hayden, ainda em segundo lugar na altura, era agora atacado por Valentino Rossi, que tinha saído do 12º lugar, após uma queda de qualificação a alta velocidade no sábado. Hayden lutou arduamente para manter o segundo lugar, mas acabou por não impedir Rossi de o assumir na última volta. Nas duas últimas rondas da sua carreira na Honda na Malásia e Valencia, Hayden terminou em quarto e quinto lugar, respetivamente.

Em meados de 2008 era fortemente suspeito por fãs, meios de comunicação e o paddock de MotoGP já, e mais tarde apoiado pela própria admissão de Hayden durante uma conferência de imprensa, de que deixaria a Honda, e que Hayden se iria juntar à Ducati Marlboro Team para andar ao lado de Casey Stoner para a temporada de MotoGP de 2009. Isto foi confirmado em 15 de Setembro de 2008, terminando assim a sua relação de 10 anos com a Honda.

Durante os testes de pré-temporada, Hayden foi atormentado por problemas e rotineiramente terminando a meio-campo ou menos. A sua maior queixa foi que a GP09 estava a “bombear”” durante as saídas de curva, levando a problemas com a aderência. Estes problemas continuaram durante todos os testes de pré-temporada.

A sua primeira temporada na Ducati começou mal quando, durante a qualificação para a ronda inaugural do Qatar, Hayden sofreu uma forte dor nas costas e precisou de três pontos para um corte no peito depois de ter caído violentamente. Foi lançado para o ar por uma chicotada no final da sessão de qualificação de 45 minutos, quando tentava melhorar a sua 16ª posição, tendo sido levado para o hospital.

Depois de ter sido revelado que Hayden não tinha nada partido, regressou na sessão de aquecimento no domingo e terminou em 12º lugar na corrida adiada e quase cancelada pela chuva, logo atrás do seu ex-companheiro de equipa Dani Pedrosa.

Este também foi o 100º Grande Prémio de Hayden. Apesar dos contratempos, Hayden parecia otimista sobre os resultados dizendo “Vou sair daqui de bom humor e ansioso por Motegi.”

Na segunda corrida no Japão, Hayden nunca tinha andado na Ducati à chuva e ficou em 12º lugar na grelha. Depois, na primeira volta da corrida, Hayden eliminado pelo estreante Yuki Takahashi, que abalroou Hayden pela retaguarda na travagem para o gancho. Como resultado, Hayden retirou-se da corrida e deslizou mais para baixo ainda na classificação.

Depois de Motegi, Hayden teria um desempenho continuamente inferior em comparação com o colega de equipa Casey Stoner. Terminaria em 15º lugar em Espanha, 12º em França e Itália, mas viria lentamente a subir à medida que a época avançava quando terminou em 10º na Catalunha, 8º na Holanda e 5º na sua corrida em casa nos Estados Unidos, o seu melhor resultado da temporada. Terminou em oitavo lugar no GP alemão, 15º e com uma volta de atraso, depois de uma má escolha de pneus no britânico e a seguir foi 6 na ronda Checa. No entanto, pela 11ª ronda, Stoner já tinha vencido dois GPs e terminou no pódio mais três vezes.

A sua descoberta de como andar na Ducati viria na ronda de Indianápolis. Depois da qualificação para o sexto lugar, no sábado, subiu ao quinto lugar e depois ao quarto lugar, quando Dani Pedrosa e Valentino Rossi caíram da corrida. Em seguida, ultrapassou o compatriota Colin Edwards para o terceiro lugar, mas teve de afastar Andrea Dovizioso, então piloto da Honda Repsol, nas etapas finais da corrida. Fê-lo e acabaria a meio segundo de distância de Dovizioso, tornando-se o primeiro piloto da Ducati sem ser Stoner a terminar no pódio desde que Loris Capirossi o fez no Grande Prémio do Japão de 2007.

Após o seu primeiro pódio da temporada, Hayden registaria a sua segunda desistência quando se envolveu num incidente causado por Alex de Angelis e Colin Edwards. Quando de Angelis tentou ganhar posições durante as curvas curtas da direita-esquerda um e dois, bateu em Edwards que depois cortou pelas costas de Hayden, fazendo com que todos se retirassem da corrida na primeira volta do GP de São Marino.

Depois de Misano, Hayden terminou em oitavo lugar em Portugal, foi 15º na Austrália, depois de ter caído mais uma vez com Jorge Lorenzo na primeira volta e perdido tempo significativo a regressar, e quinto na Malásia e Valencia.

Hayden terminou em 13º lugar no campeonato, com 104 pontos, 202 pontos, atrás do campeão Valentino Rossi e 157 pontos atrás do segundo classificado, Jorge Lorenzo, o seu pior resultado desde que começara a correr na classe MotoGP em 2003.

(continua)

0 0 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ensaios
últimas MotoGP
últimas Motosport
Motomais
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x